Cachaça agora tem sommelier e cresce no Brasil

PARTILHAR
Com reconhecimento da profissão de sommelier de cachaça e crescimento do número de produtores, bebida ganha fôlego no Brasil
Foto: Divulgação

Com reconhecimento da profissão de sommelier de cachaça e crescimento do número de produtores, bebida ganha fôlego no Brasil

A palavra sommelier nunca esteve tão em alta como agora. O termo de origem francesa se popularizou graças ao uso em massa nas redes sociais. A palavra era utilizada para classificar os trabalhadores responsáveis por transportar as pipas de vinhos para os castelos na Idade Média e, posteriormente, passou a denominar especialistas de vinho que trabalham em restaurantes. Hoje, ela é usada para dizer que determinada pessoa detém pleno conhecimento sobre algum assunto específico. Apesar de sua origem estar ligada ao universo dos vinhos, o termo também é bastante utilizado por profissionais de uma bebida tipicamente brasileira e bastante popular: a cachaça.

O sommelier de cachaça tem conquistado cada vez mais espaço no país, e a atividade a partir desse ano passa a ser oficialmente reconhecida pelo Governo Federal como profissão. Esse reconhecimento faz parte de um trabalho de revisão das atividades profissionais do Brasil, feito pela Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (FIPE) e pelo Ministério da Economia. O reconhecimento é um passo extremamente importante para o setor, que segue em crescimento no país.

O número de estabelecimentos produtores de Cachaça e de Aguardente registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), cresceu 4,14 % no último ano. O número em 2020 foi de 1.131 e em 2019, de 1.086. “Antes, a cachaça carregava um certo preconceito, as pessoas acreditavam que era uma bebida muito forte e de produção duvidosa, então o trabalho do sommelier de cachaça ser reconhecido no Brasil como uma profissão é essencial, já que o profissional é um dos responsáveis na luta pela valorização da bebida no país”, explica o sommelier de cachaça Rafael Araújo.

Bacharel em direito, Araújo vinha construindo uma carreira jurídica especializada em direito imobiliário e já alcançava a estabilidade e segurança em sua atividade. Porém, a paixão pelas cachaças falou mais alto, e ele decidiu mudar de rumo. Seu sonho era contar as histórias de todas as cachaças do Brasil aos consumidores da bebida. Para conseguir se tornar um sommelier de cachaças, Rafael desvendou os segredos de produção, viajou por quase todos os estados produtores e degustou mais de dois mil rótulos.

“Hoje há cursos completos para quem quer se tornar sommelier de cachaça, então o segredo é estudar bastante sobre o universo, pesquisar sobre o setor, buscar referências, e, claro, degustar todos os tipos de aguardente disponíveis no mercado”, afirma Araújo. Entre as funções desempenhadas por um sommelier de cachaça estão as de auxiliar os clientes de um estabelecimento na hora de escolher os rótulos, organizar e elaborar cartas de cachaça e orientar degustações.

cachacaria-nacional-fatura-r-320-mil-por-mes-e-preve-crescimento-de-150
Foto: Divulgação

Conforme Rafael foi se aprofundando nesse universo, ele percebeu que muitos consumidores tinham dificuldade em encontrar bebidas diferenciadas e com qualidade, assim como os fornecedores, que também não conseguiam vender seus rótulos em lojas conceituadas ou conhecidas. Foi então que em 2010 Araújo decidiu, junto com o empreendedor Marcos Paolinelli, criar a Cachaçaria Nacional: a maior loja de cachaças online do mundo e com mais de 2000 rótulos disponíveis.

“Nessa época, as pessoas só conseguiam comprar cachaças industrializadas, pois era a única opção encontrada com facilidade, então a loja foi criada para ajudar tanto o consumidor como o produtor, pois não existia nada nesse sentido no Brasil”, diz o empreendedor. Além da loja, Araújo decidiu criar a própria marca de cachaça, batizada com o seu próprio nome. “Quanto mais eu conseguir disseminar a história da cachaça no Brasil, maior será minha sensação de dever cumprido”, finaliza o empreendedor.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com