Boi levou a sério o #ficaemcasa no primeiro semestre de 2021

PARTILHAR
Boi levou a sério o #ficaemcasa no primeiro semestre de 2021
Foto: Fazenda e Haras São Vicente

O número oficial divulgado pelo Indea-MT e os preliminares pelo Ministério da Agricultura apontam para o pior primeiro semestre dos últimos 10 anos

Noticiamos aqui por várias vezes as indústrias trabalhando com uma “falsa” folga nas suas escalas, tendo em vista que estavam operando com um terço da sua capacidade de abate. Verdade também que os produtores não cederam muito, e alguns ainda com reserva de pastos para poderem segurar os animais um pouco mais. As exportações de carne bovina do Brasil recuaram 18% em maio ante igual período do ano passado, o que levou o embarque acumulado em 2021 a voltar ao território negativo, mostraram dados das associações do setor Abiec e Abrafrigo.

De acordo com dados do governo federal compilados pela Associação Brasileira das Indústrias Exportadoras de Carnes (Abiec), os embarques de carne bovina (in natura e processada) somaram 149,8 mil toneladas no mês passado. A receita atingiu 725,2 milhões de dólares, queda de 7% na comparação anual.

vacada nelore no curral com poeira no horizonte
Foto: Lucas Godoi

Retenção de fêmeas pelo pecuarista

Ao começo do ano de 2021 já aguardávamos que a fase de retenção de fêmeas continuaria a ditar o “ritmo do jogo” da pecuária de corte brasileira, no entanto, a intensificação desse processo chega a ser surpreendente. Os dados oficiais já divulgados pelo Indea-MT apontam para o pior primeiro semestre dos último doze anos no total de bovinos abatidos, com 2,22 milhões de cabeças encaminhadas a linha de abate.

A diminuição de 11,48% no comparativo anual continuou a ser puxada pelas fêmeas, que acumularam pouco mais de 943,67 mil cabeças, 19,56% abaixo de 2020.

No cenário nacional, a situação é semelhante. Os dados preliminares do MAPA apontam que o total de bovinos abatidos em frigoríficos SIF no Brasil ficou em 10,28 milhões de cabeças no primeiro semestre de 2021, 6,75% abaixo do mesmo período de 2020. Apesar do recuo menor em comparação aos números oficiais de Mato Grosso, fato que pode explicado pelo momento mais difícil enfrentados pelos frigoríficos menores, o volume total de animais abatidos em frigoríficos SIF brasileiros é o menor dos últimos 17 anos.

Tais números divergem dos números de escalas alongadas apontados pelos frigoríficos, visto que a falta de matéria-prima é factível, a suposição mais plausível é que a capacidade desses está sendo reduzida consideravelmente para atender a uma oferta cada vez mais enxuta.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.