Brasil quer exportar peixes de cultivo à União Europeia

PARTILHAR
Tilápia / Foto: Wenderson Araujo

Associação Brasileira a Piscicultura pede ajuda ao MAPA para habilitação de frigoríficos de peixes de cultivo para exportação à União Europeia

A Associação Brasileira a Piscicultura (Peixe BR), entidade representativa da cadeia de produção de peixes de cultivo no país, enviou ofício à ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), Tereza Cristina, solicitando apoio para habilitação dos frigoríficos de peixes de cultivo no Brasil para exportação à União Europeia.

“Já estamos no terceiro ano de suspensão das exportações de peixes de cultivo, especialmente de tilápia e seus subprodutos, decorrente de não conformidade em barcos de pesca que em nada diz respeito à piscicultura”, relata o presidente executivo da Peixe BR, Francisco Medeiros.

O dirigente destaca que a piscicultura não tem como intervir na pesca para que atenda às não conformidade nos seus respectivos barcos. Dessa forma, “solicitamos empenho do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento nesta importante ação, atuando junto ao órgão de sanidade da União Europeia para que vistorie e libere as plantas de peixes de cultivo no Brasil”.

Os Estados Unidos são o principal cliente da piscicultura brasileira, com compras de US$ 1,8 milhão no 1º trimestre de 2020. Em seguida vem a China, que importou US$ 242 mil em produtos de piscicultura. Em volume, os dois países não estão distantes: Os EUA importaram 321 t e a China 284 t. A tilápia continua puxando a exportação, 1.370 t, o que equivale a 83% do total no período. Os estados líderes em exportação de tilápia são Mato Grosso do Sul (515 t), Santa Catarina (341 t) e Paraná (286 t).

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.