PARTILHAR

Fala é do fundador e ex-presidente da Embrapa, Eliseu Alves, a partir de dados disponíveis no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.

O conhecimento sobre a agricultura impacta mais a produção do que insumos. É o que diz o fundador e ex-presidente da Embrapa, Eliseu Alves, a partir de dados disponíveis no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Ele mostra que, em todo o período analisado, que vai de 1975 a 2017, o conhecimento sobre sistemas de produção impactou mais a agricultura brasileira do que equipamentos, máquinas e sementes. Para Eliseu Alves, tão importante quanto ter um equipamento de último tipo é o conhecimento sobre a terra, os fatores de produção, o contexto da tecnologia.

O chamado conhecimento “não cristalizado”, aquele referente “ao que está entre as orelhas” é responsável por 89,8% da produção agrícola. Em 1979, este índice estava em 64,17%. A análise é feita a partir de estudo liderado por José Garcia Gasques, coordenador geral de Avaliação de Políticas e Informação, da Secretaria de Política Agrícola (SPA). O estudo mostra a taxa de crescimento da produção e da produção total dos fatores.

Os resultados mostram que a produção agrícola cresce a taxas mais altas do que as do crescimento de insumos. O cálculo é feito porque é possível saber qual o crescimento do uso de insumos e também o crescimento da produção. A diferença entre uma e outra (hoje de 89,8%) deve-se ao chamado conhecimento não cristalizado.

avatar

Eliseu Alves

fundador e ex-presidente da Embrapa

“Desenvolvimento está mais relacionado à gestão com informações atualizadas sobre os processos pelo agricultor do que o uso de uma determinada semente”.

Eliseu Alves, que é economista com PhD em Economia Rural, explica que tratores, sementes e adubo, por exemplo, o que ele chama de “tecnologia cristalizada” ainda são simbólicos da evolução da agricultura, “mas, na verdade, nossa evolução é na inteligência para lidar com os diferentes fatores de produção”. Ele lembra que a agricultura brasileira não deu um salto com a chegada de equipamentos do exterior, mas sim com a capacitação de nossos profissionais. “Eles desenvolveram sistemas de gestão e produção, adaptaram, criaram novos insumos e fizeram a informação chegar ao campo”.

Para Eliseu Alves, há equívoco ao se identificar a produção agrícola apenas com insumos ou produtos. “Desenvolvimento está mais relacionado à gestão com informações atualizadas sobre os processos pelo agricultor do que o uso de uma determinada semente”.

Hoje o setor privado ocupa-se mais no desenvolvimento de novos produtos, como sementes, fertilizantes e máquinas. O setor público se concentra na geração de conhecimentos indispensáveis para o aprimoramento da produção, como a forma adequada de aplicação de insumos, o melhor espaçamento nas lavouras, boas práticas de plantio, manejo, colheita e armazenamento, mapeamento dos riscos e as boas práticas para superá-los, dentre muitos outros. Assim, parte significativa da produção da pesquisa pública é informação e conhecimento, que não materializados, necessariamente, em insumos e produtos, visíveis e facilmente mensuráveis.

Para produzir frutos ou grãos, uma semente precisa estar associada a conhecimentos como adubação, irrigação, manejo de solos, controle de pragas e doenças e assim por diante. Esse conjunto de conhecimentos faz parte de uma lógica de eficiência geralmente chamada de sistema de cultivo.

Parte muito significativa da produção da Embrapa não se cristaliza ou se materializa em insumos e produtos, e por isso pode não ser notada. Por exemplo: o Código Florestal incorporou grande volume de conhecimentos gerados pela Embrapa e sua implantação se beneficia de enorme volume de informações e conhecimentos gerados pela Empresa. O Plano de Agricultura de Baixo Carbono (Plano ABC) vai na mesma linha: incorpora quantidade significativa de informações e conhecimentos gerados pela Embrapa e ajuda o Brasil a cumprir as metas de mitigação de gases de efeito estufa.

Outro caso é o Zoneamento de Risco Climático (Zarc), que racionaliza a exploração agrícola no território nacional com grande impacto na política de crédito e seguro agrícola. A Embrapa desenvolveu o modelo que tem gerado significativo impacto na gestão de riscos na agricultura. Apenas em 2018 a economia estimada para o País pela adoção do Zarc foi de R$ 5,4 bilhões, maior do que o orçamento da Embrapa.

Novos espaçamentos e conhecimentos sobre solo e clima, seleção de insumos, práticas de manejo integrado de pragas e estudos de Inteligência Territorial Estratégica são alguns dentre os exemplos de conhecimentos gerados pela Empresa com impactos nos sistemas produtivos.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.