Fazendeiro passa mal e é devorado por seus porcos

Fazendeiro passa mal e é devorado por seus porcos

PARTILHAR
Raça mangalica, de origem húngara, foi desenvolvida no século 19 pelo cruzamento de porcos e javalis europeu (Crédito: Wikimedia Commons)

O fazendeiro foram encontrado pelo seu vizinho, que identificou os resto deixados pelos porcos no local; Ainda não foi definido o que será feito com os animais.

Um fazendeiro, de 71 anos, foi comido por seus porcos após ter desmaiado em Osiek, na Polônia. De acordo com as informações do jornal britânico DailyMail, o homem teria saído para buscar água em um poço, passou mal e acabou sendo devorado por 12 porcos da raça mangalitsa.

Os restos mortais do Sr. Krzysztof, como foi identificado pela mídia local, foram encontrados por um vizinho que sentiu falta do colega durante as festividades de Ano Novo. Quando o vizinho chegou, encontrou uma pilha de ossos e fragmentos de crânio.

Os promotores que investigam o caso suspeitam que Krzysztof pode ter sofrido um ataque cardíaco.

Após a morte do fazendeiro, os vizinhos discutem o destino dos porcos. Alguns defendem o abatimento dos animais, no entanto, veterinários da região são contra.

Conheça a raça Mangalitsa

Rústico e peludo, ele esteve à beira da extinção, mas sobreviveu graças à qualidade incomparável da sua carne.

A raça mangalitsa, de origem húngara, foi desenvolvida no século 19 pelo cruzamento de porcos e javalis europeu. Em entrevista ao DailyMail, Katarzyna Trotzek, do asilo de porcos “Chrumkowo”, afirmou não acreditar que os porcos tenham comido o cadáver.

Confira algumas curiosidades sobre esse porco peludo e encaracolado:

1 O ano de 1830 é considerado o marco zero da origem do mangalitsa. Ele resulta da cruza de três raças: sumadija, bakony e szalonta

2 O compositor Johann Strauss II homenageou os mangalitsas na opereta “O Barão Cigano”, de 1885. Zsupan, um dos personagens, era criador desses porcos

3 A raça só foi oficialmente reconhecida em 1927

4 Depois da Segunda Guerra Mundial e com os sistemas de produção coletivizados pelo comunismo, o mangalitsa quase desapareceu da Hungria. No final dos anos 1970, havia cerca de 200 animais no país inteiro

5 Uma década mais tarde, houve um renascimento da raça na Áustria e Hungria, onde a população subiu rapidamente para 10 mil

6 Como as ovelhas, o mangalitsa pode ser tosquiado uma vez por ano. Geralmente isso é feito durante o verão no hemisfério Norte

7 A pelagem pode ter três cores: preto, louro e avermelhado

8 Um mangalitsa custa 1.200 euros (R$ 4.800) na Europa, cinco vezes mais que um porco comum

9 A carne desse suíno é suculenta, altamente marmorizada e rica em ômega 3 e antioxidantes naturais

10 Atualmente, o mangalitsa é o único porco de pelagem espessa e encaracolada no mundo. Seu único concorrente, o lincolnshire curly coat, está extinto.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com