Boi alcança R$ 238,75/@ no mercado futuro, diz Agrifatto

Boi alcança R$ 238,75/@ no mercado futuro, diz Agrifatto

PARTILHAR
Foto: Governo de Mato Grosso

Na B3, os futuros seguem firmes e fortes, alcançando preços recordes. O outubro, encerrou o dia em R$ 235,90/@, alta diária de 0,79% e 1,19 mil contratos negociados na terça-feira.

Dia parado no mercado atacadista de carne bovina. Relatos apontam para um afastamento dos pequenos e médios frigoríficos, que atendem majoritariamente o mercado interno e sofrido com a subida da arroba, o que tem deixado ainda mais escassa a oferta de carnes. Neste sentido, o cenário começa a apontar para uma possível alta na próxima semana, em vista a maior movimentação no varejo. 

Na B3, os futuros seguem firmes e fortes, alcançando preços recordes. O outubro, encerrou o dia em R$ 235,90/@, alta diária de 0,79% e 1,19 mil contratos negociados na terça-feira. Para novembro e dezembro, as indicações foram R$ 238,75/@ (+0,53%) e R$ 239,25/@ (+0,95%), respectivamente.

Milho

Após a divulgação do relatório de safra divulgado na segunda-feira pelo USDA, o dia de ontem foi agitado nos EUA. O vencimento para setembro/20 do milho na CBOT registrou alta de 2,71%, fechando o dia a US$ 3,41/bu, maior preço dos últimos 47 dias. O relatório do USDA demonstrou uma queda de 5 p.p. nas condições boas/excelentes da safra de milho norte-americana, respondendo ao tempo seco e em pelos ventos em Iowa, onde as condições da safra de milho estão nos piores níveis das últimas oito safras.

No Brasil, as cotações no mercado físico e futuro avançaram se baseando na CBOT, o contrato para setembro/20 encerrou o dia com alta de 1,42%, cotado a R$ 61,39/sc. O preço do milho continua a avançar, apesar do balanço de oferta e demanda estar demonstrando estoques estáveis. Dólar e o posicionamento sólido do agricultor em não negociar o restante de cereal disponível dificultam a desvalorização do cereal.

Soja

O preço da oleaginosa no Brasil voltou a subir novamente no mercado físico, desta vez, o apoio para a alta veio de Chicago, onde a cotação da soja subiu 1,56%, com o vencimento setembro/20 atingindo os US$ 9,14/bu, rompendo assim o maior valor dos últimos 174 dias. A pressão dos preços nos EUA adveio principalmente da pior na qualidade da safra norte-americana, que viu as condições boas/excelentes recuar 3 p.p. no comparativo semanal.

No Brasil, as cotações voltaram a ficar acima dos R$ 132,50/sc, mesmo com o recuo do dólar para o patamar de R$ 5,23. A pressão de Chicago refletiu diretamente sobre os preços pagos nos portos brasileiros, no entanto, a escassez de produto no mercado interno dificulta as negociações e trava maiores valorizações do produto brasileiro.

Fonte: Agrifatto

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com