Recorde: Bezerro bate R$ 16/kg, o que esperar de 2021?

PARTILHAR
bezerro faze. Elge
Foto: Fazenda Elge

Os preços do bezerro tiveram um ano de recordes, com preços atingindo quase R$ 16/kg; Mercado terá preços menores no ano de 2021? Confira agora!

A cotação do bezerro acumula alta superior a 57% em 2020, aponta o Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea). Segundo o indicador, o animal estava cotado na quarta-feira, 23, a R$ 2.498,50. Os preços chegaram atingir, em alguns leilões, o valor de R$ 20,00/kg durante o ano de 2020, marcado pela grande pressão do ciclo pecuário na oferta dos animais dessa categoria.

Quando avaliamos o mercado, de forma macro, mesmo corrigindo a inflação, o preço é ainda recorde para a categoria. “É o preço mais alto da história, mesmo descontando a inflação”, afirma o analista de mercado Cesar de Castro, do Itaú BBA.

Segundo a Scot Consultoria, na última semana, os preços da reposição recuaram 0,5% considerando todas as categorias de machos e fêmeas e praças monitoradas pela empresa. Apesar do recuo, os preços estão 54,9% maiores comparado ao mesmo período de 2019. 

Conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil, o mercado dos bezerros ainda apresenta boas margens para o setor da cria, com preços ainda elevados diante da desvalorização pela qual passou o boi gordo.

Segundo o pecuarista de Buritizeiro/MG, o preço concretizado na negociação é de R$ 2.300,00 por cabeça, para animais de 145 kg de peso vivo, com pagamento à vista e preço de 15,86/kg. Já em Taquaral de Goiás/GO, o preços informado na negociação foi de R$ 2.300,00/cab para animais de 180 kg de peso vivo e pagamento à vista.

A explicação para a valorização do bezerro é a relação entre oferta e demanda. O ciclo pecuário é incontestável! Estamos passando agora pelo cenário que foi criado em anos anteriores com o maior volume de femêas destinadas ao abate. Lembre-se: A menor oferta de bezerros hoje, é a menor oferta de boi gordo no próximo ano!

Cesar de Castro afirma que é um dos piores momentos da história para o recriador. Atualmente, é possível comprar cerca de 1,7 bezerro para cada boi gordo vendido. Além disso, para que esses animais se paguem, o pecuarista terá que ter bons preços no mercado boi gordo mais à frente. “É um momento bem perigoso para quem busca cria. Deixa pouco espaço caso o boi tenha algum problema”, disse o consultor.

Segundo os dados do Cepea, os preços do bezerro tiveram uma mudança de patamar nos últimos 12 meses, saindo de R$ 1594,91 para os atuais patamares de R$ 2488,96 por cabeça, valores para a praça sul mato-grossense. Veja o gráfico abaixo!

O que esperar do primeiro semestre de 2021?

Para o criador, a perspectiva é mais tranquila: apesar de a oferta de bezerro estar aumentando aos poucos, não deve ser suficiente para reduzir os preços no primeiro trimestre de 2021.

“Estamos há um ano e meio com retenção de fêmeas mais notável, segundo dados do IBGE. Normalmente demora muito mais do que isso para o preço reagir negativamente”, afirma.

Porém, segundo o analista, é provável que as cotações do bezerro parem de subir no começo do próximo ano. “Não há espaço para grandes quedas, mas pode haver alguma acomodação”, diz.

Se olharmos para o cenário de forma macro, como citado no início da matéria, veremos que o mercado ainda busca um equilíbrio e que, diversos fatores como a exportação, dólar, demanda interna/externa, irão determinar de forma pontual o mercado no ano de 2021, tanto no bezerro quanto no boi gordo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com