Boi gordo firme a R$ 320/@ com “apagão” nas compras

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira

Os preços seguiram estáveis com um dia de “apagão” nas compras, já que os frigoríficos passaram o dia mensurando o consumo no fim de semana; Veja!

O mercado físico de boi gordo registrou preços de estáveis a mais altos nesta segunda-feira, 9, a semana iniciou com grande otimismo por causa do consumo do fim de semana do Dia dos Pais. O pecuarista segue apreensivo com o aumento dos custos de produção e prevê que o decorrer do segundo semestre os preços possam disparar novamente!

Algumas unidades frigoríficas permaneceram ausentes da compra de gado, avaliando as melhoras estratégias para aquisição de boiadas no decorrer da semana. Esse comportamento é comum para uma segunda-feira, principalmente após uma data comemorativa. As indústrias devem atuar de forma mais firme a partir dessa terça-feira.

Segundo a Scot Consultoria, no Norte de Mato Grosso, o fim de semana com escoamento positivo moveu positivamente os preços do boi (+2,00/@) e novilha (+1,00/@) gordos nesta segunda-feira. A cotação da vaca gorda está estável.

As cotações do boi, da vaca e da novilha gordos estão sendo negociadas em R$305,00/@, R$295,00/@ e R$297,00/@, respectivamente, preços brutos e a prazo, apontou a Scot.

Em São Paulo, o valor médio para o animal terminado apresentou uma média geral a R$ 318,51/@, na segunda-feira (09/08), conforme dados informados no aplicativo da Agrobrazil. Já a praça de Goiás teve média de R$ 294,44/@, seguido por Mato Grosso Sul com valor de R$ 316,50/@.

Bovinos destinados ao mercado externo, são negociados a até R$322,00/@, preço bruto e à vista e a depender do lote. Entretanto, alguns pecuaristas já informam negociações de animais precificados a R$ 330,00/@.

O Indicador do Cepea apresentou grande valorização no fechamento de ontem, os valores sofreram uma valorização de 5,77% e saltou de R$ 312,95/@ para o patamar de R$ 318,60/@. Os pecuaristas se perguntam, ainda, qual o motivo dessas variações tão absurdas do Indicador!

Segundo a IHS Markit, da capital paulista, as plantas frigoríficas tentam conter as especulações altistas, ao mesmo tempo que incrementam as suas escalas de abate para atender o potencial aumento na demanda por reposição de estoques, em função da reação do consumo de carne bovina após os recebimentos dos salários.

Do lado de dentro da porteira, os pecuaristas seguem tentando barganhar valores maiores, buscando maior rentabilidade diante dos elevados custos da reposição e da nutrição.

O resultado das exportações semanais de carne bovina da primeira semana surpreendeu, sinalizando que as vendas destinadas ao mercado chinês permanecem em bom nível. “A tendência é que a China siga atuante no mercado internacional de carnes, reduzindo seu ímpeto de compra a partir de 2022”, apontou o analista.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Com isso, em São Paulo, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 317 na modalidade a prazo, estável.
  • Em Goiânia (GO), a arroba teve preço de R$ 305, ante R$ 304.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 313, estável.
  • Em Cuiabá, a arroba ficou indicada em R$ 308, estável.
  • Em Uberaba, Minas Gerais, preços a R$ 313 a arroba, ante R$ 311.

Atacado

Já no mercado atacadista, os preços da carne bovina seguem firmes. Segundo Iglesias, a expectativa é que menor espaço para reajustes a partir da segunda quinzena do mês, período que conta com menor apelo ao consumo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com