Bezerro ilegal é até R$ 1.300,00 mais barato e causa prejuízo!

PARTILHAR
@victordarido

Pecuaristas brasileiros estão preocupados com a importação ilegal de bezerros; Defesa Agropecuária identificou lote de animais contrabandeados da Bolívia.

Pecuaristas do Mato Grosso estão preocupados com a entrada irregular no Brasil de bezerros vindos da Bolívia. A situação, além de trazer riscos de doenças já erradicadas como a febre aftosa ou até que estão sob controle no Estado, como a brucelose, também está na falta de recolhimento de impostos.

“A diferença de preços é gritante e pode variar de R$ 1.000 a R$ 1.300. Nosso bezerro é cotado em cerca de R$ 3.600. E o que temos notícia é que o bezerro boliviano está na faixa de R$ 2.200 a R$ 2.300. É uma concorrência desleal”, alerta a pecuarista.

Se for seguido o atual protocolo de comércio de animais da Bolívia para o Brasil, cada operação pode levar até três meses para ser concluída. Para Manzi, que quer se reunir com autoridades bolivianas, o ideal é discutir uma forma para desburocratizar esse processo, sem colocar em risco o sistema brasileiro de vigilância sanitária.

Em nota, o Instituto de Defesa Agropecuária (Indea) do estado informou que 17 bovinos contrabandeados foram flagrados em um veículo em território brasileiro, próximo à fronteira. Os animais foram sacrificados por falta de certificação em saúde e do protocolo de comércio internacional.

Para a instituição, o preço atrativo do bezerro no país vizinho instigou os produtores a realizarem a importação indevida. O Indea tem feito a suspensão de cadastros de algumas propriedades e continua fazendo uma investigação sanitária em relação ao caso.

Diferença de preços dos animais bolivianos pode chegar até a R$ 1.300 a menos em comparação ao bezerro mato-grossense; entrada de bovinos pode estar na casa dos milhares, estima a presidente do Sindicato Rural de Cáceres, Ida Sá.

Pecuaristas de Mato Grosso planejam missão na Bolívia para coibir venda ilegal de gado

Ainda não tem uma data certa, mas até o final deste mês de julho, uma missão de pecuaristas, governo e técnicos em vigilância sanitária começam a delinear um plano estratégico para coibir a venda ilegal de animais vindos da Bolívia. A ideia é firmar um plano menos burocrático entre os países, barrando o comércio ilegal que cresce na região de fronteira entre os dois países.

Na sexta-feira passada (2/7), a Associação de Criadores de Mato Grosso (Acrimat) emitiu um alerta para o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) sobre a entrada ilegal de bovinos da Bolívia para o Brasil. A comunicação foi feita a partir da denúncia dos sindicatos rurais de Vila Bela da Santíssima Trindade, Pontes e Lacerda, e Cáceres.

A situação, além de trazer riscos de doenças já erradicadas como a febre aftosa ou até que estão sob controle no Estado, como a brucelose, também está na falta de recolhimento de impostos.

Se for seguido o atual protocolo de comércio de animais da Bolívia para o Brasil, cada operação pode levar até três meses para ser concluída. Para Manzi, que quer se reunir com autoridades bolivianas, o ideal é discutir uma forma para desburocratizar esse processo, sem colocar em risco o sistema brasileiro de vigilância sanitária.

A comitiva deve ser formada com representantes da Acrimat, do Indea, do Mapa, além de lideranças da pecuária da região de fronteira entre o Brasil e a Bolívia e representantes do ministério da Agricultura e de vigilância sanitária da Bolívia.

Fronteira preocupante

Uma fronteira seca de cerca de 740 km é a divisa entre a Bolívia e Mato Grosso. Não há números precisos sobre a entrada de animais, mas segundo a pecuarista Ida Beatriz Machado de Miranda Sá, presidente do Sindicato Rural de Cáceres, é possível que o número já esteja na casa dos milhares.

A atratividade de preços é o que vem aquecendo a entrada ilegal desses animais, que, em geral, são de bovinos para terminação no próprio Estado ou até em outros Estados do País.

“A diferença de preços é gritante e pode variar de R$ 1.000 a R$ 1.300. Nosso bezerro é cotado em cerca de R$ 3.600. E o que temos notícia é que o bezerro boliviano está na faixa de R$ 2.200 a R$ 2.300. É uma concorrência desleal”, alerta a pecuarista.

A região de Cáceres é justamente forte produtora de bezerros, e cada vez vem percebendo que o problema está se agravando. Assim, como Manzi, Ida não é contra o comércio, no entanto, defende que seja feito dentro dos critérios.

“Vale ressaltar que o trabalho para regularização de importação de gado de outros países é importante e salutar. Precisamos apenas adequá-lo. E só conseguiremos fazê-lo com a união de vários atores do setor tanto público quanto privado”, diz Ida.

Compre Rural com informações do G1 e Portal DBO

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com