Frigorífico x Produtor: Diferença de peso ao abate

Frigorífico x Produtor: Diferença de peso ao abate

PARTILHAR
gado gordo e carcaca montagem
Foto: Montagem Compre Rural

O grande dilema da pesagem na fazenda e o peso no gancho, quem nunca sofreu com esse impacto? Pois bem, vamos tentar abordar essa polêmica!

A eterna briga entre produtores e frigoríficos, talvez não seja nem tanto a negociação pelo valor a ser negociado a @, mas sim o diferencial de peso entre a pesagem na fazenda e o peso no gancho, resultando em rendimentos menores que o esperado e, com isso, trazendo a instabilidade na relação.

A pecuária de corte brasileira está crescendo a passos largos, principalmente no que diz respeito a qualidade da carne. O volume exportado cresce a cada ano, já que o país passa a atender um mercado de qualidade que antes não era o foco da produção nacional. Além disso, o próprio mercado interno, que representa cerca de 75% do consumo da carne produzida, também está mais seletivo e buscando produtos de maior qualidade.

Mas a pergunta é, quais são os fatores que podem interferir no rendimento de carcaça?

Vários são os fatores que podem afetar o rendimento da carcaça, não só as relacionadas ao abatedouro (toalete excessiva), mas sim ao próprio manejo em que o animal foi exposto na fazenda ou no transporte para o frigorífico.

Neste contexto iremos abordar sobre fatores que afetam o diferencial de peso entre a fazenda e frigorífico.

Tempo de jejum do animal

A principal causa da redução ou quebra do peso ao abate se deve ao jejum prolongado em que os animais são submetidos desde a saída da fazenda, o transporte para o frigorífico e o período que permanece no curral de espera. Isto pode ser menos ou mais acentuado, dependendo principalmente da distância da fazenda ao frigorífico, além é claro do período em que o animal ficou preso antes de embarcar.

Este tipo de redução de peso se deve ao esvaziamento do conteúdo gastrointestinal, devido à defecação, além da perda de líquidos através da urina. Porém, se o animal retorna à dieta, o peso é recuperado rapidamente.

A figura 1 ilustra bem a perda de peso até 25 h de jejum de animais em pastos de trigo, e que ao retornarem ao pasto recuperaram rapidamente o peso. Pode-se observar que as perdas de peso chegaram a 8 % do peso vivo inicial, sendo isto basicamente conteúdo gastrointestinal.

Fig. 1 Efeito do tempo de jejum e perda de peso de animais em pastagens de trigo

A perda de peso é bastante rápida entre as primeiras 12-16 horas de jejum, então a taxa de perda diminui gradualmente. Esta perda de peso não vai afetar o peso de carcaça, a menos que o jejum se estenda por mais de 48 horas. Na tabela 1 pode-se notar que o aumento do tempo de jejum, sendo os animais pesados e abatidos, aumentou o rendimento.

Jejum não deve ultrapassar 48 horas, pois afetará o peso da carcaça

Tabela 1: Efeito do jejum de animais a pasto na perda de peso vivo e no rendimento de carcaça

Fonte: McKiernan et al.

Esse assunto é bem detalhado na matéria abaixo, onde abordamos essa questão das horas de jejum. Um estudo realizado apontou que a modificação no manejo antes do abate pode trazer a obtenção de 3,5 e 3,7 quilos de carcaça a mais por animal. Veja na matéria abaixo!

Dieta do animal

O tipo de dieta em que o animal fora submetido é um outro fator que afeta de maneira significativa o ganho de peso o rendimento de carcaça. Animais que recebem dieta constituída com altas proporções de volumoso apresentam menores rendimentos de carcaça que animais com maiores proporções de concentrado, como animais em confinamento, por exemplo.

Isto ocorre por razões óbvias, ou seja, a menor digestibilidade da pastagem causa maior enchimento do rúmen, que dietas com concentrado, e ao impor ao animal o jejum a perda de peso, devido à defecação maior. Por isso é importante que os animais em confinamento tenham, ao final do período, uma dieta mais rica em concentrado.

Rendimento da carcaça aumentou com a diminuição da proporção de forragem na dieta

Na tabela 2 é possível observar que o rendimento da carcaça aumentou com a diminuição da proporção de forragem na dieta, independente do peso de abate. As diferenças, no caso, foram pelo aumento do “enchimento” do rúmen e pela menor gordura de cobertura com o aumento das proporções de forragem.

Tabela 2: Efeito da dieta no rendimento e espessura de gordura da carcaça.

Fonte: Hand.

Transporte

O tempo e a distância em que o animal é transportado também tem influência na diminuição do peso por enchimento, sendo estimado uma perda de cerca de 2 % a mais em relação ao jejum no curral por igual tempo (tabela 3).

Tabela 3: Perda de peso (%) de animais submetidos a diferentes tempos de jejum

Fonte: Barnes et al.

A perda de peso vivo, além do enchimento pode ocorrer também pela diminuição do peso dos tecido corporais, devido a perda de fluídos intra e extra celulares após longos períodos de jejum de sólidos e líquidos.

Na tabela 4 é possível observar que a perda de 6,5 % do peso vivo de novilhos após 24 h de transporte. Praticamente metade da perda de peso foi devido ao enchimento, entretanto a outra metade foi em função da diminuição de peso de tecidos do trato intestinal, da carcaça e outros componentes (pele, pelos, vísceras, cabeça, pernas).

A perda de peso por enchimento, sem dúvida é o que mais afeta o peso, porém com o passar do tempo e intensificação da restrição alimentar e hídrica a perda dos tecidos passa a ser a principal causa de perda de peso, e este tipo de perda, ao contrario da de enchimento, é mais difícil de ser recuperada que o outro tipo.

Tabela 4: Fontes de perda de peso (%) de novilhos com 290 kg de PV após 24 h de transporte

Fonte: Barnes et al.

Genética do animal

Outros fatores também podem afetar a perda de peso e consequentemente o rendimento de carcaça, como o grupo genético. Sendo que animais com 50 % ou mais de sangue Bos indicusapresentam menores perdas de peso, que por terem trato gastrointestinal menor, têm menor conteúdo intestinal.

Como calcular o rendimento

De forma geral, a principal causa da quebra de peso e redução do rendimento de carcaça é o efeito de “enchimento” do conteúdo gastrointestinal. Esta “perda” de peso, invariavelmente é o motivo do descontentamento daqueles pecuaristas menos atentos, portanto este diferencial deve ser considerado ao calcular o rendimento.

O rendimento de carcaça é dado por (Peso da carcaça/Peso vivo)*100. Por exemplo, se o animal antes de ser embarcado na fazenda pesou 460 kg sem o jejum, e a carcaça no frigorífico pesou 230 kg, este animal terá um rendimento de 50 % baseado no peso cheio.

Porém se o mesmo animal for pesado após 16 h de jejum pré abate, e considerarmos um “esvaziamento” de 6 %, o peso deste animal será de 423 kg, e o peso da carcaça vai continuar sendo 230, assim o rendimento da carcaça será de 53 % baseado no peso vazio.

Ao pesar animais na fazenda o produtor pode usar descontos para estimar o peso de carcaça e o rendimento aproximado, usando fatores de 6 e 4 % para animais de pasto e confinamento, respectivamente. Estes valores podem ser maiores ou menores em função da oferta ou não de água, e da adaptação dos animais ao curral.

Elaborado pelo Compre Rural com informações do Beef Point

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Zootecnista pela Universidade Federal de Viçosa MBA em Gestão de Projetos pela UNIUBE, idealizador do projeto Tecnologia para o Agronegócio. Possui base técnica e experiência de campo em propriedades de corte e leite. Sócio-Diretor do Compre Rural. (62) 996441746 thiagorp100@gmail.com