Leite: produtor precisa ter cautela ou terá prejuízo

PARTILHAR

Custo de produção de leite, segue em elevação com alta de 39% nos últimos 12 meses encerrados em junho. O concentrado subiu 68% no mesmo período.

O setor lácteo passa por um momento complicado em termos de margens, custos altos, e dificuldade para repasses de preços. É o que aponta a análise do Centro de Inteligência do Leite, da Embrapa Gado de Leite.

Especialistas do setor entendem que o momento é de cautela e de apostar na boa gestão de custos. O último leilão da Global Dairy Trade, de 06 de julho, indicou novo recuo nos preços dos lácteos, com o leite em pó integral cotado a US$ 3.864/ton., 4,9% menor que em início de junho. Esse recuo está relacionado a maior oferta de leite de países exportadores, em virtude de crescimento da produção no primeiro semestre do ano nos Estados Unidos, Nova Zelândia, Argentina e Uruguai.

No Brasil, o custo de produção de leite, representado pelo ICPLeite/Embrapa, segue em elevação, com alta de 39% nos últimos 12 meses encerrados em junho. O concentrado subiu 68% no mesmo período.

O milho, que vinha com preços em elevação, registrou recuo ao longo de maio em função da valorização cambial naquele mês e da maior oferta no mercado interno. O clima frio com geadas no Paraná, São Paulo e parte do Mato Grosso do Sul em junho, causou perdas adicionais à safrinha, prejudicando ainda mais a oferta do cereal, que já tinha sido afetada negativamente por um plantio tardio e clima seco.

O resultado foi que as cotações voltaram a subir em julho. O farelo de soja, também com trajetória declinante de preço, reverteu a direção no início de julho, após a desvalorização mais recente do real frente ao dólar. Dessa forma, não há, neste momento, alívio em custo de produção.

Em termos de produção de leite, neste período já há um crescimento na safra da região sul que tradicionalmente coloca um certo freio nas cotações. Sudeste e Centro-Oeste, por outro lado, seguem com produção mais baixa, ajudando na sustentação dos preços.

A produção de leite, mais fraca na entressafra, deu fôlego aos preços do produto, que registraram alta ao produtor em junho e julho. Isso ajudou um pouco na melhoria das margens do produtor, mas que continuam pressionadas pela alta nos custos de produção.

No mercado atacadista de derivados lácteos houve valorização a partir de maio, em razão da menor disponibilidade interna de leite. O leite UHT em São Paulo passou de R$3/litro no início de maio para R$3,60/litro em meados de junho.

Movimento parecido de valorização ocorreu no queijo muçarela, saindo do patamar de R$22/kg para R$28/kg no mesmo período. Nas últimas duas semanas, no entanto, o mercado atacadista perdeu fôlego, com UHT a R$2,50/litro e queijo muçarela a R$27/kg, mostrando alguma dificuldade para novos repasses. 

Com informações da Embrapa.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.