O que todo encarregado de confinamento deve saber

O que todo encarregado de confinamento deve saber

PARTILHAR
confinamento-monte-alegre
Foto: Confinamento Monte Alegre

O encarregado do confinamento deve garantir a otimização de todo o sistema de engorda, veja o que o encarregado de confinamento deve saber!

Os desafios são vários para orientar o encarregado do confinamento a garantir uma operação de preparo e distribuição de trato, otimizando com qualidade os insumos disponíveis, bem como melhorar sempre o manejo de forma geral.

Nesse texto você vai conferir o manual básico para começar a sua operação de uma forma a garantir bons resultados da estratégia de engorda e entender quais os pontos da vistoria diária são fundamentais para essa operação.

1. Conscientização do propósito

Uma das lacunas mais importantes dentro de um confinamento é a equipe que nele trabalha. De nada adianta ter uma estrutura com tecnologia de ponta se não tiver um bom time, que seja engajado e tenha um propósito único, ENGORDAR BOI!

É esse time que fará com que todas as operações planejadas sejam cumpridas. Mas engajar pessoas nunca foi fácil, é uma tarefa árdua e diária da liderança. Os desafios são muitos para engajar pessoas, mas por onde começar?

Definindo o papel de cada um na operação

Primeiro comece conscientizando cada membro da equipe sobre o seu papel na operação. Cada “jogador” da equipe deverá ter bem claro quais serão suas tarefas nos detalhes, e para cada uma das tarefas devemos explicitar a importância dela e quais os impactos.

Por exemplo um cocheiro, deverá descartar as sobras de ração quando necessário e lavar os bebedouros diariamente, e a importância dessa tarefa deverá ser explicada a ele e a todos do time.

Todos devem ter essa consciência, pois se algum jogador do time encontrar algo errado, o jogador da posição poderá ser acionado com mais agilidade, ou até mesmo outro jogador poderá intervir se necessário.

Caso a liderança tenha que chamar no rádio algum cocheiro para lavar um bebedouro por exemplo, o time já “tomou gol”, menos 0,2kg de GMD na conta.

Para o exemplo em questão, podemos dar vários feedbacks, um deles é explicar aos envolvidos que para o boi consumir 1 kg de matéria seca (1 kg ração para ficar mais claro para entendimento da euipe), ele consome em média 5 litros de água.

Portanto, se não tiver bebedouro com água limpa, não haverá consumo adequado de água e por consequência de matéria seca (ração), impactando diretamente no desempenho do animal e na rentabilidade da operação.

Assim, devemos fazer o mesmo com os componentes da equipe, seja qual for sua tarefa.

Reuniões de alinhamento do time

Realize reuniões diárias de alinhamento. Essas reuniões devem ser breves (máximo 10 minutos) e todos devem participar. Alinhe sobretudo os resultados alcançados e mostre os gráficos de gestão à vista com os principais indicadores ocorridos no dia anterior.

Envolva a equipe, solicite sugestões de melhorias, corrija sempre no individual e elogie sempre em público. Receber reconhecimento é uma das principais formas de energizar e manter as pessoas motivadas.

Toda conquista (mesmo que pequena) deve ser comemorada, sempre focando no propósito, que é ENGORDAR BOI.

2. Insumos: Quantidade e qualidade

Os insumos do confinamento que fazem parte da dieta, ou seja, os ingredientes da ração, devem ter atenção especial. Saber a quantidade de insumos que serão utilizados, saber o estoque de cada um, preço no mercado e disponibilidade na região é muito importante para uma operação de confinamento.

Uma boa dieta é aquela que faz o boi “dar dinheiro”, e toda formulação deve levar em conta não só a melhoria zootécnica, mas financeira também. Diariamente todos os insumos devem ser supervisionados, primeiro para conferir o estoque físico e comparar com o estoque virtual (software e/ou planilhas).

Segundo e não menos importante é importante avaliar a qualidade dos insumos, se possui bolor, umidade, se já está fermentado, se o insumo é adequado ou não para o consumo.

Isso impacta até mesmo na demanda de insumo planejada. Perdas são inevitáveis, mas podemos minimizar. Para que a dieta fique balanceada, ter disponibilidade de alimentos de qualidade é essencial.

Essa é uma das premissas básicas antes de todo o desafio de carregar os ingredientes no vagão de forma correta, realizar as misturas e distribuir no cocho, que é o “prato do boi”.

3. Maquinários: Conserve “suas panelas”

Se o cocho é o “prato do boi”, podemos fazer um paralelo de que os maquinários são as “panelas”, pois são os maquinários que fazem toda a receita da dieta acontecer na prática.

Colocar no cocho a dieta que foi formulada é um grande desafio. Podemos dizer que existe a dieta formulada, a dieta batida, a dieta servida e a dieta consumida.

Portanto esse quesito é muito importante, além das pessoas engajadas ter maquinários que estejam em condições plenas de uso é fundamental para garantir a máxima aproximação da dieta formulada, bem como garantir a “boia” da boiada no cocho.

4. Rotina de um confinamento: “Via Conf

Certa vez, em uma conversa com um Supervisor de Confinamento, o mesmo comentou que a rotina de confinamento chega a ser uma Via Crucis! Será? Traduzindo o que a palavra religiosa significa, é o Caminho da Cruz, onde Jesus percorreu antes de ser crucificado, via dolorosa.

Comparações à parte, sabemos que nem de perto uma rotina de qualquer segmento é tão dolorosa quanto a do Cristo, por pior que seja. Mas quando temos as rotinas bem estabelecidas e bem planejadas, ela se torna prazerosa, o engajamento da equipe é certo, e no final da safra os bons resultados são alcançados.

Cada confinamento tem uma rotina única, por mais semelhante que sejam, não existe uma receita. Então para ilustrar uma rotina, vou colocar de forma que um supervisor faça uma reflexão e use os questionamentos para verificar se as rotinas estão todas “de pé”.

Perguntas que todo encarregado de confinamento deve saber responder.

Estratégia da fazenda

A estratégia da empresa está definida, você já foi alinhado dos planos táticos do confinamento e da empresa?

Já sabe quantos bois vai abater no ano, qual a quantidade por curral e por linha, quantos giros serão necessários e quais categorias serão engordadas, e quanto tempo de cocho cada uma vai ficar? Já tem os pesos metas de entrada e os pesos metas de saída (embarque)?

Alimentos

As dietas já foram definidas e formuladas? Serão quantos tratos e qual % do volume total em cada trato? Os insumos já estão cotados? Os núcleos e as moléculas a serem utilizadas também já foram definidos? O que vamos utilizar como fonte de proteína verdadeira? Você possui algum produto proteico em estoque, que sobrou da última safra (segundo giro)?

Calcário, cloreto de potássio, sal branco, ureia necessitam de compra imediata ou possui estoque?

Quantas sacas de milho serão necessárias para utilizar na safra atual? Quantas delas serão compradas e quantas serão colhidas? Quantas já temos em estoque? E a necessidade de volumoso, já sabe a previsão de quantas toneladas de matéria seca vai colher por pivô? E nos sequeiros? Vai colher o pivô pra volumoso ou para grão?

A equipe está treinada para confeccionar a silagem? Quando ela deve ser confeccionada? Possui maquinário necessário para colher e compactar? Vai adquirir serviços de terceiros para a colheita? Qual o valor por tonelada colhida ou por hectare? Já sabe qual o tamanho da partícula ideal para o corte? Vai utilizar inoculante? Qual? Sabe o custo com e sem inoculante?

Seu maquinário para compactação corresponde a 40% do peso da quantidade de produto que chega por hora para ser compactado? A angulação da compactação está ocorrendo em 45°? Seu maquinário é filipado? Quem será o responsável por acompanhar a operação de ensilagem e supervisionar? Quanto vai consumir de combustível?

Qual a necessidade de volumoso para o sequestro de bezerros? Qual forrageira vamos utilizar? Qual a quantidade de matéria seca em toneladas vamos produzir em cada talhão? O material ensilado ficou frouxo ou bem compactado?

Vamos utilizar volumoso de baixa qualidade ou de ótima qualidade? Já sabe qual é a análise bromatológica do volumoso em estoque? Quantas análises de matéria seca da silagem são feitas por dia? Na mudança de silos é realizada a transição de adaptação à nova silagem? Fez análise para micotoxina? Se houver micotoxina, vai utilizar ou não o volumoso? Já sabe a necessidade de adsorvente por animal para utilizar esse volumoso? Qual o valor da tonelada e por animal quando utilizamos o adsorvente?

Vai valer à pena utilizar algum subproduto energético no lugar do milho ou utilizar em partes para engordar a boiada? Qual a capacidade de estoque de insumos concentrados nos boxes? Vai estocar no pátio ou no galpão, ou em silo bag?

Está chovendo? Como você vai proteger o insumo em caso de chuva?

Como foi planejada a entrega dos insumos, foi feita a conta da capacidade de estocar com a capacidade de consumir? O fornecedor consegue entregar de acordo com a necessidade do confinamento? A umidade dos insumos está sendo medida ao chegar na fazenda? Está muito distante da umidade declarada pelo fornecedor?

Água

Qual é a sua fonte de água? Poço artesiano, represa ou rio? Já fez análise da água no confinamento? Sabe quais são as consequências de uma água de baixa qualidade? A fonte de água é próxima às lavouras? Quais são as análises que devem ser feitas? O reservatório é coberto ou protegido?

Os bebedouros são limpos diariamente? Qual a capacidade dos bebedouros? Quantos animais tem acesso à um bebedouro? Os bebedouros são compartilhados entre currais (baias)?

Estrutura física do confinamento

Os currais de confinamento (baias) já estão limpos e cascalhados? As pedras de afloramento do cascalho já foram retiradas dos currais? O que é feito com os resíduos, de lama e esterco, o confinamento possui compostagem? As cercas estão com a manutenção em dia? O choque das cercas está funcionando corretamente?

Como estão a qualidade dos cochos? As cordoalhas estão firmes? Como está a inclinação dos currais em relação a drenagem em caso de chuva? O escoamento para as lagoas de decantação está acontecendo corretamente? Como estãos os canais de drenagem? Como está funcionando a aspersão? Ela possui programação de molhada? Os bicos aspersores estão entupidos ou rodando normalmente? O filtro do aspersor está sendo limpo todos os dias? Como está a captação da água?

As pistas de trato estão planas, ou precisam ser cascalhadas? Os bebedouros estão precisando de reparo? E as boias dos bebedouros? A captação de água está correta? O reservatório de água precisa de algum reparo?

Os silos trincheira estão com a manutenção em dia para receber volumoso para ensilagem? E os pátios para silos de superfície, estão planos e limpos, ou precisam de cascalhar? Como estão os currais de manejo, precisam de manutenção no curto prazo? O reservatório de melaço está com a manutenção em dia?

Fábrica de ração

A fábrica recebeu manutenção prévia para a nova safra de confinamento? Qual a capacidade de produção diária de pré-mistura? Quantos tipos de pré-mistura consigo produzir, estocar e fornecer?

Qual o tempo de mistura? Esse tempo está sendo supervisionado? Os chupins dos silos externos estão funcionando corretamente? O silo possui uma boa identificação dos produtos na hora de carregar no vagão?

Se acabar a energia, possui alguma fonte para dar sequência na execução? Qual a fonte, um motor ou um gerador? Qual tipo de combustível utilizo nesse motor? Possui combustível no tanque do motor? Possui combustível em estoque? A bateria desse motor está ok? Quem é o responsável por realizar manutenção?

Se o motor parar como será feito o fornecimento de pré-mistura nos vagões? Tem pré-mistura estocada em bag? Qual pré-mistura está estocada? 

Quantos moinhos possui? Qual a capacidade de cada um deles em moer milho por hora? Qual a capacidade diária de moagem da fábrica?As peneiras dos moinhos estão com alguma avaria? Quais peneiras foram definidas para serem utilizadas na moagem? Possui peneiras reservas? Como estão os martelos dos moinhos, precisam de troca? A equipe da fábrica está treinada e engajada? Estão utilizando EPI corretamente? 

A fábrica produz produtos para consumo à pasto? Como está definida a produção de produtos de confinamento e pasto? A gestão do estoque de produtos está sendo feita de maneira correta? Qual o prazo de segurança para solicitar a compra de mais insumos? 

O balanção está funcionando corretamente? Quem são os responsáveis pelas pesagens de insumos? Quem são os responsáveis pela entrada e saída no controle de estoque?

Saúde e bem-estar animal

Qual a característica do rebanho, anelorado, cruzado de cupim, cruzamento industrial ou cruzado leiteiro (nuca reta)? Como é feita a apartação? Por peso, por era, por frame e por raça? Quais são as vacinas e vermífugos a serem utilizados? O período e o manejo de adaptação já estão definidos? Os animais recebem aclimatação? Quais serão os horários dos tratos? Quem faz a ronda sanitária? A equipe está atualizada com a reciclagem de ronda sanitária? Como será feito o manejo para os “refugos de cocho”? 

Quais os horários das molhadas da aspersão? Possui sombrite? Qual medida irá tomar no caso extremo de sodomia? Em caso de animais com problemas no casco será feita intervenção veterinária? Como está a amplitude térmica na região? O confinamento realiza testes de OPG e OoPG dos animais, ao menos com os animais que se encontram debilitados ou com performance abaixo do esperado? Quantos animais são alocados por m2? Qual espaçamento de cocho por cabeça? No caso de infestação de moscas, o que fazer? Pulverizar ou colocar armadilhas? Quais são os protocolos de entrada e saída no confinamento?

Leitura de escore de cocho com o Prodap views

O boi no pasto possui dois horários de pico de consumo, início da manhã e final da tarde. No confinamento os horários de trato e suas porcentagens são definidos com base nesse comportamento natural do bovino, para um melhor aproveitamento da ração ofertada no cocho.

Portanto para rotina de leitura de escore de cocho, sempre leve em consideração a região (fuso-horário). Os escores devem sempre acontecer de maneira que não prejudique a rotina, sempre nos mesmos horários diariamente, de modo que o primeiro trato deverá acontecer até 1:30 após o nascer do sol, para todos os currais.

Uma informação muito importante, é que em determinadas épocas do ano o nascer e pôr do sol ocorrem em horários diferentes. O início do solstício de verão ocorre em 21 dezembro (dia mais longo do ano) e o equinócio da primavera 21 de junho (dia mais curto do ano).

Assim como, do dia 21 de junho até 21 de dezembro, o dia ganha 1 minuto a mais de sol, e de 21 de dezembro a 21 junho ele perde 1 minuto de sol.

Quem são os responsáveis pela leitura de escore de cocho? Os responsáveis estão treinados? As sobras são reutilizadas ou descartadas? As sobras são pesadas diariamente? Quem faz o ajuste do trato? Qual a metodologia utilizada?

Nesse contexto, a operação do confinamento é considerada uma operação de guerra, onde todos devem se preparar para tal.

Fonte: PRODAP

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com