Sacrificados 126 bois que foram contrabandeados, veja

PARTILHAR

O rebanho foi encontrado, utilizando drone, em uma fazenda de Mato Grosso na região da fronteira; Indea teve que sacrificar o gado devido ao risco sanitário!

Fiscais do Instituto de Defesa Agropecuária do Estado de Mato Grosso (Indea-MT) flagraram o ingresso de boiada oriunda da Bolívia em território mato-grossense, durante fiscalização na região de fronteira. Por meio de drone, os fiscais detectaram a boiada de 126 cabeças seguindo a pé até a propriedade rural. O caso ocorreu na última quarta-feira (15).

Mato Grosso tem mais de 32 milhões de bovinos com certificação internacional para comercializar seus produtos para os mercados mais exigentes.

Com a presença da Polícia Militar e policiais do Grupo Especial de Fronteira (Gefron), as equipes do Indea foram até a fazenda onde foram encontrados os 126 animais contrabandeados, que foram imediatamente submetidos ao sacrifício sanitário por falta de certificação em saúde animal e protocolo de comércio internacional. 

“Movimentações de gado dessa natureza colocam em risco a sanidade animal praticada em Mato Grosso e ignoram a legislação brasileira que respalda o “status sanitário” do País. Esses protocolos somam quatro décadas de esforço empreendido para tornar o Estado referência internacional na saúde bovina”, comentou João Marcelo Brandini Néspoli, médico veterinário da coordenadoria de Defesa Sanitária Animal.

Néspoli destacou ainda que, recentemente, a China retomou a compra da carne brasileira, após a suspensão das importações, em, por causa de dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina (EEB) – conhecida como “mal da vaca louca” em Mato Grosso e Minas Gerais.

 “Nós alertamos que o comprometimento e a responsabilidade dos produtores rurais da região são cruciais para prevenir a redução do resultado da introdução de doenças erradicadas ou exóticas no Brasil”, finalizou.

A vigilância constante e atuação célere da fiscalização do Indea são fundamentais para a segurança sanitária do maior rebanho do Brasil. Mato Grosso tem mais de 32 milhões de bovinos com certificação internacional para comercializar seus produtos para os mercados mais exigentes.

Néspoli destacou ainda que, recentemente, a China retomou a compra da carne brasileira, após a suspensão das importações, em setembro, por causa de dois casos atípicos de Encefalopatia Espongiforme Bovina(EEB) – conhecida como o “mal da vaca louca” em Mato Grosso e Minas Gerais.  

Segundo o médico veterinário da coordenadoria de Defesa Sanitária Animal, João Marcelo Brandini Néspoli, movimentações de gado dessa natureza “colocam em risco a sanidade animal praticada no Estado e ignoram a legislação brasileira, que respalda o status sanitário do País (em relação à febre aftosa ) “, disse.

“A gente alerta que o comprometimento e responsabilidade dos produtores rurais da região são cruciais para prevenir perdas econômicas decorrentes da introdução de doenças erradicadas ou exóticas no Brasil”.

Por meio da presidência do órgão, o Indea também agradece o apoio da Polícia Militar e do Gefron pela colaboração na operação.

Carga irregular de carne bovina de MT é interceptada em Rondônia

Fiscais do Indea destinaram uma carga de 38 peças de carcaças de carne bovina imprópria para consumo para condenação total, por não possuir condições sanitárias adequadas. A mercadoria tinha saído de Mato Grosso para entrar de forma irregular no estado de Rondônia.

A carga tinha saído de um frigorífico em Juína (745 km a Noroeste) e seguia para Porto Velho (RO). Contudo, fiscais da Defesa Agropecuária de Rondônia (Idaron) interceptaram o caminhão, às 3h30 de quinta-feira (16).

Foram checadas duas irregularidades: a carga que estava no documento não correspondia à transportada e só poderia ser comercializada dentro do Estado de Mato Grosso, pois tem apenas inspeção estadual e não a federal.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com