Jovens peoas montam bois em Barretos: ‘não brinco em rodeio’!

Jovens peoas montam bois em Barretos: ‘não brinco em rodeio’!

PARTILHAR
Ana Clara Barros Rosa montou a categoria feminina do Rodeio Júnior em Barretos 2019 — Foto: Ricardo Nasi

Três adolescentes de 16 e 17 anos disputam categoria feminina do Rodeio Júnior. Competidora de Minas Gerais quer conquistar título e respeito nas arenas e fora delas.

Aos 17 anos, Bárbara Gabriele se concentra na arena do Parque do Peãozinho, em Barretos (SP). Ela está prestes a fazer história e se tornar uma das primeiras competidoras da história a disputar o Rodeio Júnior. A categoria de base revela novos talentos para a montaria profissional em touros.

Em 32 anos de realização da prova na Festa do Peão, esta é a primeira vez que peoas encaram o desafio. Ao lado da mineira de Uberlândia estão Ana Clara Barros, de Ouro Branco (MG), de 17 anos, e Ana Julia Valeiras, de Pirassununga (SP), de 16.

Apesar de jovem, Bárbara tem um objetivo muito claro: conquistar respeito. “Eu não quero dinheiro, não quero prêmios. Eu quero chegar um dia e as pessoas me reconhecerem pelo meu trabalho. Eu não vou em rodeio para brincar”, diz.

Inclusão

A decisão de incluir meninas na competição infanto-juvenil surgiu pela insistência da própria Bárbara. Como forma de aprimorar as habilidades, jovens peões participam de cursos de montaria promovidos pela Associação Os Independentes. No ‘qualify’, aqueles com melhor desempenho são selecionados para a disputa do Rodeio Júnior durante a Festa do Peão.

Desde 2016, a adolescente queria muito disputar a ‘peneira’. Mas, segundo o diretor de provas, José Alexandre Silva Paiva, havia um entrave.

“A gente não conseguia fazer seguro de vida para elas. As seguradoras não aceitavam, com a justificativa de que o risco era maior. Em 2018, a seguradora que o clube trabalha avisou que conseguia fazer o seguro feminino. Aí eu consegui abrir a categoria feminina”, afirma.

Bárbara recebeu o tão esperado sim para o curso que poderia levá-la à classificação. Era a única menina inscrita. Com a notícia da participação dela na prova, outras peoas entraram em contato e foram aprovadas.

Na tarde de quinta-feira (22), ela encarou um touro mocho, sem chifres e de menor porte. Com um braço erguido e o outro firme no animal, se manteve por seis segundos em cima dele em uma disputa cheia de expectativa.

No Rodeio Júnior, o tempo de prova é dois segundos menor que o da profissional. Ela quer mais: ser campeã na final de domingo (25).

Determinação

O avô, Adilson, foi o grande responsável pela paixão de Bárbara pelo rodeio. As histórias dele sobre as competições no curral da fazenda, em Minas Gerais, a encantaram de tal forma que ela começou a montar os bezerros escondido da família, aos 12 anos.

Dois anos depois, iniciou uma rotina de treinamentos. Aos 15 anos, participou do primeiro desafio em Serra Negra (SP).

Filha de pais separados, Bárbara diz que sempre recebeu apoio da mãe. Do pai afirma ter enfrentado resistência, por receio de que algo ruim pudesse acontecer a ela. Vida de peão é arriscada e os acidentes fazem parte da carreira.

“No primeiro ano que eu comecei a montar, eu quebrei duas costelas. Eu achei que a minha mãe não iria deixar eu montar mais, mas ela deixou”, lembra.

Ela diz que familiares chegaram a desacreditá-la, mas que mudaram de ideia com o feito em Barretos.

“Ficaram naquele machismo de que ‘boi não é coisa para mulher’. Depois que aconteceu esse trem de Barretos, todo mundo fica puxando meu saco. Fica falando que eu vou pular em Barretos, que têm orgulho de mim, mas antes ninguém falava isso”, revela a adolescente.

Rotina apertada

Ana Clara Barros Rosa foi inspirada pelo pai, peão e organizador de montarias. “Ele é o meu maior ídolo, minha maior inspiração e apoiador. No começo ele ficou surpreso quando eu disse que queria montar, aos 11 anos. Ficou preocupado, mas me apoiou desde o início. Sempre que eu sinto medo, é ele quem me encoraja a continuar”, diz.

Há dois anos, ela treina com suporte e orientação do pai, no curral do sítio onde mora, em Ouro Branco. Encara com naturalidade o desafio de se manter por oito segundos em cima do animal.

Bárbara Gabriele montou a categoria feminina do Rodeo Júnior em Barretos 2019 — Foto: Ricardo Nasi

“Eu decidi montar nos bois porque tem mais adrenalina, é a prova que mais dá emoção. Eu treino aqui no curral do meu pai com os garrotinhos. Faço corrida, exercícios, corro na rua.”

Na disputa do primeiro torneio, sonha alto. “Eu quero ganhar, mas eu acho que tudo tem um propósito. Deus sabe o que faz, tudo tem a sua hora, mas a minha expectativa é de ganhar.”

Família no rodeio

A paulista Ana Júlia Valeiras vem de família inteira envolvida com o rodeio. Avôs, tios, pai e irmão, todos são competidores. “Esse amor vem da minha criação. Desde pequena eu sou apaixonada por esse esporte. Eu assistia às disputas e já me imaginava nas arenas, sentindo a adrenalina”, diz.

Segundo ela, aos 10 anos, já estava convicta da profissão que queria seguir. “Eu sempre tive certeza do que queria para minha vida. Nessa época, eu comecei a treinar e não parei mais. Meu pai sempre dizia: ‘se você não treinar, nunca vai estar preparada para os bois’, diz a adolescente.

Bárbara Gabriele foi a segunda na montaria em touros da categoria feminina do Rodeio Júnior em Barretos 2019 — Foto: Ricardo Nasi

Ana Júlia faz o fortalecimento físico na academia e direto nos treinos, com os bichos. “É cansativo, mas é a minha rotina”, afirma. A adolescente já participou de seis competições oficiais e foi campeã em Analândia (SP).

“Eu estou muito orgulhosa de mim mesma, sempre sonhei estar em Barretos. Eu vou dar o meu máximo para conseguir o título. Quero sentir toda a emoção e a adrenalina.”

‘Respeito’

Além do sonho da conquista nas arenas, as três jovens compartilham a mesma opinião sobre as mulheres em busca de reconhecimento em um ambiente majoritariamente masculino.

“Se realmente quer isso aí, vai atrás que consegue. Eu quero conquistar respeito, só respeito. Eu não quero dinheiro, não quero prêmios. Eu quero chegar um dia e os caras falarem: ‘nossa, aquela menina é cavaleira em um boi’. Às vezes, dá errado, a gente cai e as pessoas riem da gente. O importante é não desistir do sonho”.

Ana Júlia Valeiras participou da montaria em touros da categoria feminina do Rodeio Júnior em Barretos 2019 — Foto: Ricardo Nasi
Ana Júlia Valeiras participou da montaria em touros da categoria feminina do Rodeio Júnior em Barretos 2019 — Foto: Ricardo Nasi

Fonte: G1

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com