Frio impacta mercado boi e preços recuam

PARTILHAR
@fernando.bessa.fb

Impactado pelo clima frio em importantes regiões produtoras, preços recuam com pressão da indústria e o menor poder de retenção da boiada gorda.

O mercado físico de boi gordo registrou preços pouco com pressão de queda nesta quinta-feira, 19, e com isso, quedas foram observadas em algumas regiões. O ambiente de negócios ainda sugere a continuidade do movimento de queda nos preços da arroba. Impactado pelo clima frio em importantes regiões produtoras, preços recuam com pressão da indústria e o menor poder de retenção da boiada gorda.

Este cenário, ainda considera-se o bom volume de animais ofertados no Centro-Sul durante esta semana, o que garante uma posição confortável para as escalas de abate da maioria dos frigoríficos.

“O embargo imposto pela China em alguns frigoríficos ainda gera ruídos em algumas regiões do país, aumentando a pressão de queda nesses estados. É exatamente o caso de Mato Grosso, que concentra o maior volume de unidades frigoríficas embargadas”, diz Iglesias.

O preço para o boi China recuou para o patamar de R$315,00/@. Segundo o App da Agrobrazil, pecuarista de Rancharia, no interior paulista, registrou preço de R$ 315,00/@ com pagamento à vista e abate para o dia 27 de maio.

Já o Indicador do Boi Gordo CEPEA, registra uma queda acumulada de 6,97% na comparação mensal. Desta forma, os preços seguem no patamar de R$ 311,50/@. A cotação em dólar, ainda segundo a instituição, ficou apregoada a US$63,39/@. Confira o gráfico abaixo!

Segundo o App da Agrobrazil, a média do valor da arroba na praça paulista fechou o dia com a média ficando cotada a R$ 309,29/@. Estabilidade para as praças de Goiás, Mato Grosso do Sul e Mato Grosso, que estão sendo cotadas a R$ 278,14/@, R$ 282,81/@ e 297,40/@, respectivamente.

Segundo os dados divulgados no Boletim Diário da Agrifatto, “apesar momento de maior oferta de animais prontos para abate, o mercado físico do boi gordo paulista, o animal seguiu sendo negociado em média à R$ 305,00/@ em São Paulo. Na B3 o movimento continuou em desvalorização, o futuro com vencimento para mai/22 encerrou o dia cotado a R$ 314,70/@, com uma variação de -1,32% no comparativo diário”, apontou a consultoria.

“O mercado apresentará maior propensão a reajustes no período de transição entre safra e entressafra de boi gordo, com um quadro de oferta melhor ajustado”, disse.

Giro do Boi Gordo pelo Brasil

  • Na capital de São Paulo, a referência para a arroba do boi ficou em R$ 315.
  • Em Dourados (MS), a arroba foi indicada em R$ 284.
  • Em Cuiabá (MT), a arroba ficou indicada em R$ 282.
  • Já em Uberaba (MG), os preços ficaram em R$ 285.
  • Em Goiânia (GO), a indicação foi de R$ 280 para a arroba de boi gordo.

Atacado

No mercado atacadista, os preços da carne bovina ficaram estáveis. Segundo Iglesias, o ambiente de negócios volta a sugerir queda de preços no curto prazo, avaliando a reposição mais lenta entre atacado e varejo durante a segunda quinzena do mês, período que conta com menor apelo ao consumo.

Além disso, o padrão de consumo delimitado para o ano de 2022 não apresenta mudanças, com o consumidor brasileiro ainda optando por proteínas que causem menor impacto na renda média.

O quarto traseiro seguiu com preço de R$ 23,20 por quilo. O quarto dianteiro manteve o patamar de R$ 16,20 por quilo. A ponta de agulha seguiu precificada a R$ 16,30 por quilo.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.