Arroba vai acima de R$ 300 nesta semana, veja agora!

PARTILHAR
Foto: Governo de Mato Grosso

As negociações seguem acontecendo em patamar elevado, consequência da baixa oferta de animais para abate; Preços devem disparar novamente nesta semana!

A semana foi de grande valorização nos preços da arroba, segundo os dados, os preços saltaram cerca de R$ 15/@ nas praças paulistas, que servem de referência para as demais praças pecuárias. A onda de valorização vem em consequência da situação da oferta que ainda
é restrita em grande parte do país.

Além da alta nos preços, com os valores em algumas praças atingindo o patamar de R$ 300,00/@, a demanda externa segue aquecida e os valores para o Boi China chegam a ter ágio de até R$ 10,00/@ em alguns casos. Mas afinal, quais os fatores que vão fazer com que os preços tenham novas máximas nessa semana? Confira agora!

Fechamento da semana

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado chegou a R$ 285,47/@, na sexta-feira (15/01), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 284,49/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 273,92/@.

O destaque da semana ficou para o estado mineiro. Caso aconteceu em Abaeté/MG, sendo o valor de R$ 300,00/@ com pagamento a prazo de 30 dias e abate para o dia 18 de janeiro, com animais com destino ao mercado interno.

Já o Indicador do Boi Gordo do Cepea, fechou a semana com desvalorização de 2,2%, atingindo o patamar de R$ 287,90/@.

Giro do boi gordo pelo Brasil:

  • Em São Paulo, Capital, a referência para a arroba do boi ficou a R$ 288 contra R$ 287 a arroba na quinta.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 280, estável.
  • Em Dourados (MS), a arroba passou de R$ 275 para R$ 277.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 268 ante R$ 266.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 285, estáveis.

Fatores que trazem novo movimento de alta nesta semana

Começando pelas escalas de abate, as programações seguem encurtadas nas principais praças pecuárias brasileiras, o que deve continuar gerando uma pressão positiva nas indicações da arroba do boi gordo.

Na avaliação da IHS Markit, a disponibilidade de gado pronto para abater não mostra sinais de recuperação nas próximas semanas, uma vez que os confinamentos dispõem de lotes residuais e a oferta de gado terminado a pasto deverá chegar mais tardiamente ao mercado em função do atraso do período das chuvas, fato que prejudicou a pecuária extensiva em muitas regiões do País.

Outro ponto favorável para o setor pecuário é a continuidade do ritmo forte das exportações de carne bovina, favorecida pela demanda da China. O valor do dólar tem ajudado na balança comercial, favorecendo os atuais preços da arroba.

Demanda externa, dólar valorizado e oferta restrita de animais devem trazer a sustentação dos atuais patamares e um viés de alta nos preços ao longo dessa semana.

Demanda externa, dólar valorizado e oferta restrita de animais devem trazer a sustentação dos atuais patamares e um viés de alta nos preços ao longo dessa semana. Entretanto, vale a pena ficar atento ao mercado interno que, apesar de aceitar os atuais valores da carne bovina, segue com situação econômica desfavorável a maiores valores.

Escalas de abate, segundo Agrifatto

Dentre as praças analisadas, em Mato Grosso as programações são ligeiramente mais longas quando comparado às outras regiões, atendendo os próximos 5,0 dias úteis e alinhadas com a média parcial anual.

Em São Paulo, os trabalhos nas indústrias encerraram a semana com 4,0 dias úteis, abaixo da média parcial dos últimos doze meses (6,0 dias úteis).

Cenário parecido é visto em Mato Grosso do Sul e Minas Gerais, onde as escalas de abates estendem pelos próximos 4,0 dias úteis, em linha com a parcial anual.

Já em Goiás, a semana encerrou com 3,0 dias úteis, as mais encurtadas dentre as analisadas, enquanto a média a parcial gira em torno de 5,0 dias úteis.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com