Líder isolado, brasileiro está fora do Mundial Rodeio

PARTILHAR
Foto Divulgação

O atual campeão mundial Jose Vitor Leme está em uma marcha quase contínua rumo ao segundo título mundial consecutivo nesta temporada

O brasileiro José Vítor Leme, líder do Mundial de Rodeio da Cavaleiro Profissional de Touros (PBR), está fora da disputa do próximo final de semana, em Deadwood (EUA).

Ele saiu mancando após a última montaria em Newark que lhe garantiu o título da etapa e mais US $ 28,49 mil. Uma ressonância magnética feita nesta quarta-feira (22) apontou uma lesão no músculo direito da virilha. “No momento, ainda não tenho um cronograma exato de quando voltarei às competições, mas já iniciei o processo de recuperação com fisioterapia”, disse Leme, em suas redes sociais.

“Sua lesão vai levar várias semanas para cicatrizar”, disse Freeman ao PBR.com na noite de terça-feira. “De duas semanas a muito mais tempo, se ele machucar de novo. Não é uma coisa durante a noite. É difícil prever a rapidez com que essas coisas cicatrizam. Algumas pessoas melhoram mais rápido do que outras. Espero que ele fique fora por algumas semanas, e conversamos sobre o fato de que, se ele não estiver sem dor, se não tiver suas forças de volta, ele pode ter que esperar até as finais para começar. A questão é que, se ele tentar voltar antes de melhorar, é provável que sofra uma nova lesão, e então pode ser pior do que é agora. ”

O peão tem 2.100,5 pontos sem ranking ante os 1.234,5 do vice-líder, o paulista Kaique Pacheco. Nesta temporada, Leme já venceu sete etapas, se tornado o recordista absoluto de notas acima de 90 pontos em uma temporada com 21 montarias.

Ele tenta se tornar o segundo bicampeão consecutivo da PBR, depois do também brasileiro Silvano Alves (2011-2012). Faltam cinco etapas para a disputa da grande final em Las Vegas, em novembro.

Em maio deste ano, Leme, de 24 anos, disse à Globo Rural que teve divisão especial na carreira em comparação com a maioria dos peões. “Já rompi um ligamento de um dos joelhos, quebrei seis costelas e o tornozelo. Todas essas ocorrências aconteceram nos EUA, onde, com certeza, a gente se machuca mais porque o nível dos touros está mais elevado e o chão é mais duro do que o das arenas brasileiras. ”

No Brasil, Leme se profissionalizou aos 17 anos, incentivado pelo pai, que também montava e criava touros. Antes, dos 12 aos 17 anos, tentou seguir carreira no futebol.

Leme lidera a PBR com 43 provas qualificadas, um recorde da PBR de 21 provas de 90 pontos, uma porcentagem de prova de 66,15% e uma pontuação média de prova de 89,7 pontos.

O nativo de Ribas do Rio Pardo, Brasil, admitiu que é uma decisão difícil ficar de fora, pois está prestes a quebrar uma série de recordes da PBR.

“Não vou forçá-lo a voltar”, disse Leme. “Vou aproveitar o momento certo para me recuperar e voltar quando me sentir bem.”

Há menos de um mês, em 29 de agosto, ele perdeu o amigo e companheiro de futebol nas horas vagas Amadeu Campos Junior, peão brasileiro de 22 anos que disputava a segunda divisão da PBR nos EUA. Amadeu, que estava voltando de uma lesão e sonhava ser campeão mundial como Leme, morreu pisoteado por um touro na arena de Fresno, na Califórnia.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com