CLASSIFICADOS
Página Inicial » Avaliações » Agricultura » Agricultura no Saara: grupo de cientistas britânicos quer usar áreas desérticas para produzir alimentos
Curso de gestão de pastagens, planejamento e manejo da teoria à prática, aprenda o método PDCA
graos_agricultura_irrigacao

Agricultura no Saara: grupo de cientistas britânicos quer usar áreas desérticas para produzir alimentos

Grupo de cientistas britânicos quer usar áreas desérticas para produzir alimentos, água limpa e energia renovável

DESERTO PRODUTIVO: a idéia é utilizar a água do mar para irrigar e resfriar as estufas. Segundo os responsáveis, a técnica é 100% eficiente

Parece controverso, mas o deserto do Saara pode se tornar um dos celeiros do mundo em pouco tempo. Esta, pelo menos, é a idéia do cientista britânico Charlie Paton, que estuda há anos formas alternativas para a produção de alimentos em zonas extremamente secas. Depois de muitos experimentos, Paton e sua equipe finalmente apresentaram o Sahara Forest Project, uma técnica que permite utilizar a água do mar para irrigar e resfriar as estufas no meio do deserto. Segundo eles, a técnica é simples de ser adotada e 100% eficiente.

O projeto consiste na construção de grandes estufas equipadas com evaporadores, que convertem a água do mar em vapor. Este vapor resfria a estufa em até 15 graus, favorecendo o crescimento das plantas. Do outro lado da estufa, o vapor é condensado, transformando- se em água limpa, que pode ser usado tanto para a irrigação quanto para mover as turbinas acopladas aos painéis que captam a energia solar, gerando também uma quantidade razoável de energia elétrica.

“A falta de água potável deve ser um dos maiores problemas para o homem no século XXI. Sem água, a agricultura também será prejudicada, tornando o problema ainda maior”, afirma Paton. “Felizmente, o mundo ainda tem muita água. Ela só está longe e é muito salgada. A possibilidade de transformar a água do mar em água potável pode tornar regiões áridas em potências da agricultura”, continua o cientista.

Para provar sua teoria, Paton e sua equipe já mantêm “estufas inteligentes” em testes em Omã e nos Emirados Árabes. “A idéia é que os alimentos e energia produzidos abasteçam os moradores locais, mas o excedente pode ser enviado para a Europa”, diz ele, lembrando que a água gerada no processo também pode ser utilizada para a plantação do pinhão manso, que serve de base para a produção do biodiesel e se adapta bem às regiões áridas.

Atualmente existem mais de 200 mil hectares de estufas convencionais na região do Mediterrâneo. A maioria delas, no entanto, usa água proveniente de poços artesianos, o que encarece a operação. Com a utilização da nova técnica, este custo seria eliminado, reduzindo drasticamente o preço final dos alimentos.

Fonte: dinheirorural.com.br

Deixar um comentário

O seu e-mail não será publicadoEstes campos são obrigatórios *

*

x

Checar também

Se for levado em conta o cenário do ano passado, somente 41% das propriedades rurais leiteiras do país produzirão a bebida dentro dos padrões legais determinados pelo Ministério da Agricultura, conforme aponta um estudo da Clínica do Leite/Esalq-USP. Foto: Divulgação

Preço do leite ao produtor recuou 11,7% em novembro

O preço médio do leite recebido pelo produtor recuou 11,7% em novembro, na comparação com ...

bezerrada curiosa

A hora certa de usar os vermífugos no gado

O sucesso da produção na pecuária bovina depende, entre outras coisas, de um bom manejo ...