Produtores fazem greve contra baixo preço do leite

Produtores fazem greve contra baixo preço do leite

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Começou nesta segunda-feira (1) uma greve, onde os produtores estão deixando de entregar leite para os laticínios em protesto contra os baixos preços. 

Produtores de leite da região Oeste de Mato Grosso, que engloba 20 cidades que vão de Porto Esperidião a Nova Lacerda, começaram nesta segunda-feira (1) uma greve, deixando de entregar leite para os laticínios em protesto contra os baixos preços. 

Segundo alguns produtores, a greve já era para ter ocorrido em março, depois abril, mas foi adiada devido à pandemia. Os laticínios chegam a pagar até 90 centavos pelo litro, preço que é considerado muito baixo, tendo em vista que em outras regiões do estado as empresas pagam até R$ 1,25.

“Não podemos aceitar isso. Estamos pagando para trabalhar. Pagar 90 centavos é muito injusto. Como todos estavam aceitando entregar lete por esse preço, não tinha acordo. Mas agora que paramos, só vamos voltar a entregar o leite novamente se houver reajuste do preço”, disse José Carlos, que faz parte do grupo Beba Mais Leite, de Conquista D’Oeste.

Para o produtor, os preços oferecidos seriam uma falta de respeito com a classe produtiva. Segundo ele, os laticínios culpam a pandemia pelo valor pago, porém a diferença de preço já ocorreria há mais tempo.

“O produtor tem respeito ao próximo e não paralisamos mês passado por conta da pandemia. Mas os laticínios não tiveram respeito para com o produtor de leite. Desde janeiro de 2019 estamos recebendo 0,15 centavos a menos que o restante do MT e em plena Pandemia abaixaram mas 0,15. Chega, o produto é nosso vendemos e entregamos a quem quisermos e quando quisermos”, comentou.

Segundo Zé Carlos, cada produtor tirou leite hoje apenas para fazer queijo ou alimentar animais, mas não para entrega nos laticínios.

A reportagem procurou o Sindicato dos Laticínios de Mato Grosso (Sindlat) e falou com o presidente da instituição, Leonir Chaves, que falou que irá buscar um entendimento com a categoria e com os produtores.

“Estamos em pandemia e distribuindo pouco para os mercados e outros locais, como restaurantes, pizzarias, lanchonetes, mercados. Agora que outros estados estão voltando ao normal. Nossa medida é São Paulo. Tem laticínio aqui que distribui pra lá. Por isso medimos por lá. Então, temos que ter um entendimento e buscar conversar com todos para ajustar isso. De fato, 90 centavos é pouco. Mas vamos ouvir os lados”, disse o presidente.

Com informações do Olhar Direto.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com