Obrigado por se cadastrar nas Push Notifications!

Quais os assuntos do seu interesse?

Empresários pedem que Lula evite invasões do MST em seu governo

Empresários pedem que Lula mantenha reforma trabalhista e evite invasões; entidades representativas de diversos setores econômicos

Entidades representativas de diversos setores econômicos cumprimentaram nos últimos dias o presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) e aproveitaram para apresentar alguns pedidos para a próxima gestão, que se inicia em 1º de janeiro de 2023.

Dentre os pontos, há itens como a manutenção da reforma trabalhista e o avanço das reformas administrativa e tributária. Há também questões mais específicas de cada setor, como a defesa contra a invasão de terras e a liberação do preço de alguns medicamentos.

Boa parte das demandas setoriais foi apresentada ainda durante a campanha aos candidatos à Presidência. Veja a seguir algumas das pautas setoriais para o próximo governo.

Representante do agronegócio, setor cuja maioria apoiou o presidente Bolsonaro na campanha à reeleição, a CNA (Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil) disse em nota que “recebe com naturalidade o resultado das eleições presidenciais e está pronta para o diálogo e a cooperação com o governo eleito”.

Na visão da entidade, o setor precisa de um governo que defenda o produtor rural “das invasões de terra, da taxação confiscatória ou desestabilizadora ou dos excessos da regulação estatal”.

A Confederação também espera que o governo trabalhe para ampliar os destinos das exportações e proteger a produção nacional de barreiras impostas por outros países “abertas ou disfarçadas de preocupações com a saúde e o meio ambiente”.

Foto Divulgação

Em recente entrevista ao Canal Rural voltou a defender o MST e reafirmou o papel do Estado brasileiro em criar assentamentos em áreas improdutivas: “quando a terra é improdutiva e o Estado estabelece através do Incra [Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária] que ela é improdutiva, você paga para o proprietário da terra e faz os assentamentos”, apontou.

Ele também pontou que o país tem uma grande capacidade produtiva na agricultura, mas alertou que o modelo de produção agrícola precisa garantir a preservação dos Biomas e dos bens naturais.

“O Brasil tem um potencial agrícola invejável. Por isso, os empresários brasileiros precisam ter bastante juízo e discutir que tipo de agricultura que a gente quer: se a gente quer preservar os nossos biomas ou se a gente quer destruir. Eu quando era presidente tive uma briga porque tinha alguém que queria plantar cana-de-açúcar no Pantanal. E falava, não, o pantanal não é lugar de plantar cana-de-açúcar”, afirmou.

Quer ficar por dentro do agronegócio brasileiro e receber as principais notícias do setor em primeira mão? Para isso é só entrar em nosso grupo do WhatsApp (clique aqui) ou Telegram (clique aqui). Você também pode assinar nosso feed pelo Google Notícias

Não é permitida a cópia integral do conteúdo acima. A reprodução parcial é autorizada apenas na forma de citação e com link para o conteúdo na íntegra. Plágio é crime de acordo com a Lei 9610/98.

Siga o Compre Rural no Google News e acompanhe nossos destaques.
LEIA TAMBÉM