A raça Afrikaner, com touros de uma tonelada; Vídeo

PARTILHAR
Touro Afrikaner

Com touros que ultrapassam mais de uma tonelada, eles são responsáveis por participar de vários cruzamentos que originaram importantes raças, além de uma beleza racial única!

A pecuária mundial possui inúmeras raças e, o Compre Rural, possuí um projeto que visa mostrar cada uma delas, até mesmo aquelas mais curiosas. A raça Africânder ou Afrikaner é originária da África do Sul. Os africânderes são geralmente vermelhos escuros. Eles têm a pequena corcunda cérvico-torácica típica do gado Sanga. Eles têm um bom temperamento e são fáceis de manusear. Conheça todos os detalhes da raça Afrikaner!

Gado possui grandes benefícios para serem utilizados em cruzamentos e, claro, uma beleza racial única. Seus chifres e força fazem deles excelentes animais para a região onde são criados. Além disso, os criadores aproveitam a raça para aumentar a maciez da carne em cruzamentos com outras raças locais.

Principais características da raça Afrikaner

Segundo a Associação, responsável pelos registros históricos da raça, os africânderes são geralmente vermelhos escuros. Eles têm a pequena corcunda cérvico-torácica que é típica do gado Sanga, animais esses que fizeram parte do seu surgimento, segundo uma das linhas de pesquisa apontou.

O gado Afrikaner é uma raça bem musculosa, com pernas longas e corpo raso. Eles têm chifres laterais longos que se voltam para cima, embora sejam frequentemente “cerrados” em operações comerciais. Os touros, que podem ultrapassar uma tonelada, possuem uma variação de peso entre 820-1.090 kg. Já as matrizes chegam a pesar entre 450-600 kg. 

As suas pernas são ligeiramente em forma de foice. Eles têm boa resistência a doenças transmitidas por carrapatos. Eles são bem adaptados às condições quentes e áridas locais, pois as glândulas sudoríparas em sua pele são mais ativas do que as do gado taurino. Isso os torna mais tolerantes ao calor do que as raças europeias.

Eles são mais econômicos de manter, e um número maior de africânderes pode ser mantido no mesmo terreno que o gado europeu. Eles têm um bom temperamento e são fáceis de manusear. Os africânderes têm boa fertilidade e podem continuar a parir com mais de 16 anos, com registros mostrando vacas parindo aos 21 anos. 

Assim como o Zebu, as vacas possuem excelente instinto materno, e uma fêmea geralmente cuida de vários bezerros enquanto suas mães pastam em outros lugares. Eles têm poucos problemas de parto, devido à estrutura de seus quartos traseiros e pequenos tamanhos de bezerros (30-35 kg). Eles têm uma baixa taxa de mortalidade de bezerros. 

Uma observação importante é que existe um grau médio a alto de variação genética dentro desta raça com um baixo coeficiente de endogamia, apesar do declínio histórico nos números.

Uso dos animais Afrikaner

A população Khoikhoi utilizavam os africânderes para carne e leite, ou seja, animais de dupla aptidão. Assim como as raças primárias, os africânderes foram usados ​​principalmente como animais de tração após a colonização europeia, muitas vezes conduzidos em grandes equipes com até 14 animais. 

Eles foram criados e desenvolvidos e, com isso, as vacas são usadas ​​como boas leiteiras, embora menos comumente, produzindo maiores teores de gordura do que outras raças de gado, sem a necessidade de alimentação complementar. Foram os bois africânderes que puxavam as carroças que transportavam os Voortrekkers na Grande Jornada .

Um transporte de vagão Afrikander no Estado Livre de Orange
Um transporte de carroça Afrikander no Transvaal

na sua utilização comercial os animais Afrikaner são usados ​​comercialmente para a produção de carne bovina, e muitas vezes são cruzados com outras raças para melhorar a qualidade da carne, principalmente no que diz respeito à maciez, bem como sua maior capacidade de adicionar peso em forragem de baixa qualidade. A sociedade de raças sul-africana promove o uso de africânderes como linhagem para cruzamentos. 

Cruzamentos e base genética de raças importantes

O cruzamento com africânderes aumenta a tolerância ao calor das raças taurinas. O gado Bonsmara é o resultado do cruzamento de Afrikaners com Herefords e Shorthorns, sendo desenvolvidos durante a década de 1960. 

O gado Belmont Red é o resultado do cruzamento de Afrikaners com Herefords e Shorthorns pelo CSIRO em Rockhampton, Queensland. Eles foram criados em um esforço para produzir uma raça mais adequada para a produção de carne bovina em áreas quentes e secas.

O Afrigus é um moderno híbrido 50-50 de Afrikaner e Aberdeen Angus , com alguma influência de Bonsmara, Drakensberger e Tuli . Um cruzamento Afrikaner-Angus desenvolvido na década de 1930 na Louisiana – às vezes chamado Africangus – não teve sucesso.

Gado Puro Raça Afrikander em Ermelo, Transvaal

Durante a primeira metade do século 20, os africânderes estavam sendo criados para reduzir o tamanho de sua corcunda, pois isso era desagradável para os agricultores acostumados ao formato do gado taurino. 

O Afrikaner foi a raça de gado mais abundante na África do Sul até a década de 1970, no entanto, problemas associados à endogamia, baixa fertilidade e diminuição do período reprodutivo em vacas diminuíram sua popularidade entre os agricultores locais. O cruzamento com raças exóticas de gado também pode ter contribuído para o declínio nos números da população, bem como a introdução do Brahman no sul da África.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com