Maior fabricante de tratores do mundo vai investir R$ 100 milhões no RS

Com produção de mais de 400 mil tratores/ano, a Mahindra, empresa que mais vende tratores no mundo, irá instalar uma fábrica de tratores no Brasil; A previsão é de que o investimento parta de R$ 100 milhões no Rio Grande do Sul

A Mahindra, empresa indiana fabricante de automóveis, máquinas agrícolas e uma das maiores fabricantes mundiais de tratores, colocou em curso um plano de expansão global. O planejamento inclui o mercado brasileiro, onde a empresa já opera há seis anos e conta com instalações para a montagem de equipamentos em Dois Irmãos (RS) e em Canoas (RS), esta em parceria com a Arthol. A multinacional indiana, anuncia sua nova fábrica no Rio Grande do Sul, estado que sofreu uma das maiores tragédias climáticas recentemente. Veja qual cidade receberá o investimento de R$ 100 milhões.

A Mahindra, fabricante de tratores de pequeno e médio porte de 25 cavalos a 110 cavalos, anunciou oficialmente em fevereiro deste ano a instalação de sua nova fábrica no Brasil. A unidade será construída em Araricá (RS), a 70 quilômetros de Porto Alegre, e receberá um investimento de R$ 100 milhões em cinco anos.

Em solenidade que ocorreu em fevereiro, o governador Eduardo Leite e o secretário de Desenvolvimento Econômico, Ernani Polo, acompanharam a apresentação de investimentos da Mahindra Rise no Rio Grande do Sul. Com foco em máquinas agrícolas, a empresa indiana investirá para implementar sua nova unidade no município de Araricá, na região do Vale do Sinos.

O governador Eduardo Leite ressaltou a importância dos investimentos atraídos e como a nova unidade da Mahindra demonstra o potencial do Rio Grande do Sul nessa empreitada. “A decisão da Mahindra em investir em uma nova unidade industrial em Araricá é um testemunho do potencial do nosso Estado. Os valores investidos, bem como a geração de empregos, não representam apenas números, mas efetivamente oportunidades importantes para nossos cidadãos e o desenvolvimento econômico das nossas comunidades”, apontou.

Em seus 78 anos de atuação, a marca se destaca por ser a que mais vende tratores no mundo, sendo sua produção no Estado gaúcho voltada para veículos para a agricultura familiar. A nova fábrica possuirá uma área total de 93 mil metros quadrados. Destes, 14 mil metros quadrados são de área construída, com previsão de que seja expandido futuramente para mais de 30 mil metros quadrados.

O CEO da Mahindra no Brasil, Jak Torretta, afirmou que a empresa agora entra em um novo momento, após seus oito anos de existência no Rio Grande do Sul. “Com essa nova área e o potencial do portfólio que temos no mundo, temos uma oportunidade muito grande para trazer outros produtos para o Estado, nesta mesma fábrica, expandindo nossa atuação. Nossa expectativa é de que já estaremos produzindo na nova unidade no primeiro trimestre de 2025”, pontuou.

“Queremos que o primeiro trator saia da nova planta no primeiro trimestre de 2025”, afirmou.

Confirmação da instalação

A unidade ficará às margens da rodovia RS-239 em Araricá, no Vale do Sinos. O detalhamento do projeto será vem sendo costurado junto ao Governo do Estado. A previsão é de que o investimento parta de R$ 100 milhões, com geração de mais de 400 postos de trabalho. As informações foram divulgadas pela jornalista Giane Guerra do Jornal GZH.

Atualmente, em sua planta industrial no município de Dois Irmãos, no Vale do Sinos, a fabricante indiana tem capacidade para produzir 1,9 mil tratores por ano. Segundo o diretor-geral da Mahindra no Brasil, Jak Torretta Jr, o objetivo da multinacional é triplicar sua capacidade de produção atual no Rio Grande do Sul.

O objetivo da nova planta é ampliar a capacidade de produção da empresa no país de 2,6 mil tratores por ano para 8 mil tratores por ano. O evento de anúncio, que ocorreu no Palácio Piratini, sede do governo gaúcho.

Mahindra Rise implementará sua nova unidade no município de Araricá, na região do Vale do Sinos – Foto: Gustavo Mansur/Secom

Anualmente, mais de 3 mil unidades dos tratores Mahindra são vendidas no Brasil, onde quase dois terços são na faixa de potência até 110cv, o qual é o principal segmento para a Mahindra. Num período pequeno de presença, a marca já alcança 5% de participação de mercado.

A intenção de instalar uma fábrica no Rio Grande do Sul já havia sido ventilada pela direção da empresa no Brasil, durante a Agrishow 2023, mas não tinha revelado o município de destino da estrutura. A confirmação veio recentemente com uma entrevista de Hemant Sikka, presidente do Setor de Equipamentos Agrícolas da Mahindra ao The Economic Times, da Índia.

Nós estamos apostando no Brasil. Eu estou muito otimista com o nosso futuro no país. No cenário global atual, o Brasil tem se tornado uma das mais importantes exportadores de grãos”, disse o executivo. “Existe um enorme potencial de exportação a partir do Brasil e nós dobramos nossa participação de mercado e esperamos crescer ainda mais com a nova unidade fabril”.

Mahindra tratores - india
Foto: Divulgação

Na linha de tratores, a Mahindra já conta com instalações de manufatura ou montagem em três dos maiores mercados do mundo: Estados Unidos, Turquia e Índia. A futura base no Brasil vai fortalecer a presença da marca no sexto maior consumidor de tratores do mundo.

Em 2023, a fabricante de máquinas agrícolas anunciou investimentos de até R$ 400 milhões até 2026, com a geração de 500 empregos, em uma nova fábrica com sede provavelmente na Região Metropolitana de Porto Alegre, que representará uma transformação na produção da Mahindra no Estado.

series-tractor-9000-9110-gallery-7-large MAHINDRA
Foto: Divulgação

Mercado de tratores no Brasil

Para a indústria de tratores, 2023 foi um ano difícil. Fatores como o fenômeno El Niño, escassez de recursos do Pronaf e Pronamp, juros elevados para financiamentos fora dos programas do BNDES e preços agrícolas, em geral, menores que no ano passado, resultaram uma queda de 15% se comparado à 2022. No segmento de pequenos e médios produtores, a queda foi ainda maior, chegando à 18%.

“No entanto, a MAHINDRA continua crescendo no Brasil. Apesar da queda de 18% no segmento que a empresa atua, conseguimos crescer 6% em relação a 2022. Ou seja, um desempenho muito acima da média da indústria”, comemora Torretta.

sede da mahindra na india
Foto: George Steinmetz / @geosteinmetz

Planos da Mahindra

Durante o evento, o presidente da Mahindra Américas, Viren Popli, destacou que, no futuro, a planta em Araricá também poderá ser utilizada para fabricação de outros equipamentos. Com unidades em outros 12 países, a Mahindra também produz, em outros mercados, colheitadeiras e implementos, assim como veículos SUV, pequenos caminhões e ônibus. Seu faturamento global é de US$ 20 bilhões ao ano.

Popli também lembrou o acordo que o ramo de Defesa da Mahindra fez recentemente com a Embraer para facilitar a compra de 40 a 80 unidades da aeronave C-390 Milllenium pela Força Aérea da Índia. Se o acordo for adiante, é provável que a Embraer construa uma fábrica na Índia em conjunto com a Mahindra.

Sobre a Mahindra

A Mahindra foi fundada em 1945 como uma empresa de aço em Mumbai, na Índia. Dois anos depois, entrou para o mercado automotivo com um ícone mundial, o Jeep Willys.

Com o passar do tempo, consolidou sua marca e atuou em vários setores da indústria como o aeroespacial, automotivo, agronegócio, componentes, serviços de consultoria, equipamentos de construção, defesa, finanças e seguros, energia e muito mais.

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Suplementação de proteína: O que saber antes de comprar

A ingestão diária de energia pode ser um fator limitante para o desempenho das vacas durante o pastejo de pastagens de inverno. À medida que as forragens avançam nos estágios de maturidade, há um suprimento inadequado de proteína bruta, o que efetivamente limita a ingestão de energia e a própria ingestão geral. A ingestão diminui…

Continue Reading Suplementação de proteína: O que saber antes de comprar

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM