Conexão Delta G tem mais de 400 mil animais avaliados

Conexão Delta G tem mais de 400 mil animais avaliados

PARTILHAR
gap genetica rebanho
Foto: Rebanho GAP

O presidente da Conexão Delta G, Eduardo Eichenberg, apresenta os projetos voltados ao melhoramento genético das raças Hereford e Braford para a Revista AG.

Revista AG – Quando surgiu a Conexão Delta G, que princípios nortearam os trabalhos da entidade?

Eduardo Eichenberg – A Conexão Delta G é uma associação que reúne um seleto grupo de pecuaristas. Foi criada há mais de 30 anos e é focada no melhoramento genético de animais das raças Hereford e Braford. Tem como principal objetivo gerar e utilizar tecnologia de ponta para aumentar a rentabilidade da pecuária de corte.

AG – Quantas fazendas são parceiras da associação e qual a quantidade de animais avaliados pela Conexão Delta G?

EE – Atualmente, fazem parte da entidade 17 agroempresas, espalhadas pelos estados do RS, SP, MS e MG. São aproximadamente 12.000 vacas em produção e um banco de dados de mais de 400.000 animais avaliados, o que caracteriza a Conexão Delta G como um dos maiores programas de melhoramento genético do mundo.

AG – Recentemente, a associação e a Embrapa desenvolveram um projeto de seleção genômica da raça Hereford para identificar animais resistentes à Ceratoconjutivite Bovina Infecciosa (CBI). Quais seriam os primeiros passos desse projeto?

EE – O primeiro passo do projeto consistiu na coleta de fenótipos relacionados à CBI em touros e novilhas de sobreano da raça Hereford pertencentes a membros da Conexão Delta G, com o objetivo de estimar parâmetros à seleção genômica para resistência à doença. Com base nessas informações e, com base nas informações de DNA dos animais avaliados, foram identificados os marcadores moleculares. Em seguida, foram enviados à sede da Embrapa Pecuária Sul, em Bagé/RS, animais de membros da Conexão, selecionados, com base nas informações coletadas, como resistentes e sensíveis à CBI, com o objetivo de, através de infecções experimentais com Moraxella bovis, validar os marcadores identificados e caracterizar as cepas de Moraxella bovis responsáveis pelos surtos de infecção.

Futuramente, com base nessas informações, e com o aumento do banco de dados de fenótipos e genótipos da enfermidade (que irá ocorrer com a coleta de fenótipos sobre CBI ao longo dos próximos anos), esperamos poder realizar, com um satisfatório grau de acurácia, a seleção genômica para resistência à CBI em animais Hereford, da mesma forma que já podemos realizar, com bastante confiabilidade, a seleção genômica para resistência ao carrapato em animais Hereford e Braford.

touros braford conexao delta g
Foto: Conexão Delta G

AG – Outra experiência genômica de destaque é com relação à seleção para resistência ao carrapato, sendo um grande inimigo da pecuária mundial. Nesse caso, já é possível determinar quantos bovinos Hereford e Braford foram genotipados e estão prontos para aumentar a produtividade das fazendas brasileiras?

EE – Para realização do projeto já foram genotipados mais de 5.000 animais, entre machos e fêmeas. Hoje, é possível acessar essa tecnologia através da inseminação artificial, buscando touros de IA mais resistentes ao carrapato (de acordo com os dados do Sumário de Touros da Conexão Delta G, que é lançado todos os anos, ou com os dados do Sumário de Avaliação Genômica, lançado pela Embrapa), ou ainda por meio da aquisição de reprodutores resistentes nos leilões de membros da Conexão Delta G.

Leia também

AG – De que maneira os profissionais da Conexão atuam para garantir a qualidade dos dados do rebanho coletados a campo?

EE – A coleta de dados é uma das etapas mais importantes a serem cumpridas em um programa de melhoramento genético. A tarefa de coletar os dados, geralmente, envolve boa parte da equipe de pessoal da fazenda, desde o peão até o técnico, os quais são devidamente treinados para tanto, sendo que os avaliadores (veterinários, agrônomos e zootecnistas) são sempre treinados pela equipe da GenSys. Para garantir a qualidade dos dados coletados, a Conexão promove, periodicamente, cursos e treinamentos para os avaliadores, com o objetivo de atualizar e afinar os conceitos das avaliações visuais realizadas ao longo do programa.

AG – Dentre as etapas do programa de melhoramento genético, como as avaliações genéticas multirraciais são elaboradas pela Conexão Deta G?

EE – As avaliações genéticas são multirraciais, Hereford e Braford são avaliados conjuntamente. Uma das principais razões para isso é a possibilidade de comparar animais de diferentes raças e composições raciais, testando a variabilidade genética na população como um todo.

Para obter avaliações acuradas, e, consequentemente, maior resposta à seleção, os efeitos genéticos aditivos e não aditivos (raça, complementariedade, dominância, perdas epistáticas devido à raça e interações com o ambiente) são considerados apropriadamente. Inúmeros trabalhos científicos publicados no Brasil e no exterior dão suporte técnico às avaliações multirraciais realizadas pela Conexão Delta G.

* Publicado na coluna Falou, Revista AG (Julho, 2018)

10 razões para você usar a raça Angus

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.