PIB do agronegócio em 2020 bate recorde e cresce 25%

PARTILHAR
grupo bom futuro
Foto Divulgação.

Com o resultado, o agronegócio ampliou para 26,6% sua participação no PIB total do país no ano passado. Em 2019, este percentual foi de 20,5%

O Produto Interno Bruto (PIB) do agronegócio cresceu 2,06% em dezembro e fechou o ano de 2020 com uma expansão recorde de 24,31%, na comparação com 2019, segundo Comunicado Técnico da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) e do Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Importante ressaltar que mesmo em meio a pandemia o setor adotou um mantra – “O Agro não para!” – para que as pessoas pudessem ficar em casa enquanto o campo produzia os alimentos.

Um pão francês e o café para começar o dia. A mesa farta na hora do almoço. E, para fechar a semana, a carne macia para o churrasco. A gente acaba nem se dando conta, mas o agro nos acompanha durante 24 horas.
No momento em que o mundo se une em prol de um bem maior, a vida, o agronegócio mais uma vez se reinventa para seguir produzindo um de seus elementos principais, o alimento.

Com o resultado, o agronegócio ampliou para 26,6% sua participação no PIB total do país no ano passado. Em 2019, este percentual foi de 20,5%.

Todos os segmentos da cadeia produtiva do agronegócio brasileiro no geral tiveram alta em 2020, com destaque para o setor primário (56,59%), seguido por agrosserviços (20,93%), agroindústria (8,72%) e insumos (6,72%). O desempenho do PIB do agronegócio reflete a evolução da renda real do setor, em que são consideradas as variações tanto de volume quanto de preços reais.

PIB do agronegócio em 2020 bate recorde e cresce 25%
Fonte: Cepea/USP e CNA

Tanto a cadeia produtiva da agricultura (24,2%) quanto da pecuária (24,56%) tiveram expansão expressiva em 2020. Na parte agrícola, destaque para o movimento de alta de preços e o aumento da produção, com safra recorde de grãos e crescimento na oferta de café, cana-de-açúcar e cacau.

Entretanto, CNA e Cepea ressaltam que, apesar do resultado recorde do PIB no ano passado, a cadeia produtiva agrícola ainda se recupera de um cenário adverso de anos anteriores. No setor primário (atividade dentro da porteira), por exemplo, a renda real recuou 20% de 2017 a 2019, apesar do crescimento de 20% da produção no mesmo período diante do momento desfavorável de preços.

Segundo o Comunicado Técnico, o uso intenso de venda antecipada de grãos também contribuiu para que a maior parte dos produtores não se beneficiasse com a forte alta dos preços ao longo de 2020, além da elevação dos custos de produção.

Em relação ao ramo pecuário, a elevação dos preços das proteínas animais em relação a 2019 e a expansão da produção e do abate de suínos e aves e da oferta de ovos e leite refletiram o resultado do ano passado no PIB. Mas o forte aumento nos custos de produção afetou negativamente as margens dentro da porteira e na agroindústria.

“Além dos insumos de alimentação, que estiveram expressivamente encarecidos já que os grãos operaram em patamares recordes, no caso da pecuária de corte, deve-se destacar também as fortes elevações do bezerro e do boi magro”, explica o Comunicado Técnico.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.