Bezerro a R$ 2.850 e relação de troca é a pior desde 2015

PARTILHAR

As relações de troca para o pecuarista da recria/engorda estão cada vez mais “assustadoras”, segundo a Agrifatto ela é a pior desde 2015. Veja!

Os preços dos bezerros seguiram o ano de 2020 em uma trajetória de valorização e, em alguns casos, os preços atingiram os patamares de R$ 16,50 por kg nas praças paulistas. Além disso, segundo os dados divulgados pela Agrifatto, a relação de troca Boi Gordo/Bezerro é a pior desde 2015. Confira!

Os leilões esquentaram o mercado da reposição nesse ano histórico para a pecuária de corte. Segundo as informações obtidas, em média, bezerro 1/2 Angus é vendido ao preço de R$ 2.760,00 no estado do Paraná. Os preços seguem ainda, em patamares elevados mesmo com a queda nos preços da arroba nas últimas semanas.

Segundo informado pela Agrifatto, “a relação de troca para o pecuarista que necessita fazer a reposição dos seus animais chegou ao PIOR NÍVEL dos últimos cinco anos, após o preço do bezerro ter avançado em ritmo mais acelerado que o boi gordo desde janeiro/20″, disse em seu relatório.

De forma resumida, o pecuarista da recria/engorda que hoje realizar a venda de um boi gordo de 20 arrobas será possível adquirir apenas 2,14 bezerros em 2020, 10% a menos do que era possível em 2019.

Esse cenário expõe a realidade construída a partir de 2017. Com o abate de fêmeas se intensificando em todo o país, atingindo o ápice em 2018. Esse fator trouxe a virada no ciclo pecuário, com os preços do bezerro atingindo patamares recordes, já que a oferta se encontra nos menores níveis. A lei da oferta e da demanda, ditando o mercado.

Assim como em 2015, o ano de 2020 está sendo caracterizado pela escassez de animais, seja para reposição ou para abate, aponta a Agrifatto. Esse cenário trouxe uma valorização na cria e uma consequente retenção de fêmeas, fato que explica o menor número de abates da categoria no ano de 2020.

No entanto, o ciclo pecuário é soberano!

Caso se repita o cenário pós 2015, haverá uma situação mais desafiadora para os pecuaristas brasileiros nos próximos três anos.

Preço dos bezerros

Na última semana, devido as incertezas quanto ao mercado do boi gordo, a reposição trabalhou com o freio de mão puxado e tivemos mais uma semana de recuo nas cotações. Segundo levantamento da Scot Consultoria a queda foi de 0,9%, considerando a média de todos os estados monitorados, entre machos e fêmeas anelorados e gado mestiço.

Ainda segundo a Scot, Minas Gerais segue com o bezerro mais caro do país, os preços ficam em média R$ 2.850,00/cab, para animais de 7,5@. Já o Cepea, indica valores de R$ 2.510,70 para a praça de sul mato-grossense e R$ 2.472,38 para as praças paulistas, lembrando que são animais de peso médio 189 kg, ou seja, R$13,28/kg para Mato Grosso do Sul.

Nesse mesmo período, os preços do bezerro foram negociados a patamares de R$ 2.500 a 2.700,00 por cabeça, segundo os dados divulgados no app da Agrobrazil.

Atenção pecuarista

“Atenção ao custo de aquisição dos seus animais e por quanto tempo você ficará com ele em sua propriedade!”, alerta a Agrifatto em seu relatório. Diante desse fato, conforme colocado essa semana aqui no Compre Rural, agora é o momento do pecuarista realizar o seu planejamento e ajustar as suas programações e custos.

As compras, segundo nosso diretor de Jornalismo e Zootecnista, Thiago Pereira, o momento é de cadenciar as compras. “Agora é hora de utilizar ferramentas de trava na bolsa, planejamento estratégico e uma gestão eficiente. Se for comprar, é hora de comprar apenas o necessário!“, finaliza ele.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com