Produtor deixa 345 cabeças de gado morrendo de fome, vídeo

PARTILHAR

Pecuarista de Mato Grosso do Sul, pode pegar até um ano de prisão após deixar as vacas sem alimento, das quais oito foram encontradas mortas!

Um produtor de Figueirão (MS), na região sul-mato-grossense de Costa Rica, deve cumprir pena de cinco meses a um ano por crime ambiental e maus tratos aos animais. No dia 20, após uma denúncia anônima, a Polícia Militar Ambiental (PMA-MS) encontrou o gado do pecuarista. Produtor deixa 345 vacas morrendo de fome, vídeo!

Os animais foram deixados em uma propriedade com uma área de quase 580 hectares, em condições de fome e desnutrição. Dos 345 animais, oito estavam mortos, de acordo com as autoridades. PMA de Costa Rica autua paulista em R$ 12 mil por maus tratos, alguns que não mais se levantavam em sua fazenda em Figueirão.

“O pasto estava degradado, sem vegetação gramínea. Tinha feno, mas não havia funcionário para manter a alimentação — ele ia apenas uma ou duas vezes por semana ao local”, conta o Subtenente Itamar Borges ao Canal Rural. “Demos 24 horas para ele contratar um funcionário e quinze dias para comprar feno ou ração”, acrescenta.

Campo Grande (MS) – Policiais Militares Ambientais de Costa Rica receberam denúncia e constataram em uma fazenda no município de Figueirão, a 55 Km da cidade de Costa Rica, que o rebanho bovino estava passando fome. Os Policiais foram ao local e verificaram que oito animais tinham morrido. O pasto estava degradado e o gado não conseguia se alimentar. Outros bovinos demonstravam situação de desnutrição, com as vértebras e costelas à mostra, desorientados e a procura de alimentação.

Segundo Borges, o processo está sendo encaminhado à polícia civil e à promotoria. Além disso, o pecuarista deve responder a um processo administrativo no Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul  (Imasul).

O Agência Sanitária Animal de Vegetal (IAGRO) já havia estado na propriedade no mês passado, e constatado o início do problema, conforme relatório de vistoria daquele órgão de vigilância, ao qual a equipe da PMA teve acesso. O responsável pelos animais não cumpriu a notificação. Havia alguns fardos de feno na propriedade rural, porém, o funcionário não comparecia na fazenda para alimentar o gado.

De qualquer forma, a quantidade de feno não era suficiente, pois eram 337 bois. A equipe ainda tentou resgatar um animal vivo sem forças, que estava caído em uma área úmida.

“Mesmo que cumpra a notificação, ele vai responder. As medidas são para que não morram mais animais — ele vem cumprindo”, explica o comandante regional da PMA.

Ontem (20), a PMA notificou o proprietário para que em 24 horas contrate um funcionário para alimentar os animais com feno e para realizar manejo do gado, bem como contratar um médico veterinário ou um zootecnista para acompanhar o rebanho na fazenda.

O infrator (43), residente em Fernandópolis (SP), foi autuado administrativamente hoje (21) e foi multado em R$ 12.000,00 por maus tratos aos animais. O autuado também responderá por crime ambiental de maus-tratos, com pena de três meses a um ano de detenção.

Um mês antes da intimação, o produtor já havia sido visitado pela Agência Estadual de Defesa Sanitária Animal e Vegetal do MS (Iagro), que também constatou os maus tratos. “Os produtores rurais e pecuaristas precisam se conscientizar em relação ao meio ambiente”, comenta Borges.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com