Preços dos alimentos no mundo atingem nova máxima

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Os preços das commodities agrícolas aumentaram acentuadamente no último ano, impulsionados por problemas na colheita e forte demanda.

PARIS (Reuters) – Os preços mundiais dos alimentos subiram pelo terceiro mês consecutivo em outubro para atingir nova máxima de 10 anos, liderados novamente por aumentos em cereais e óleos vegetais, disse a agência de alimentos da ONU nesta quinta-feira.

O índice de preços dos alimentos da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e a Agricultura (FAO), que acompanha os preços internacionais das commodities alimentares mais comercializadas globalmente, teve média de 133,2 pontos no mês passado, em comparação com 129,2 revisados ​​em setembro.

O número de setembro era anteriormente 130,0. A leitura de outubro foi a maior para o índice desde julho de 2011. Em uma comparação anual, o índice subiu 31,3% em outubro.

Os preços das commodities agrícolas aumentaram acentuadamente no último ano, impulsionados por problemas na colheita e forte demanda.

O índice de preços de cereais da FAO subiu 3,2% em outubro em relação ao mês anterior. Isso foi liderado por um salto de 5% nos preços do trigo, que subiram pelo quinto mês consecutivo para atingir o maior valor desde novembro de 2012, disse a FAO.

“A disponibilidade mais restrita nos mercados globais devido às colheitas reduzidas nos principais exportadores, especialmente Canadá, Federação Russa e Estados Unidos da América, continuou a pressionar os preços para cima”, disse a FAO sobre o trigo.

Os futuros do trigo começaram novembro em novos picos, com os preços dos EUA em máxima desde 2012 e os futuros do primeiro mês de Paris em uma alta recorde, uma vez que a demanda de importação permaneceu viva.

Os preços mundiais do óleo vegetal saltaram 9,6% no mês para estabelecer um recorde, apoiado pela força ainda maior dos preços do óleo de palma, com a escassez de mão de obra na Malásia continuando a prejudicar a produção, segundo a FAO.

Em contraste, os preços globais do açúcar caíram 1,8% em outubro, encerrando uma série de seis aumentos mensais consecutivos.

A FAO, sediada em Roma, reduziu sua projeção de produção global de cereais em 2021 para 2,793 bilhões de toneladas, ante 2,800 bilhões estimados um mês atrás, de acordo com suas perspectivas de oferta e demanda de cereais.

Fonte: Reuters

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com