Programa de energia renovável atrai produtores

PARTILHAR

Em aproximadamente dois meses do lançamento, pelo menos 5.000 produtores já procuraram os escritórios municipais em busca de informações.

O RenovaPR, Programa Paraná Energia Rural Renovável, já tem 656 projetos elaborados a pedido de interessados em instalar unidades de energia solar fotovoltaica ou biodigestor, alcançando o montante de 120 milhões de reais. Desses, 244 projetos técnicos já estão em bancos, o que representa mais de 43 milhões e 980 mil reais.

O secretário de Estado da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, destacou que o Paraná está dando oportunidade para que os produtores mostrem ao mundo sustentabilidade e capacidade de inovação para garantir mais renda nas propriedades.

Em aproximadamente dois meses do lançamento, pelo menos 5.000 produtores já procuraram os escritórios municipais do Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná em busca de informações.

Além do atendimento ao agricultor, o IDR-Paraná lançou editais de chamada pública para interessados em prestar serviços para energia solar e biogás em ambientes rurais.

Até este momento, o edital para integradoras de energia solar possui 346 empresas cadastradas. Dessas, 321 já passaram por todo o processo e estão homologadas para atender produtores rurais em projetos. Já o edital para a modalidade biogás/biometano tem até agora 13 empresas cadastradas e nove já homologadas.

Em Cafelândia, o primeiro contrato assinado do RenovaPR beneficiará a propriedade de três alqueires e meio que Armindo Zuck tem com o filho Anderson no distrito de Campina. Ali eles se dedicam à avicultura e à bovinocultura de leite, com consumo que vai de seis mil quilowatts/mês a até 14 mil, dependendo da temperatura e do uso dos equipamentos.

Anderson explicou que isso obriga o desembolso em torno de 4.500 a 5.500 reais por mês. Segundo ele, a possibilidade de financiar a instalação das placas e o Estado bancar o pagamento de 100% da taxa de juros foram decisivos para que eles tomassem essa medida.

Já em Francisco Beltrão, onde os proprietários rurais têm buscado muitas informações e muitos já se decidiram pela energia renovável, a família Gandolfi deve reduzir a conta já em outubro. Na propriedade são produzidos 1.400 litros/dia de leite e mantidas em alojamento 20.400 aves.

Joélcio Marcos Gandolfi disse que o custo da produção vinha ficando cada vez mais pesado por conta da energia elétrica, que estava chegando a até 2.000 reais por mês. Ele destacou que a família estava com todo o processo de reconversão em andamento e ajustado que pagaria 3% de juros, quando foi informada sobre o Banco do Agricultor Paranaense.

Agora, a família espera que as 68 placas, com potência de 3800 quilowatts, garantam o consumo e ainda sobre. O investimento de 132 mil reais deve ser amortizado pelos próximos dez anos.

Produtores interessados em implementar sistemas de energia renovável precisam se dirigir à unidade municipal do IDR-Paraná mais próxima de sua propriedade. É ali que ele manifesta interesse em aderir ao programa e opta, entre os homologados, quem melhor atende seus objetivos.

Caso pretenda aproveitar os benefícios do Banco do Agricultor Paranaense, pelo qual o Estado assume o pagamento total da taxa de juros, o produtor deve procurar também o agente financeiro credenciado a esse programa. Outros detalhes podem ser conferidos no site de agricultura do estado.

As informações são do Governo do PR

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com