Vídeo: Sucuri gigante é flagrada e causa pânico 😱

PARTILHAR

Flagrante foi feito por uma pesquisadora, especialista explicou que no inverno é mais fácil avistar os animais, que tentam se aquecer com luz solar.

O vídeo foi publicado há duas semanas na página da Fazenda Caiman, no Dia Mundial da Cobra, comemorado em 8 de julho, e as imagens viralizaram nas redes sociais. As sucuris são da mesma família das jiboias e das cobras-papagaio, que também usam a estratégia de constrição para caçar.

Outro vídeo que se tornou viral mostra uma sucuri gigante atacando um bezerro em uma fazenda do Mato Grosso. Ainda dentro do curral, o bezerro tenta correr para se livrar da cobra que está grudada em seu pescoço. A força do bezerro é pequena, mas ainda assim consegue arrastar a cobra por alguns metros. Confira o vídeo da sucuri gigante!

Uma especialista explicou o aumento das sucuris na região(leia detalhes mais abaixo).

Ao monitorar pessoalmente o ninho de uma arara azul, uma pesquisadora teve uma grande surpresa. Uma sucuri gigante estava bem perto da árvore onde os pássaros se abrigavam, em uma propriedade no Pantanal de Mato Grosso do Sul.

Nas imagens, a pesquisadora filma o assistente de campo Everson Freitas preparando equipamentos para subir até a copa de uma árvore da espécie Manduvi. Bem próximo ao local, de forma camuflada, foi o próprio assistente que notou a cobra que se movimentava lentamente no solo até sumir para dentro da mata.

“Olha o tamanho dessa sucuri! Tranquilinha. Olha que coisa mais linda”, diz a pesquisadora.

A responsável pela gravação, feita no final do ano passado, é a bióloga e pesquisadora do Instituto Arara Azul, Kefany Ramalho.

Para comer um bezerro, essas serpentes têm um trabalho danado. Elas precisam sufocar a presa até a morte e usar uma série de “armas” anatômicas para conseguir engolir um bicho tão grande. As imagens são fortes e mostram o sufoco do bezerro. “Dependendo do tamanho da presa, a cobra fica depois semanas sem se alimentar. Em alguns casos, ela pode até morrer em função das dimensões do animal”, afirma o biólogo Otávio Marques, do Instituto Butantan, de São Paulo.

Confira o ataque mortal da sucuri:

De acordo com a pesquisadora bióloga da Universidade Federal do Amazonas (UFAM), Luciana Frazão, o tamanho médio de uma sucuri adulta é de quatro a oito metros, mas há registros documentados de que o animal pode chegar a até dez metros de comprimento.

Aumento das sucuris no inverno

A doutora em Ecologia pela Universidade de São Paulo (USP), Juliana Terra, explicou quais são os principais motivos que facilitam observar as grande cobras.

A especialista, que também coordena um projeto voltado para as sucuris na região de Bonito, ressaltou que nesta época do ano é bastante comum que mais sucuris sejam vistas na região por causa da chegada do inverno, momento em que as serpentes buscam manter-se aquecidas pela luz solar.

“Não é nada atípico desse ano. Pelo contrário, é bastante comum e tem alguns motivos para isso. O principal é a temperatura. Quando chega maio ou junho, quando vamos entrando em períodos e baixas temperaturas. Então é assim, sempre antes ou após uma frente fria, é comum que elas utilizem as horas do dia do sol para se aquecerem, já que a água nessa época fica muito fria, especialmente durante a noite. Então é comum que elas busquem sair da água, busquem as margens dos rios ou barrancos que sempre ficam próximos dos leitos. Ali elas buscam se aquecer sob o sol.”

Ela explicou que os animais são silenciosos.

“Não que nas outras épocas do ano elas não estejam ali. Qualquer época do ano elas estão neste local, só que a gente não consegue vê-las. São animais bastante quietos, não fazem barulho, elas são muito camufladas na água com sua coloração. Enfim, é muito difícil avistá-las”, disse.

A especialista explicou ainda que as sucuris são ectotérmicos, ou seja, animais que não produzem calor metabolicamente, assim, buscando o aquecimento fora da água, momento em que a maioria dos registros fotográficos são feitos.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com