Raças de gado de corte que dão um delicioso churrasco!

PARTILHAR
Foto: Marcella Ávila Frade (Direitos Reservados)

Você conhece as melhores raças de gado para corte? Vamos mostrar agora as mais recomendadas pelos pecuaristas e pelos apaixonados por carne!

Colher informações sobre a raça de gado com a qual se trabalha ou que se pretende trabalhar é um fator chave para o sucesso do negócio, de forma que, para alcançar melhores resultados, é necessário dedicar-se à compreensão completa do animal, como as questões de adaptação, alimentação e reprodução.

A pecuária é uma atividade altamente rentável, entretanto, o conhecimento sobre os animais é essencial para uma boa gestão. Nesse sentido, escolhemos as raças de gado de corte mais populares do mundo e compartilharemos, neste artigo, as principais vantagens e características de cada uma delas!

Continue conosco neste artigo para conhecer a fundo a origem das linhagens e as melhores práticas para cada raça de gado de corte. Vamos lá?

Quais são as raças de gado de corte no Brasil mais conhecidas e comercializadas?

A pecuária é uma das principais atividades econômicas do Brasil, um dos países com o maior número de rebanhos bovinos do mundo. Por isso, a seguir você conhecerá as raças de gado de corte mais conhecidas e comercializadas por aqui: Tabapuã, Nelore, Brangus e Charolês. Confira!

Tabapuã

Esta raça de gado de corte surgiu a partir do cruzamento do gado Mocho com gados indianos. Os Tabapuãs destacam-se pela docilidade, rusticidade e reconhecimento pelo mercado brasileiro. Além disso, são animais de alto índice de fertilidade e fácil reprodução. Ademais, as vacas desta espécie são excelentes produtoras de leite, assim, a habilidade materna para o cuidado e o desenvolvimento de bezerros é inegável.

Os gados da raça Tabapuã são capazes de ganhar peso rapidamente, classificando-se como o segundo rebanho melhor avaliado em provas de ganho de peso, sendo muito recomendado para a pecuária de corte. Podemos citar, também, a facilidade de manejo e a precocidade como fortes características desta raça.

Nelore

Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

No Brasil, a Nelore é a raça de gado de corte predominante, compondo aproximadamente 80% do rebanho de corte no país. Por meio do melhoramento genético, este gado adaptou-se às condições tropicais brasileiras e passou da produção leiteira para a produção de carne.

Os gados desta raça costumam ser sadios, vigorosos, ativos e dóceis, sendo uma excelente escolha para os produtores, posto que, além de gerar uma carne extremamente saborosa e com baixo teor de gordura de marmoreio, a qualidade da carcaça está bem próxima aos padrões exigidos e pode ser aproveitada. Além disso, a distribuição homogênea da cobertura de gordura evita o encurtamento das fibras durante o resfriamento.

Brangus

Grupo Brangus Santo André

De origem sintética, a raça Brangus une a rusticidade do gado Zebu com a precocidade, a fertilidade e o marmoreio do Angus. As fêmeas são ótimas na produção leiteira, podem reproduzir-se com facilidade, possuem habilidade materna e apresentam baixos índices de mortalidade.

Os novilhos atendem às necessidades e às exigências do mercado com perfeição, possuem gordura na medida certa, bastante marmoreio e altos rendimentos de carne. São muito requisitados para a comercialização no mercado interno e também para a exportação.

Charolês

O Charolês trata-se de uma raça de gado de corte de origem francesa que possui pelagem com tonalidade creme e narinas rosadas. No Brasil, a chegada do Charolês ocorreu em 1885, no Rio Grande do Sul. Ele possui características adequadas para a produção de carne e é muito requisitado para o cruzamento com outras raças. É uma excelente opção para o sistema de confinamento.

Em relação à produção de leite, as vacas produzem o suficiente para criar um bezerro por ano e geram em torno de 3.000 litros por gestação.

Raças de gado de corte com origem nos Estados Unidos

Engana-se quem acredita que apenas os brasileiros são fãs de churrasco! Os americanos também são grandes apreciadores de carne bovina e dedicam-se bastante à criação de seus rebanhos. As raças mais conhecidas são Brahman, Santa Gertrudis, Braford e Florida Cracker. Saiba mais sobre cada uma delas:

Brahman

Foto: Brahman do Teixeira

O gado Brahman foi gerado a partir do cruzamento de 4 outras raças: Gir, Nelore, Guzerá e Krishna. Segundo pesquisas, pelo fato de reunir características ideais e propícias para a criação de corte, o Brahman é o Zebu mais criado no mundo. Esta raça de gado de corte é precoce, rústica e adaptável a diversas condições de temperatura e umidade.

As fêmeas são boas reprodutoras e, além disso, os bezerros nascem com pouco peso e com a cabeça pequena, fato que facilita o parto. Em comparação com as raças taurinas, a carne é mais magra e com menor disposição de gorduras.

Santa Gertrudis

O gado de corte Santa Gertrudis foi desenvolvido no Texas, Estados Unidos, mais especificamente no King Ranch. O porte forte e rústico desta raça revela animais muito resistentes ao calor e às pragas ambientais. Ademais, tais animais adaptam-se facilmente ao calor, podendo viver sem maiores problemas em locais com temperatura superior a 31°C!

A carne do Santa Gertrudis é nobre, de alta qualidade e bem macia, fato que atraiu pecuaristas brasileiros, que a comercializam aqui desde 1953.

Braford

touro da raca braford
Foto: Cabanha Santa Camila

O Braford originou-se do cruzamento entre o gado Hereford e os Zebuínos. Esta raça de gado de corte apresenta alto potencial para o abate precoce, de modo que o novilho pode ser abatido entre os 18 e 24 meses, pesando de 380 kg a 480 kg.

Mesmo com o consumo de alimentos de qualidade inferior, as características da carne não são prejudicadas, apresentando boa cobertura de gordura e marmorização, garantindo a conservação do sabor e suculência.

Florida Cracker

Enfim, a raça de gado bovino Florida Cracker é originária do estado da Flórida, nos Estados Unidos, e é uma das raças mais tradicionais do país. Suas vacas têm uma produção média de leite menor do que outros bovinos, porém, são amplamente utilizadas para a produção de carne de boa qualidade.

O gado Florida Cracker é bastante adaptado a climas quentes, característicos do sul dos EUA, de modo que estes bovinos são capazes de pastar, inclusive, em forragens pantanosas. Eles produzem carnes excelentes e podem ser criados sem o uso de antibióticos, de hormônios ou de medicamentos antiparasitários, fato que diminui muito o custo de manutenção.

Raças de gado de corte oriundas de cruzamentos

Apesar de todas as características favoráveis, percebe-se que os Zebuínos, gado amplamente difundido no Brasil, perde para algumas raças estrangeiras nos quesitos precocidade e rendimento de carne, o que pode ser aprimorado por meio do melhoramento genético. Assim, surgiram várias raças melhoradas fruto do cruzamento entre elas. Conheça-as:

Indubrasil

Foi a primeira raça de gado de corte Zebuína formada no Brasil. Originada em Minas Gerais, por meio de cruzamentos, o Indubrasil assumiu um importante papel na agropecuária brasileira, sendo uma das raças mais exportadas para países da América Latina e Ásia. A princípio, os gados Indubrasil foram destinados para a produção de carne, entretanto, mostraram grande aptidão para a produção leiteira também.

Dentre suas características estão: alta conversão alimentar (sendo capazes de gerar proteína a baixo custo), rusticidade, heterose nos cruzamentos, longevidade, precocidade sexual, fertilidade, docilidade e fácil manejo.

Simbrasil

Foto: simentalsimbrasil.org.br/raca-simbrasil

Do cruzamento entre a raça Simental e outras raças Zebuínas, originou-se a raça Simbrasil. Uma grande variedade de raças pode ser utilizada na formação deste gado, todavia, as mais usadas são: Nelore, Guzerá, Brahman e Gir.

Este gado reúne o que há de melhor nas raças de origem, sendo marcantes sua precocidade, produtividade de carne e leite, adaptabilidade, docilidade, longevidade, fertilidade, velocidade de ganho de peso e habilidade materna.

Canchim

O Canchim é uma raça de gado de corte sintética produzida pelo cruzamento de gados Charolais e Zebu, principalmente Indubrasil, Nelore e Guzerá. O diferencial deste gado é que ele se adapta facilmente às condições de clima e às pastagens brasileiras. Os produtores de Canchim afirmam que os bezerros da raça nascem mais pesados que outras raças Zebuínas e em maior quantidade que outras raças europeias.

A raça é propícia para o abate precoce, de modo que os novilhos podem ser abatidos aos 18 meses se confinados após o desmame, até os 24 meses se confinados na terminação, e aos 30 meses se criados exclusivamente a pasto.

Purunã

De origem paranaense, a raça Purunã é fruto do cruzamento de outras 4 raças: Caracu, Charolês, Canchim e Aberdeen Angus. Como resultado, obteve-se uma raça moderna, rústica e de carne saborosa. Seus idealizadores acertaram em cheio nas atuais exigências do mercado.

Dentre suas qualidades estão: resistência ao calor e às doenças, precocidade, volume de carcaça, maciez e marmoreio da carne.

Raças bovinas europeias

As raças bovinas europeias são famosas pelo alto índice de reprodução e pela capacidade de conversão alimentar. Apesar da qualidade de carne excepcional, a adaptação das raças europeias a diversas situações climáticas e ambientais torna-se um pouco mais dificultosa. Assim, conheça um pouco mais sobre as seguintes raças europeias: Senepol, Caracu, Devon e Limousin.

Senepol

animais da raca senepol
Foto: Jadir Bison

O Senepol foi gerado pelo cruzamento entre o gado N’Dama e o gado Red Poll. Seus representantes não possuem chifres, apresentam pelos curtos, coloração avermelhada, preta ou marrom. Eles combinam a tolerância ao calor e resistência a insetos características do N’Dama com a docilidade, qualidade da carne e produção de leite do Red Poll.

O Senepol vem crescendo pelo Brasil, sendo muito utilizado para melhorar os rebanhos de produção de carne, pois conserva a qualidade de excelência dos taurinos, como o Angus, sem, no entanto, apresentar excesso de pelagem. Uma curiosidade desta raça é a sua valorização, sendo que a única raça à sua frente, em termos de faturamento nos leilões, é a Nelore.

Caracu

Caracu é uma raça bovina de pelos lisos e avermelhados. A primeira entrada desses animais ocorreu em 1534 em São Vicente, então capitania de São Paulo, onde enfrentaram dificuldades de alimentação, doenças, clima e parasitas.

A história desta raça a considera um patrimônio da pecuária nacional, pois foi ela que sustentou a produção de carne antes da chegada dos Zebuínos. Com séculos de adaptação, pode-se dizer que o Caracu apresenta rusticidade, adaptabilidade, habilidade materna, longevidade, resistência a parasitas. Em relação à qualidade da carne, é extremamente macia e suculenta.

Devon

Touro Hércules da Gralha Azul alcançou o maior preço / Foto: Cabanha Gralha Azul

Os Devon chegaram ao Brasil em 1906. Correspondem uma das raças mais antigas do Reino Unido, originária do sudoeste da Inglaterra. Dentre as características deste animal, destaca-se a capacidade de conversão de pastos pobres em carne de alta qualidade. São adaptáveis a regiões distintas e reproduzem-se facilmente nas mais diversas e desafiadoras condições climáticas.

A pele amarelada e a pelagem vermelho-rubi o protegem contra a ação solar. A qualidade da carne Devon é reconhecida há muitos anos por consumidores e pecuaristas em geral, mas a chancela desta qualidade também foi conferida pela UFSM, que a avaliou positivamente nos seguintes quesitos: gordura de cobertura, marmoreio, maciez, suculência, textura e palatabilidade.

Limousin

Touro da Raça Limousin / Foto: Revista DBO

Originada no sudoeste da França, a raça Limousin apresenta pelagem de coloração sólida e amarelada. É representada por animais hábeis tanto para o trabalho, quanto para a produção de carne, de modo que os machos são vigorosos e as fêmeas, excelentes reprodutoras. O Limousin é reconhecido como líder industrial na produção de carne, de modo que sua variedade genética permite sua produção em altíssima qualidade.

Devido aos seus níveis de aceitação quanto à maciez e à palatabilidade, junto com os baixos níveis de gordura e colesterol relativos a muitos outros produtos, a carne do Limousin é ideal para o consumidor consciente de sua saúde, que demanda uma boa alimentação. Programas de produção de carne de marca com oferta de carne magra, inclusive, apoiam-se na genética Limousin.

Raças de gado de corte curiosas e singulares

Quanto aos destaques e às curiosidades envolvendo o gado de corte, selecionamos as raças Angus, Wagyu, Buelingo e Highland cattle, uma vez que cada uma delas possui particularidades muito interessantes. Assim, conheça-as e saiba mais sobre elas a seguir:

Angus

angus - Central lança super dose de sêmen com genética de três touros
Foto: Divulgação

O Angus é uma raça de gado de corte que atende perfeitamente às exigências do mercado, de modo que os animais que a representam são vigorosos e com uma camada de gordura suficiente e farta, apresentando resultados econômicos muito satisfatórios. Dentre suas características estão: fertilidade, longevidade, precocidade, rusticidade, facilidade de parto e habilidade materna.

A qualidade da carne é destaque mundial e mantém o Angus em uma posição de liderança. Atende às exigências europeias com 3 a 6 mm de gordura e marmoreio, o que confere maciez e sabor. Sua gordura se derrete parcialmente pela ação do calor da brasa e impregna a parte magra, melhorando apreciavelmente seu valor.

Wagyu

wagyu
Foto Divulgação. Fonte: Beefpoint

A raça Wagyu é muito conhecida por ter um elevado grau de marmoreio e uma maciez inigualável na carne. A carne dos animais desta raça, também chamada de Kobe Beef, é reconhecida por ser muito nobre por ter um sabor único e maciez elevada, além de ser considerada saudável.

A origem do gado Wagyu é japonesa e o animal é capaz de aguentar grandes variações e amplitudes térmicas. Especialistas valorizam muito a carne deste bovino, considerando-a uma das melhores do mundo. Inclusive, tal carne é uma das mais caras do mercado.

Buelingo

Raça Buelingo garrote
Foto: texaslonghorn.com / Photo courtesy of Dickinson Cattle Co. LLC

O Buelingo é uma combinação de beleza e desempenho, de modo que os primórdios desta raça têm linhagem holandesa, nação famosa por sua excelente produção leiteira. Este gado pode ser facilmente identificado por possuir uma faixa branca na parte da barriga que envolve todo o corpo. Passou a ser muito requisitado para a produção de carne, já que oferece muito sabor e maciez.

O manejo não apresenta dificuldades, já que a raça possui temperamento dócil. Além disso, é muito rentável aos pecuaristas, pois destaca-se nos requisitos mais importantes para os rebanhos: instinto materno, disposição e capacidade de crescimento.

Highland Cattle

A raça de gado de corte Highland Cattle se diferencia das demais raças devido à sua pelagem extensa que pode, inclusive, cobrir os olhos do animal. É nativa das montanhas escocesas e é uma raça bastante resistente, a qual é criada principalmente para a produção de carne bovina, sendo amplamente exportada para outros países.

Sua carne costuma ser macia e apresenta, no geral, muito menos gorduras e colesterol do que a carne de outras raças. Ela é tão magra que pode, inclusive, ser comparada às carnes de frango e de peixe no quesito teor de gordura!

Preparado para criar raças de gado de corte?

Como você pôde perceber, existe uma grande variedade de raças de gado de corte. O melhoramento genético proporcionou a adaptação de várias espécies de origem estrangeira para que fossem criadas em nosso país, entretanto, conforme o propósito do pecuarista, o método de criação e as condições ambientais, uma pode se mostrar mais vantajosa do que a outra.

Atente-se às nossas dicas para exercer a melhor gestão sobre a criação e os cuidados com seus animais e alcançar excelentes resultados em sua atividade. Agora, você já está totalmente preparado para formar o seu rebanho e ser o fornecedor de carne para os melhores churrascos!

Compre Rural com as informações do Guia Animal

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com