Bezerro vai a R$ 4.200/cab com mercado aquecido, veja!

PARTILHAR
Foto: @eugeniavillalba.campo

De olho na demanda da China e Europa, terminador de gado prioriza animais de qualidade para a engorda e pagam mais pelos bezerros, veja!

Com o mercado demandando animais de melhor qualidade genética, os investimento na cria vem dando resultado no campo e, com a crescente procura por carne de qualidade, os pecuaristas estão pagando mais pelos animais de cruzamento e precoces. “O caminho da pecuária lucrativa e produtiva começa com os investimentos na cria”, afirmou o consultor Thiago Pereira.

Diante desse mercado, produtores estão pagando mais de R$ 4.000,00/cab para os bezerros. Cenário que vem favorecendo o setor da cria e trazendo, por ora, certo temor em relação as margens de lucro do pecuarista da terminação que vê a relação de troca atingir o pior nível nos últimos anos.

Atualmente, o valor da arroba em São Paulo, permite ao pecuarista uma relação de troca de 1,76 animais, levando em conta um Bezerro Macho Nelore para reposição e com 7,5@. Esse é o pior nível nos últimos anos, lembrando que a média histórica era de 3 a 4 bezerros.

Se por um lado a conta aperta, por outro existe um cenário de grande otimismo para os pecuaristas que viram o Boi Futuro bater R$ 320,00/@ na B3 para os contratos de outubro. Lembrando que esse mercado tem se sustentando por conta da sinalização da baixa oferta de animais no mercado ao longo do ano.

Invernistas, confinadores e criadores estão sempre em busca da bezerrada, o que tem deixado satisfeitos os vendedores de várias raças – desde as de sangue indiano, como nelore, até as de origem europeia, como angus e hereford.

O “1º Leilão de Criadores”, promovido em 4 de março pela Associação de Pecuaristas do Celeiro Catarinense (APCC) com apoio do Sindicato dos Produtores Rurais de Campos Novos, movimentou as mangueiras e o recinto de leilões do Parque de Exposições Leônidas Rupp. Foi na batida do martelo que os preços dispararam. Veja a tabela abaixo:

Preços pelo Brasil

Segundo o app da Agrobrazil, o pecuarista brasileiro tem informado suas negociações no app, apontando para um mercado que tem flutuado de acordo com o do boi gordo, ou seja, as valorizações neste mês, trouxe também um aumento na média para os bezerros pelo país.

Segundo os dados da tabela abaixo, os animais já tiveram uma valorização de R$ 273,81/cab para a praça paulista, que é referência no país. Não foram observadas desvalorizações em nenhuma das praças avaliadas pelo app.

O Indicador do Bezerro Esalq/CEPEA, aponta para uma grande valorização no setor nos últimos seis meses, com o preço médio do animal sendo cotado a R$ 2.795,16/cab. O indicador do boi gordo do Cepea, calculado com base nos preços praticados em São Paulo, teve um dia de preços mais altos e registrou novo recorde histórico.

Atualmente, o preço do bezerro sul mato-grossense, teve uma variação diária de 0,77% e fechou o dia cotado a R$ 2.856,40/cab para animais de peso médio de 184,75 kg, apontou o Indicador do Cepea.

Cenário da pecuária nacional e os bezerros

Grosso modo, o ciclo da pecuária segue o mesmo roteiro no Brasil e em qualquer lugar no mundo onde há produção de bovinos: arroba do boi gordo cai; maior abate de fêmeas; queda no número de vacas e bezerros; queda no número de boi gordo; arroba do boi sobe; bezerro se valoriza; produtor retém mais fêmeas; produção de bezerros e boi gordo sobem; conforme alta da produção, o preço da arroba cai, e aí recomeça o ciclo.

O cenário dado neste momento é que, em 2022 e 2023, o ciclo da pecuária começará a mudar, com a normalidade da cria e a maior oferta de bezerros e mais animais para o abate.

Se a tendência é de mais bezerros, de agora em diante, o que se verá no mercado serão animais mais baratos? Tem produtor achando que não deve ser bem assim. Vamos aguardar as cenas do próximo capítulo para ver o que teremos pela frente!

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com