Pecuarista perde até R$ 366,00 por cabeça durante a seca

PARTILHAR
gado comendo em cocho improvisado
Foto: Divulgação

Mas a situação pode ser revertida com o uso de suplementos proteicos ou proteicos-energéticos, garantindo, inclusive, ganhos acima da média

O calendário pecuário encontra-se no período de transição, no qual a chuva reduz gradualmente, assim como a pastagem começa a perder qualidade. O resultado esperado é uma drástica redução na produtividade dos bovinos de corte.

“De maio a outubro, os animais tendem a perder peso porque a quantidade de nutrientes da pastagem, principalmente os compostos nitrogenados, está abaixo da exigência de mantença dos micro-organismos ruminais, que são a principal fonte de proteína dos ruminantes”, explica o zootecnista Bruno Pietsch C. Mendonça, diretor comercial da Agrocria Nutrição Animal e Sementes.

Segundo informa o especialista, o teor de proteína da pastagem durante o período mais crítico do ano fica abaixo de 7%, muitas vezes caindo para níveis entre 3 e 4%. “Como resultado, os animais a pasto chegam a perder de 150 a 200g por dia recebendo suplemento mineral. O peso pode cair ainda mais, se, além da queda da qualidade, também houver diminuição da quantidade de forragem disponível, algo comum de acontecer no Brasil Central”, relata o zootecnista.

Isso significa que, em seis meses, o pecuarista pode ter um prejuízo estimado entre 0,9 e 1,2@ por cabeça, o que na cotação atual, para pagamento à vista na praça de São Paulo, em 12 de maio, representaria uma perda entre R$ 274,50 e R$ 366,00.

“Com o uso de um suplemento proteico ou proteico-energético, como é o caso da linha Protene, da Agrocria, além de evitar as perdas relatadas, esse mesmo pecuarista obteria um ganho em peso entre 150 e 500g por cabeça/dia, dependendo da quantidade de produto consumido, categoria animal e disponibilidade de forragem”, informa Mendonça.

Ou seja, comparado a um bovino alimentado apenas com capim de baixo valor nutricional mais sal mineral, a produtividade potencial do seu congênere suplementado com proteico ou proteico-energético, poderia atingir entre 1,8 e 4,2@ ou R$ 518,50 a R$ 1.281,00 por cabeça, na conversão em moeda, nos seis meses de seca. Multiplicado por 100 cabeças, esse mesmo pecuarista deixaria de agregar um faturamento na faixa de R$ 51.850,00 a R$ 128.100,00.

cocho-coberto
Foto Divulgação.

Suplementos proteicos aos bovinos

Aliados do produtor – Suplementos proteicos buscam otimizar o consumo de pasto no período do ano em que sua qualidade cai drasticamente enquanto os proteicos-energéticos, além desse, objetivam aumentar a produção de ácidos graxos voláteis (AGVs) no rúmen. Os AGVs são a principal fonte de energia dos bovinos, um fator essencial ao desempenho e também ao acabamento de carcaça a pasto. Sem o acúmulo mínimo de gordura subcutânea, os animais podem ser penalizados no frigorífico.

Com ajuda dos produtos proteicos-energéticos, o pecuarista eleva a produtividade do rebanho, o que aumenta o lucro da propriedade mesmo investindo na suplementação do gado.

“Isso porque, sem suplementar, o pecuarista teria um prejuízo de R$ 366 por cabeça, devido à perda de peso dos animais, já, com os suplementos, teria um ganho mínimo de R$ 518 por cabeça, enquanto o custo da suplementação no mesmo período ficaria entre R$ 120 e R$ 220 por cabeça”, contabiliza Mendonça.

Estes produtos ainda fornece vitaminas e minerais essenciais ao desenvolvimento do rebanho nas fases de cria, recria e engorda. Eles estão presentes no fator Máxima Conversão (MC), composto por promotores de crescimento ionóforos e não-ionóforos que elevam a produtividade animal por meio de um aumento na eficiência do metabolismo e da utilização dos nutrientes presentes no alimento.

O suplemento garante a associação de três microminerais essenciais. O Cromo estimula o consumo de pasto por uma ativação do centro da fome, o Níquel aumenta a capacidade das bactérias ruminais em aproveitar melhor o Nitrogênio e o Molibdênio melhora a degradação ruminal das fibras da dieta. Com a linha Protene, os micro-organismos ruminais produzem mais AGV´s e aumentam a síntese de proteína microbiana no rúmen.

“Assim, tem-se uma maior chegada de proteínas e aminoácidos disponíveis para serem absorvidos no intestino, sendo esses primordiais para a construção do tecido muscular e fundamental para o crescimento e ganho em peso. Além, é claro, de um aumento na taxa de consumo de pasto, pela maior velocidade de degradação e passagem dos alimentos dentro do trato gastrointestinal”, explica Mendonça.

Proteicos devem ser ministrados na proporção de 1 a 1,5g por quilo de peso vivo e os proteicos-energéticos de 2,5 a 5g. A linha Protene é constituída por seis proteicos e quatro proteicos-energéticos diferentes, que devem ser ministrados nos períodos de seca, águas e nas transições.

Segundo centenas de trabalhos científicos, a suplementação com proteicos e/ou proteicos-energéticos é uma das mais técnicas mais simples e economicamente viáveis para aumentar a eficiência produtiva de bovinos a pasto, com benefícios nas fases de cria, recria e engorda.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com