Nelore, Brahman e Tabapuã: Veja as diferenças das raças!

PARTILHAR
Foto Divulgação

Hoje o rebanho bovino brasileiro é composto por cerca de 80% da raça Nelore. Nelore, Brahman e Tabapuã: Veja as diferenças das raças!

As primeiras raças bovinas chegaram no Brasil ainda no período colonial. Foram introduzidos animais europeus que não se adaptavam ao clima quente e tropical do Rio de Janeiro e Bahia, e logo começou a chegar os animais da Sub-espécie Bos tauros indicus, trazidos da Índia para trabalho e carne, e logo se adaptaram muito bem se espalhando por todo território. Nelore, Brahman e Tabapuã: Veja as diferenças das raças!

Hoje o rebanho bovino brasileiro é composto por cerca de 80% da raça nelore, zebu que melhor se adaptou ao Brasil e encantou os produtores. Após essa pequena introdução voltemos ao foco, as diferenças entre as 3 raças do título, que são bastante confundidas.

Para melhor compreensão irei abordar as características de cada uma das raças para diminuir as comparações de qual raça é melhor que qual, já que isso no âmbito zootécnico não existe, e a melhor raça vai ser aquela que se encaixar no teu modelo de produção retornando o investimento!!!!

Nelore

Nelore é uma raça de gado bovino originária da Índia. Possui a pelagem branca e a pele preta o que lhe confere uma tolerância extraordinária ao calor. Os primeiros exemplares chegaram ao Brasil no final do século XVIII, e rapidamente se tornaram predominante no rebanho brasileiro (80% do rebanho total).

Espalhou-se por toda a América do Sul e, principalmente no Brasil devido à sua alta fertilidade a pasto, e capacidade de sobrevivência. O Nelore é a raça base para o cruzamento de gado de corte no Brasil.

A raça tem como principais características a adaptabilidade aos trópicos, sendo muito rústica e resistente a doenças e parasitas. Além disso, a raça entrega uma carne de boa qualidade e aceitação no mercado.

Atualmente, é a raça de gado mais utilizada no Brasil, com amplo destaque para as Matrizes Nelore, base de todo o rebanho de corte nacional.

  • Raça de médio porte a grande;
  • A ossatura é leve, robusta e forte, com musculatura compacta e bem distribuída;
  • Apresentam pelagem branca ou cinza-clara, sendo que os machos apresentam o pescoço e o cupim normalmente mais escuros. A pele é preta ou escura, solta, fina, flexível, macia e oleosa;
  • fronte é descarnada, apresentando uma linha média no crânio, no sentido longitudinal, uma depressão alongada (goteira);
  • Orelha com formato de lança, arqueadas para frente;
  • Pode ser mocho, com chifres pequenos ou médios;
  • Nos machos, o pescoço é musculoso e com implantação harmoniosa ao tronco;
  • Possui ancas bem afastadas;
  • A garupa é comprida, larga, ligeiramente inclinada, no mesmo nível e unida ao lombo, sem saliências ou depressões e com boa cobertura de gordura;
  • Coloração escura em torno dos olhos (proteção contra os raios solares).
touro nelore gurupi da fazenda elge
Touro Gurupi com pelagem bem forte / Foto: Fazenda Elge

Brahman

Oficialmente, o Brahman começou no Brasil em 1994, quando chegou a primeira importação vinda dos Estados Unidos sob toda a vigília do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

Seu diferencial é que, desde os primeiros cruzamentos para formação da raça, o mais importante era usar animais de um perfil econômico bem visível para a produção de carne. Formado especialmente com os sangues de Guzerá, Gir e Nelore, em acasalamentos sem receita pré-determinada. O Brahman se estabeleceu no sul dos Estados Unidos, onde solo, clima, pastagens e outros pontos do meio ambiente da região eram adversos para as raças europeias, especializadas em corte e também em leite.

O nome Brahman vem de um significado bastante atrativo, significa “um novo ciclo”.

Hoje, a raça está presente em mais de 70 países. Vale ressaltar, que muitos foram os atributos que os animais desta raça tem no seu perfil que se somam e o valorizam. Entre eles: docilidade e habilidade materna.

  • Raça de porte Intermediário;
  • Pele macia e maleável, de espessura média;
  •  Osso amplo em substância, corte limpo forte. Musculoso, longo e bem definido;
  • As cores vão de cinza muito claro ao vermelho quase preto;
  • Rosto de comprimento moderado, focinho cheio, narinas largas e abertas, lábios escuros. Olhos suaves e cheios, com boa largura entre eles;
  • Garupa longa, larga nos pinos e ligeiramente arredondada em direção à cabeça da cauda. Juntou-se suavemente ao lombo (discriminação grave em declive acentuado);
  • Dentre as 3 raças é a que possui a orelha maior;
  • O animal deve mostrar indicações de musculação superior: pernas dianteiras largas, ombros grossos, antebraço e joelhos bem musculosos. Arredondando por cima;
  • Possui chifres, podendo ser mochos ou amochados.
Foto: @brahmanvitoria

Tabapuã

Como pode-se depreender, a raça TABAPUÃ foi assim denominada pelo Ministério da Agricultura ao considerá-la oficialmente como raça, e a primeira genuinamente brasileira, por ter tido sua origem na FAZENDA ÁGUA MILAGROSA, município de TABAPUÃ – SP, seguindo assim uma tradição mundial de se dar a uma raça o nome da região ou município de onde se originou.

Assim, a raça Tabapuã e o rebanho Tabapuã da Fazenda Água Milagrosa têm a mesma origem, e a história de ambos é em sua maior parte coincidente e sempre paralela. Tudo começou no final de 1.940. O Sr. Júlio do Valle, amigo da família Ortenblad, costumava trazer boiadas do sertão. Como naquele tempo os animais viajavam a pé, um dos “pousos” que o sr. Júlio do Valle utilizava era a Fazenda Água Milagrosa. 

Fazenda Água Milagrosa
  • Grade porte;
  • Cranio oval com perfil subconvexo, e ausência total de chifres;
  • Ossatura forte, robusto, musculatura compacta e bem distribuída;
  • Pelagens nas cores branca, cinza e mescladas, pelos finos e pele preta;
  • Orelhas médias e relativamente largas,
  • Cupim bem implantado sobre a cernelha. Desenvolvido. Em forma de rim ou castanha de caju, apoiando – se sobre o dorso, nos machos. Menos desenvolvido e menos caracterizado, quanto à forma e apoio, nas fêmeas;
  • Ancas bem afastadas e no mesmo nível, moderadamente salientes. Garupa comprida, larga , ligeiramente inclinada tendendo para a horizontal;
  • Para muitos a raça mais dócil entre as três.
raça tabapuã no Brasil
Foto: Zzn Peres

Não temos o intuito, de maneira alguma, dizer que uma raça seja melhor ou pior que outra. O objetivo do conteúdo é proporcionar um maior conhecimento sobre as raças, permitindo que o pecuarista tenha possibilidade de escolher de forma assertiva o que melhor se encaixa em seu planejamento. Agora você já sabe a diferença entre o Nelore, Brahman e Tabapuã.

Seguimos trabalhando para manter atualizada as informações do setor agropecuário, possibilitando que o conhecimento sobre os fatos e curiosidades norteiem o grupo para um crescimento em produtividade e qualidade!

Referências:

http://www.nelore.org.br/Raca/Caracterizacao
http://www.acgz.com.br/secao_racas.php?pagina=3
https://zootecniabrasil.com/2020/06/24/diferencas-entre-as-racas-nelore-brahman-e-tabapua/

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com