Finpec surfa onda de alta do boi e atrai investidores, veja!

PARTILHAR
@fotodeboi

A Finpec é uma das melhores plataformas que capta dinheiro com investidores para comprar bois; A garantia de rentabilidade é a vantagem!

Enquanto os frigoríficos se ressentiam do impacto do fechamento de restaurantes e o mercado futuro de boi gordo provocava calafrios de tão deprimido nos primeiros meses de quarentena, o ex- Minerva Michel Torteli era um dos poucos a apostar as fichas no “bull market”.

À frente da Finpec, plataforma que capta dinheiro com investidores para comprar bois – numa lista que vai de ex-CEO da Cosan a chefe de M&A do Machado Meyer -, Torteli não tinha dúvida. “O boi voltará para os preços máximos”, dizia, ainda em maio.

As incertezas da covid-19, é verdade, nublavam o horizonte. Afinal, como ficaria a demanda no mercado brasileiro? A carne já estava cara e, em um ambiente de deterioração da renda, talvez fosse melhor colocar as barbas de molho.

Mas a aposta de Torteli se provou mais do que acertada. Em novembro, o estouro da boiada voltou às manchetes. O preço recorde – real e nominal – foi renovado seguidas vezes, como apontou o indicador Esalq/B3, referência para o preço do gado no país. Neste mês, as cotações começaram a ceder – recuaram 8,5% -, num movimento também antecipado pela Finpec.

O racional por trás da aposta de alta era claro. Além da restrição de oferta de gado pronto para o abate, um efeito conhecido na pecuária por razões cíclicas, os confinamentos – sistema intensivo de engorda com dieta baseada em grãos, insumo cada vez mais caro – demoravam a ganhar tração, restringindo ainda mais a disponibilidade da matéria-prima dos frigoríficos.

Ancorada na tese, a Finpec conseguiu segurar os investidores nos momentos de maior aversão a risco, apesar dos percalços com a pisada no freio de fundos de investimentos que prometiam injetar dezenas de milhões na plataforma.

Aos poucos, a empresa voltou a captar, triplicando os recursos sob administração. Do fim do ano passado para cá, o montante saiu de R$ 20 milhões para mais de R$ 60 milhões. A plataforma já tem acordos para chegar a R$ 70 milhões até o fim do ano. A previsão é fechar 2021 com R$ 150 milhões.

A apelo da Finpec é a rentabilidade. Em tempos de juros negativos, a plataforma oferece aos investidores 6% por ano, livre de impostos. O tíquete médio por investidor é de R$ 300 mil.

Na prática, a plataforma emite uma Cédula de Produto Rural (CPR) lastreada no gado que comprou para engordar. É uma operação de renda fixa, com a vantagem tributária dos títulos do agronegócio.

Na busca por investidores, a Finpec também diversificou as formas de captação ao se aproximar do Banco Ribeirão Preto (BRP), conta Fernando Sartori, sócio da plataforma.

O banco encarteirou e distribuiu a clientes um Certificado de Direitos Creditórios do Agronegócio (CDCA) de R$ 10 milhões emitido pela Finpec. A experiência agradou aos sócios, que devem repetir a captação em parceria com bancos no próximo ano.

Por segurança, a plataforma só toma o dinheiro com a compra do gado garantida. Nesse momento, o preço futuro de venda também é travado, fixando as margens da operação.

Com os recursos, a Finpec adquire o gado, faz a engorda no confinamento parceiro – a plataforma trabalha em um modelo asset light – e vende aos frigoríficos. A Minerva, onde Torteli fez carreira na mesa de mercado futuro de boi, é a grande cliente.

Em um ano, é possível girar o confinamento mais de duas vezes – um animal fica na engorda intensiva por cerca de 90 dias -, multiplicando o dinheiro. “No nosso negócio, você capta um real e gera quatro de faturamento”, afirma Celso Fugolin, sócio da Finpec que foi executivo de frigoríficos como Bertin e JBS.

Neste ano, o faturamento da plataforma deve chegar a R$ 120 milhões, quase três vezes mais que o do ano passado. Para 2021, a projeção é atingir R$ 200 milhões.

Na pecuária, um mercado extremamente fragmentado, a Finpec é uma fornecedora de médio porte. Em 2020, a plataforma vendeu cerca de 28 mil cabeças de gado aos frigoríficos, e deve chegar a pelo menos 50 mil no ano que vem.

Em termos relativos, a plataforma é traço do volume de abate formal no país – são cerca de 30 milhões de cabeças por ano -, o que dá um indicativo do potencial do crescimento da boiada da Finpec.

Fonte: Valor Econômico.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.