Bezerro sobe R$ 109/cab e recorde piora relação de troca

Bezerro sobe R$ 109/cab e recorde piora relação de troca

PARTILHAR
Foto: boyfotografo

Os preços do bezerro voltaram a renovar novas máximas e a disparada de preço trouxe piora na relação de troca e alerta de prejuízo para o pecuarista!

Os preços dos animais de reposição vêm registrando firme movimento de alta e renovando de forma consecutiva os recordes reais. Entre fevereiro/20 e fevereiro/21, os avanços nos valores da reposição foram mais intensos que os observados para o animal para abate, contexto que vem resultando em piora na relação de troca de terminadores.

Segundo os dados analisados, os preços estão em patamares recordes. A valorização nos preços do boi gordo na última quinzena, acabou aquecendo o mercado da reposição e trazendo novas valorizações do bezerro ao boi magro. Além disso, preços devem seguir em alta com o aumento dos abates de fêmeas em algumas regiões, como Mato Grosso, reduzindo assim a oferta de animais no futuro.

Considerando-se apenas os meses de fevereiro, a atual relação de troca da arroba de boi gordo no mercado paulista por um bezerro em Mato Grosso do Sul é a segunda pior da série do Cepea, atrás apenas da verificada em fevereiro de 2015.

Segundo os negócios informados no aplicativo da Agrobrazil, os valores do bezerro nas praças paulistas tiveram uma valorização de R$ 109,00/cab na primeira quinzena do mês, mostrando que o mercado segue subindo com maior demanda e menor oferta de animais.

Segundo o pecuarista de Aquidauna/MS está comercializando o bezerro por R$ 2.926,00/cab com pagamento a vista para animais de 186kg, ou seja, o animal está sendo cotado a R$ 15,73/kg. Sendo assim, o valor da arroba desse animal é de R$ 471,90/@.

Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário é bastante desafiador a pecuaristas da terminação, tendo em vista que esses agentes também se deparam com custos de insumos para alimentação em patamares recordes.

A alta mais significativa no mercado de reposição, em relação ao mercado de boi gordo, resultou em queda de 11,7% na relação de troca para o recriador/invernista no período, considerando a média de todas as categorias pesquisadas pela Scot Consultoria.

Já o Indicador do Bezerro Esal/BM&FBovespa, voltou a atingir o patamar de R$ 2.802,25/cab para as praças sul mato-grossense. Esse valor é o mais próximo do recorde real atingido pelo indicador na série histórica.

Garrote e Boi Magro

Os preços das categorias do garrote e do boi magro, estão também “perdendo o rumo”. As valorizações trazem grandes tensões e alerta em relação as margens do pecuarista na venda desse animal do futuro.

Divulgamos aqui nessa semana, pecuarista comprando boi magro a R$ 5.800,00/cab, preço esse que é superior ao que o boi gordo é vendido considerando a média Brasil. Já o garrote, esse possui um valor de R$ 4.070,00/cab para animais Brangus e Nelore com peso médio de 367 kg.

Risco de prejuízo

Como já mencionado aqui no portal, há também uma posição de cautela de boa parte dos pecuaristas, que resistem em negociar frente às pressões baixistas nos preços da arroba do boi gordo. Os atuais preços de R$ 300,00/@, em SP, já dificultam o fechamento das contas da propriedade.

Além disso, para os recriadores que necessitam fazer a reposição, há o risco de prejuízos em caso da venda de lotes de boiadas gordas muito abaixo dos preços vigentes atualmente. Por isso, agora é momento de ter cautela e negociar com base no planejamento estratégico.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com