Pecuarista resiste e arroba fecha em R$ 204, vamos juntos!

Pecuarista resiste e arroba fecha em R$ 204, vamos juntos!

PARTILHAR
brahman garrotes

Confira os preços do boi desta terça-feira nas principais praças pecuárias do Brasil, segundo levantamento da FNP; Arroba em compasso de espera, mas com fortes especulações.

Nesta terça-feira, o mercado físico do boi gordo registrou baixa movimentação de negócios, segundo as consultorias de pecuária. O viés de preços agora é de baixa, marcado pelas fortes especulações tanto da ponta compradora como da vendedora, de acordo com a análise da Informa Economics FNP.

“Há uma forte pressão baixista. As incertezas na demanda mundial, devido ao surto do novo coronavírus, preocupam os frigoríficos quanto ao escoamento de carne”, ressalta a consultoria.

Segundo o app da Agrobrazil, pecuaristas de São Paulo estão com uma média cotada em R$ 198,38/@, sendo que a semana passada tivemos uma arroba média de R$ 200. Pecuaristas de Rolândia/PR, fizeram vendas de R$ 200/@ com prazo de 30 dias para pagamento e abate para o dia 28 de março. Já para o Boi China, a arroba em Presidente Bernardes/SP, ficou em R$ 200 com pagamento à vista e abate em 26 de março.

Dados preliminares da Secretaria de Comércio Exterior apontaram uma redução no fluxo médio diário de carne bovina “in natura” exportada no acumulado das duas primeiras semanas de março. Além disso, observa a FNP, o regime de chuvas em algumas regiões já começa a diminuir, prejudicando as condições do pasto e incentivando os pecuaristas a liquidar o gado terminado.

Na comparação com a segunda-feira, hoje os preços dos animais terminados ficaram estáveis na maioria das praças pecuárias do País, de acordo com dados da FNP. Houve recuo diário na arroba do boi gordo nas praças de Cuiabá, MT, Colíder, MG, Goiânia, GO, região Sul de Goiás, e Triângulo Mineiro, MG.

Veja aqui os preços do boi gordo desta terça-feira nas principais praças pecuárias do Brasil, segundo levantamento da FNP:

  • SP-Noroeste: R$ 204/@ a (prazo)
  • MS-Dourados: R$ 187/@ (à vista)
  • MS-C. Grande: R$ 187/@ (prazo)
  • MS-Três Lagoas: R$ 187/@ (prazo)
  • MT-Cáceres: R$ 190/@ (prazo)
  • MT-Tangará: R$ 191/@ (prazo)
  • MT-B. Garças: R$ 192/@ (prazo)
  • MT-Cuiabá: R$ 185/@ (à vista)
  • MT-Colíder: R$ 181/@ (à vista)
  • GO-Goiânia: R$ 190/@ (prazo)
  • GO-Sul: R$ 189/@ (prazo)
  • PR-Maringá: R$ 192/@ (à vista)
  • MG-Triângulo: R$ 195/@ (prazo)
  • MG-B.H. : R$ 194/@ (prazo)
  • BA-F. Santana: R$ 190/@ (à vista)
  • RS-P.Alegre: R$ 194/@ (à vista)
  • RS-Fronteira: R$ 192/@ (à vista)
  • PA-Marabá: R$ 189/@ (prazo)
  • PA-Marabá: R$ 187/@ (à vista)
  • PA-Redenção: R$ 185/@ (à vista)
  • PA-Paragominas: R$ 190/@ (prazo)
  • TO-Araguaína: R$ 188/@ (prazo)
  • TO-Gurupi: R$ 187/@ (à vista)
  • RO-Cacoal: R$ 175/@ (à vista)
  • RJ-Campos: R$ 182/@ (prazo)
  • MA-Açailândia: R$ 186/@ (à vista)

Segundo Safras&Mercado

“A principal preocupação está na retração da demanda de carne bovina, tanto interna quanto externa. Com isso o cenário mudou drasticamente, com elementos de pressão de baixa mais efetivos neste momento. Mesmo com uma boa capacidade de retenção, ficou difícil para os pecuaristas sustentarem os preços apenas retendo as boiadas”, disse Iglesias.

Na capital de São Paulo, os preços do mercado à vista caíram de R$ 195 para R$ 193 a arroba . Em Uberaba (MG), os preços recuaram de R$ 191/R$ 192 a arroba para R$ 189.

Em Dourados (MS), os preços ficaram em R$ 189 a arroba. Em Goiânia (GO), o preço indicado caiu de R$ 190 a arroba para R$ 185. Já em Cuiabá (MT), o preço diminuiu de R$ 185 para R$ 182/R$ 183.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina começaram a ceder. “A tendência de curto prazo remete a uma reposição mais lenta entre atacado e varejo, podendo resultar em continuidade deste movimento de queda. O mercado segue receoso em relação aos embarques. Até o momento, não há impacto aparente no mês de março. No entanto, alguns estrangulamentos logísticos ao redor do mundo já são relatados, como a escassez de contêineres frigoríficos e de navios graneleiros”, disse Iglesias.

O corte traseiro caiu de R$ 14,60 o quilo para R$ 14,50 o quilo. A ponta de agulha ficou em R$ 10,70 o quilo. Já o corte dianteiro permaneceu em R$ 11,50 por quilo.

Compre Rural com informações do Agrobrazil, FNP e Safras&Mercado

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com