Oferta restrita de animais dificulta queda da arroba

Oferta restrita de animais dificulta queda da arroba

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Frigoríficos avançam escalas de abate e preços da arroba cai para R$ 225. A oferta restrita de animais dificulta uma queda mais acentuada da arroba, avalia analista!

O mercado físico do boi gordo teve preços mais baixos nas principais praças de produção e comercialização do país. “A semana iniciou com mudança no comportamento dos frigoríficos”, comenta o analista de Safras & Mercado, Fernando Henrique Iglesias.

Segundo ele, com o registro de algum avanço das escalas de abate das escalas de abate já são realizados alguns testes, reduzindo sistematicamente as indicações de compra. “É importante destacar que os negócios cessaram nesse patamar de preço”, assinalou.

No geral, a oferta de animais terminados ainda é discreta e dificulta movimentos mais agressivos de queda, e a demanda aquecida é outro elemento que ,prejudica esse tipo de estratégia.

Em São Paulo, preços a R$ 225,00 a arroba, ante R$ 235,00 a arroba na sexta-feira. Em Minas Gerais, preços de R$ 225,00 a arroba, contra R$ 232,00 a arroba. No Mato Grosso do Sul, preços em R$ 220,00 a arroba, ante R$ 222,00 a arroba. Em Goiás, o preço caiu de R$ 222,00 a arroba para R$ 220,00 a arroba, em Goiânia. Já no Mato Grosso o preço seguiu em R$ 216,00 a arroba.

Atacado

No atacado, os preços da carne bovina ficaram estáveis. “A firmeza segue predominante, com possibilidade de reajustes no restante do mês, avaliando o ápice do consumo de carnes no decorrer do mês de dezembro. O movimento de alta da carne bovina respinga sobre as demais proteínas de origem animal, com movimentos consistentes de valorização da carne suína e de frango” disse Iglesias

O corte traseiro teve preço de R$ 20 por quilo. A ponta de agulha permaneceu em R$ 12,60 por quilo, enquanto o corte dianteiro seguiu em R$ 12,80 por quilo.

Contratos futuros para o boi gordo encerram com quedas na B3

Os vencimentos futuros para o boi gordo finalizaram a sessão desta segunda-feira (02) do lado negativo da Bolsa Brasileira (B3). O contrato  Dezembro/19 terminou o dia com uma desvalorização de 0,93% e cotado a R$ 212,00/@. O Janeiro/20 está precificado a R$ 204,50/@ e registrou um recuo de 1,04%, enquanto, o Fevereiro/20 encerrou a R$ 200,30/@ e com uma queda de 1,33%.

Após semanas de volatilidade tanto no mercado futuro quanto físico, o mercado do boi gordo está operando com cautela. “Esse cenário já era esperado, tendo em vista, entre outras razões, a dificuldade do escoamento de carne no mercado interno. Com as escalas um pouco melhores, os compradores estão menos agressivos e, em muitos casos, oferecendo preços menores pelas boiadas”, ressaltou a Scot Consultoria.

O mercado físico do boi gordo abre a semana com baixo volume de negócios em meio a uma fraca atuação de ambas as pontas. “As indústrias frigoríficas continuaram a limitar suas compras gado mantendo a cautela diante das recentes quedas de preços no mercado atacado, o qual ainda não registra um aumento significativo de vendas como se esperava para este período”, destacou a Informa Economics FNP.

De acordo com a Radar Investimentos, a dificuldade de compra por parte dos frigoríficos é vigente visto que na última semana, o Indicador Esalq/USP fechou na máxima histórica em R$ 231,35/@, à vista. “As indústrias iniciaram testes de compras com preços na mesma base ou até ligeiramente abaixo em meados da semana anterior, porém até o momento, as escalas de abate não evoluíram”, informou a Radar.

No aplicativo AgroBrazil, os participantes informaram negócios para o animal que atende exportação na região de Pontes e Lacerda/MT de R$ 215,00, à prazo com trinta dias para pagar. No município de Londrina/PR, ocorreu um negócio para o boi comum de R$ 225,00/@, à vista e com data para o abate em 09 de dezembro.

Em Tietê/Sp, o valor negociado para o animal com padrão exportação foi de R$ 220,00/@, à prazo com trinta dias para pagar e com data para o abate em 10 de dezembro. Na região de Presidente Prudente, ocorreu um negócio pontual para a novilha com destino a China de R$ 240,00/@,à prazo com trinta dias para pagar e data para abater em 04 de dezembro.  

Carne

No levantamento do aplicativo Agrobrazil, o boi casado em São Paulo está precificado ao redor de R$ 15,00/kg e teve um recuo de R$ 0,15/kg. No caso da vaca casada, o preço teve um aumento de R$ 0,15 e está cotada a R$ 14,80/kg.

A Scot Consultoria apontou que as referências para o Boi Capão giram em torno de R$ 15,75/kg e o boi inteiro está próximo de R$ 15,57/kg.

Exportação

O volume embarcado de carne bovina in natura foi de 155,6 mil toneladas no mês de novembro, conforme divulgou a Secretaria de Comércio Exterior (SECEX) nesta segunda-feira (02). O ritmo exportado teve uma retração de 8,74% frente ao mês de outubro que exportou 170,5 mil toneladas.

O serviço sanitário da Rússia retirou na última sexta-feira às restrições as industrias frigoríficas de bovinos da JBS na região de Colíder/MT e da Minerva no município de Rolim de Moura/RO. Diante desse cenário, a JBS poderá exportar carne bovina para a Rússia e a Minerva já contava com uma planta autorizada em outra localidade.

Compre Rural com informações do Notícias Agrícolas/ Canal Rural e Agências

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com