JBS incendeia o mercado com paralisações mal explicadas

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Segundo as informações obtidas, a JBS incendiou o mercado do boi gordo com paralisações mal explicadas só de boi comum; em um dia a arroba já caiu mais R$ 10 no estado.

A confusão que a JBS está armando no Mato Grosso, com paralisações temporárias de plantas e outras até definitivas, em situação ainda sendo levantada por agentes locais, tem nome e sobrenome: tem boi comum sobrando para mercado interno sem fome. Tanto é que a unidade de Barra do Garças, a única habilitada para exportação China, não foi tocada, divulgou a Money Times.

A entressafra não foi das mais fortes, o ciclo da pecuária se inverteu, com menos fêmeas sendo retidas para cria, e o maior frigorifico mundial só está querendo dar conta de boi com premiação.

Segundo a Nota Pública, divulgada pela Associação dos Criadores de Mato Grosso (Acrimat), essas medidas causam grandes prejuízos e instabilidades para os pecuaristas. “Essa situação tem promovido transtornos e prejuízos incalculáveis aos produtores, principalmente os registrados nos últimos dias quando, coincidentemente, os frigoríficos promoveram quase que simultaneamente a extensão de suas escalas, baixando os valores da arroba do boi“.

A JBS foi consultada através da sua assessoria, mas sem retorno. Sendo assim, o cenário conhecido pela Associação dos Criadores do Mato Grosso (Acrimat) até o momento é mais ou menos o seguinte.

O caso está levando ao derretimento do boi. Segundo fontes de produtores, que preferem não divulgar seus nomes temendo represálias – ou seja, sair das escalas futuras, se e quando houver -, nesta quarta caiu cerca de R$ 10.

Ontem já havia caído cerca de R$ 7. Tem boi comum a R$ 260 e boi China, com premiação, já a R$ 290.

“Quando falta boi, sim, é comum e normal haver paralisações temporárias, mas agora não é o caso”, diz Francisco Manzi, superintendente da Acrimat, que também está ainda meio perdida procedendo a um levantamento real do cenário.

Plantas fechadas ou em férias coletivas

Segundo informações obtidas pela nossa equipe com pessoas ligadas a indústria, as unidades que estão com férias coletivas e ou realizando remanejamento de abates, são:

  • JBS Nova Andradina,
  • JBS Tucumã,
  • JBS Redenção,
  • JBS Colíder,
  • JBS Pontes e Lacerda e
  • JBS Alta floresta

À exceção de Pontes e Lacerda, no Sudoeste, o prejuízo maior é no vasto Norte do estado, compreendendo as pontas Nordeste e Noroeste. Lá a JBS quase não tem concorrência, sobra boi porque foi a região menos atingida pela seca de inverno, e, como Manzi comenta, o produtor não tem onde entregar para abater.

Para aqueles que ainda estão suplementando o gado, por exemplo, fica pior ainda. O boi não pode esperar para morrer.

Então, os pequenos frigoríficos que restam vão acabar se aproveitando também. Para buscar gado – o transporte é da indústria – mais longe, vão pagar muito menos. A quantidade da mexida que a JBS está dando na região está abalando os produtores.

Posição do Sinifrigo, em Nota, dizem que “para cada unidade frigorífica existem milhões investidos, altos valores em fluxo de caixa, seres humanos envolvidos e uma responsabilidade social e econômica daqueles que dirigem esta indústria. Fechar uma indústria lucrativa seria insano. Manter uma planta aberta por muitos meses com prejuízo seria irresponsabilidade. Usar do poder econômico para manobras visando o lucro a qualquer custo, como se pode alegar, é crime que abominamos”, pontou.

Quer escalar? “Não”

De acordo com o analista de Safras & Mercado Fernando Henrique Iglesias, muitas indústrias permanecem ausentes da compra de gado, avaliando as melhores estratégias para aquisição de boiadas no curto prazo. As escalas de abate seguem bastante confortáveis, e oferecem tranquilidade à indústria frigorífica neste momento.

Segundo Manzi, quem entrou em contato “para escalar” com as unidades que costumavam operar, foi informado que não ia ter compra, e agora são sabem o que fazer com os lotes prontos. E, como as informações são poucas, o temor é de enquanto não houver nada mais claro, o grupo dos irmãos Batista continuará surfando, porque certamente as cotações vão para novos pisos.

Aí, mesmo sendo boi comum, claro, o JBS volta a comprar de tão barato que vai estar. Não à toa, complementa Francisco Manzi, a Acrimat reconhece a situação da proteína de boi perante o consumo, “mas na região de Cuiabá tem cinco grupos de donos diferentes e todos estão operando normalmente”.

Para Marcos Jacinto, produtor de nelore de Canarana, o cenário tem que ser entendido pelo tamanho que o JBS ficou, “favorecido pelos governos anteriores”, e longe demais sobre os outros em termos de tamanho.

O grupo “fecha plantas” sempre que se sentiria pressionado e não guarda relação com seus “parceiros fornecedores”.

Embora admita que falta dinheiro para a população comprar carne, Jacinto comenta, por exemplo, o caso da unidade de sua cidade, que foi fechada de um dia para outro, já há algum tempo, sem maiores explicações.

Compre Rural com algumas informações da Money Times

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com