Cuidado ao usar Capiaçu e Sorgo Gigante para vacas leiteiras

Cuidado ao usar Capiaçu e Sorgo Gigante para vacas leiteiras

PARTILHAR
volumoso-gado-de-leite-gir-leiteiro
Figura 5 - Fornecimento da Dieta Total em cocho após ordenha. / Foto: Thiago Pereira

Os materiais existem e são bons, mas para alguma fase da vida do animal. Para o animal leiteiro, avaliem muito bem antes de usarem. Confira!

Por Marco Aurélio Factori

Como estão pessoal, tudo certo? Hoje vamos abordar de forma simples e prática o uso do capim Capiaçu e o conhecido como Sorgo Gigante. Então, vamos lá. Pessoal, como sempre faço, vou tentar exemplificar os materiais primeiro. Em seguida, vem uma história e, depois, vamos finalizar com as comparações.

Pois bem, como sempre digo, além de Zootecnista, Professor e Consultor, tenho uma opinião muito interessante, ao meu ver, sobre as coisas. Necessito, para que eu tenha uma boa conduta, e isso é minha opinião pessoal, avaliar os casos que me perguntam ou me vejo frente a frente para resolver, observar e comparar todos os pontos, para que eu erre menos. Sendo assim, quanto aos materiais abordados no texto de hoje, precisamos pontuar algumas coisas.

Primeiramente, tanto o sorgo boliviano (aquele sorgo grandão que o pessoal chama) e o capim Capiaçu são excelentes materiais para produção de massa, sendo difícil de encontrar um material mais produtivos que eles.

Para compararmos com valores aproximados, o milho para silagem de planta inteira, produz em média 35 toneladas de massa verde por hectare. Considerando safra e safrinha chegaremos a umas 60 toneladas de massa verde por ano. Isso em média. Há lugares em que a produção chega sem grandes esforços a 90 toneladas.

A cana, tem em média 90 toneladas de massa verde, podendo chegar até 150 toneladas em alguns cortes ao longo da vida da planta. Mas, o Sorgo Gigante e o capim Capiaçu, segundo algumas fontes, ultrapassam por ano, 200 toneladas de massa verde facilmente.

Declaradamente, não podemos discutir a produção de massa, afinal, de fato, são vitoriosos. Mas como eu disse que sou Zootecnista e Consultor, além de Professor, tenho que passar o correto aos meus assistidos, alunos, ouvintes e, principalmente, leitores.

Então vamos a uma história. Saindo um pouco da produção de leite e indo para o frango, podemos observar que os frangos de granja de hoje em dia apresentam uma canela mais grossa, não apresentam? Sabe por que? A genética preparou estes animais para ganho de peso. Necessitam de sustentação. Outro exemplo, podem observar, atletas que disputam corridas geralmente são pernaltas, não são? Pernas grandes, compridas que os colocam a frente, não é? Ainda, capins mais altos que outros que produzem mais. Opa, chegamos em um ponto interessante.

Pessoal, o que quero neste momento, é que examinem os matérias do texto de hoje: Capim Capiaçu (aquele capim grandão) e o Sorgo Boliviano (o tal do sorgo grandão). Parece até engraçado, mas quando se lança um novo material todos acabam dando um apelido e este apelidos ficaram para estes materiais.

Eu já vinha orientando alguns produtores, que ao plantar um material deste, temos que ter alguns cuidados. Um deles é a qualidade do material. Sim, eles crescem bastante, então precisam ficar altos e, para isso, precisam de fibra para sustentação.

Foto: Antônio Vander Pereira / Embrapa

Não há segredo pessoal, não há crescimento se não houver fibra (FDN E FDA; Fibra insolúvel em detergente neutro e ácido, respectivamente) para sustentação.

Por serem muito produtivos, não fazem milagre, e por isso precisam formar um material com um teor de FDN ao redor de 60-80 % em comparação ao teor de FDN da silagem de milho, 30-50%. Sabe o que eu quero dizer relacionando isso com a nutrição de vacas leiteiras, pessoal? O leite produzido irá diminuir, a medida que estes animais comem maiores quantidades destes materiais na dieta.

Para que não fiquem duvidas, para a produção de leite, o animal precisa, além do concentrado (ração), de um volumoso de boa qualidade. A fermentação do concentrado, por meio de microrganismos ruminais produzem principalmente propionato (que será transformado em energia para os ruminantes) e o acetado, precursor da gordura do leite, vira pelos microrganismos por meio da fermentação do volumoso. Então, se este volumoso não tem qualidade, não tem gordura e podemos não ter quantidade de leite muito menos qualidade.

Algumas pessoas me procuraram a respeito disso. Uma delas me ligou e falou, que as suas vacas começaram a comer o tal do capim grande e diminuíram o leite. Outra me perguntou do porquê seus animais, comendo este capim, a qualidade do leite em termos de gordura, alterou consideravelmente. Outra me disse que o seu leite estava apresentando acidez e não era pela limpeza dos utensílios, o que seria?

Senhores, a explicação é uma só. Vacas de média a alta produção, ao comerem estes materiais mais fibrosos, ruminam mais e acabam ingerindo menos comida. Este ponto explica a diminuição da produção.

Sorgo-forrageiro-gigante-boliviano-Agri-002E-plantacao-2
Foto: Agricomseeds / Reprodução

O outro ponto, da qualidade do leite, é simples. Mais fibra, de menor qualidade ou de maior teor de FDN, altera a composição ou a relação de gordura e proteína do leite, em função da maior ou menor produção de gordura em conformidade com a quantidade de proteína produzida. Isto é fato.

Pessoal, muitos de vocês devem estar falando assim: mas no meu caso o capim Capiaçu aumentou o leite, não é mesmo? Simples pessoal. Se cortarmos ele no ponto certo, ao redor de 1,8 a 2 metros de altura o material apresenta a mesma ou um pouco maior a qualidade do capim bem manejado. Mas e porque o pessoal não corta assim? Sabe a resposta pessoal: o pessoal busca volume e não qualidade.

E o sorgo gigante, posso cortar mais baixo ou mais precocemente, ou mais novo? Não podemos, perderemos o ponto de silagem, já que o mesmo é para se fazer silagem. Como dizem pessoal: sinuca de bico, ou seja, as vezes ficamos sem saída.

Para terminarmos, não busque qualidade. Não busque quantidade. Busque o ponto ótimo de manejo que por definição é o ponto de equilíbrio entre qualidade e quantidade de forragem produzida.

Os materiais existem e são bons, mas para alguma fase da vida do animal, para alguns tipos de animais, de menor produção, ou até mesmo um bom material para gado de corte, para fornecimento no cocho. Para o animal leiteiro, avaliem muito bem antes de usarem. Pensem nisso!

Fonte: Milk Point

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com