Recorde: Arroba chegou a R$ 210 e pecuarista comemora!

Recorde: Arroba chegou a R$ 210 e pecuarista comemora!

PARTILHAR
Confinamento e Boitel VFL BRASIL. Foto: Marcella Pereira Leia mais em: https://www.comprerural.com/wp-admin/edit.php

Seguindo a tendência que era esperada para a semana, o preço da arroba bateu recorde para o período e atingiu o valor de R$ 210; Confira!

O mercado do boi gordo parece ter deixado de lado o período histórico de transição safra-entressafra. O cenário é de escascasses de boiada pronta para o abate, seguido de uma maior demanda no mercado exportador com a China representando mais de 50% do destino da carne brasileira. Nessa atoada , pecuaristas estão comemorando o preço recorde para o período, segundo o app da Agrobrazil, a arroba atingiu R$ 210. Confira!

“Com a forte demanda externa, principalmente a China, os frigoríficos exportadores ainda se posicionam de forma ativa nas aquisições de gado e, com o real desvalorizado frente ao dólar, conseguem pagar preços melhores por esses novos lotes, mantendo boas margens”, destaca a FNP.

A rapidez na informação é cada vez mais decisiva para as negociações em um mercado incerto como o momento vivido no mercado do boi. Diante disso, pecuaristas que acompanham o app da Agrobrazil, conseguem obter informações valiosas que podem fazer a diferença no momento da negociação.

Informada em primeira mão hoje, a negociação recorde veio de Santa Cruz do Rio Pardo/SP, onde pecuarista informou preços de R$ 210/@ com prazo de três dias para pagamento e o abate programado para o dia 08 de junho. Lembrando que, conforme imagem abaixo, são animais com destino a exportação.

Duas coisas chamam atenção nessa negociação, a menor tempo de escala de abate e o preço “à vista” que foram negociados os animais. Frigoríficos que estão habilitados a exportação estão, cada vez mais, trabalhando com escalas de abate curta e oferecendo preços melhores para garantir os animais em meio ao apagão de bois que aconteceu nesse período.

Essa possível alta foi anunciada pelo Compre Rural, na sua análise de perspectiva do mercado para a semana. O cenário é favorável para o pecuarista nesse momento, entretanto, é preciso ficar atento a incerteza que também está atrelada a forte dependência da China.

Giro pelas praças

No Mato Grosso do Sul, os preços subiram nesta quarta-feira em função da oferta restrita de gado terminado e da atuação ativa nas aquisições de novos lotes por parte de frigoríficos paulistas, que atendem à aquecida demanda do mercado internacional pela carne bovina brasileira.

Na região Sul do País, a baixa disponibilidade de animais prontos no mercado, mesmo com a aproximação do inverno, deu suporte para valorização da arroba nesta quarta-feira. No Rio Grande do Sul, após uma forte estiagem desde o início do ano, a umidade na região tem registrado bons níveis, dando suporte para a pastagem de inverno e retenção de animais. Os preços da boiada gorda subiram no RS.

No Paraná, as cotações também registraram fortes ajustes positivos nesta quarta-feira. Com a retomada das compras de players internacionais como Israel, os frigoríficos do Estado atuaram de forma ativa nas compras de boiada gorda para conseguir preencher as programações de abate, o que, somado à oferta restrita de gado, deu suporte para a valorização da arroba, relata a FNP.

No Pará, algumas plantas pesquisadas alegaram a saída da China nas compras de carne bovina do Estado. Com a valorização do real frente ao dólar, o país asiático tenta renegociar os valores pagos no produto brasileiro, informa a FNP. Apesar disso, a qualidade das pastagens no Estado tem dado suporte para retenção do gado nas propriedades e os pecuaristas conseguem especular preços mais altos pela arroba.

De forma semelhante, na Bahia, com o registro de chuvas nos últimos dias, houve diminuição na oferta de animais terminados no mercado, o que promoveu ajustes positivos nos valores pagos nos negócios de boiada gorda.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com