Startup inglesa vai transformar poluição em ração de gado

PARTILHAR
Startup inglesa vai transformar poluição em ração de gado
Foto: Ilustrativa

Startup inglesa já arrecadou mais de R$ 50 milhões para construir uma planta piloto para transformar dióxido de carbono em ração para o gado

A startup Deep Branch do Reino Unido garantiu fundos de patrocinadores, incluindo a gigante francesa do petróleo Total SE, para seu plano de transformar as emissões de dióxido de carbono (a polui em alimentos para galinhas, peixes e porcos. Os transportes são responsáveis por quase 30% das emissões de dióxido de carbono na União Europeia, 72% dos quais vêm dos transportes rodoviários

A empresa usa um processo de fermentação semelhante à vinificação ou decapagem, exceto que os micróbios se alimentam de CO₂ e hidrogênio em vez de açúcares. O resultado é um produto com 70% de proteína chamado Proton, que pode substituir as rações convencionais para gado, como farinha de peixe e soja. A dependência da indústria agrícola dos dois ingredientes foi associada ao esgotamento dos estoques de peixes selvagens e causou o desmatamento em grande escala.

“Podemos ter preços competitivos com esses ingredientes sem prejudicar o planeta”, disse o CEO Peter Rowe em uma entrevista. “Não é apenas uma forma de produzir proteína onde você não precisa de terras agrícolas e desmatamento ou pesca excessiva, mas também porque a pegada de carbono total disso é extremamente pequena.”

A Deep Branch disse na terça-feira que arrecadou 8 milhões de euros (R$ 53.228.000,00 ) para um projeto piloto de expansão de sua tecnologia. O fundo de investimento Novo Holdings A / S e a DSM Venturing lideraram a rodada de financiamento, que também incluiu o Barclays Sustainable Impact Capital. Isso eleva o financiamento da empresa para cerca de 13 milhões de euros.

A startup é uma das várias que usam tecnologia de fermentação para desenvolver proteínas mais sustentáveis. A Air Protein, dos Estados Unidos, e a Solar Foods, da Finlândia, estão trabalhando na conversão de gases em alimentos, enquanto na Índia, a String Bio recicla metano em proteína para animais.

Deep Branch diz que seu processo produz 90% menos emissões de carbono do que teria sido gerado por métodos agrícolas tradicionais. A maior parte de suas emissões se deve ao uso de amônia, que fornece o componente nitrogênio de suas proteínas. Atualmente, a amônia é normalmente produzida a partir do gás natural em um processo intensivo em carbono, mas as empresas estão trabalhando em maneiras de fabricar o gás sem causar emissões.

A empresa usa um processo de fermentação semelhante à vinificação ou decapagem, exceto que os micróbios se alimentam de CO₂ e hidrogênio em vez de açúcares.Fonte: Deep Branch

A startup tem um acordo com a produtora de energia britânica Drax Group Plc para usar resíduos de dióxido de carbono capturados em sua usina de bioenergia. O Deep Branch essencialmente recicla as emissões que causam o aquecimento do planeta, transformando-o em alimento, uma vez que eventualmente será liberado no ar novamente após o consumo da proteína. Mas a abordagem reduz a poluição geral necessária para criar gado, evitando o desmatamento e reduzindo os combustíveis fósseis necessários para a fabricação de fertilizantes que, de outra forma, seriam usados.

“Está retirando o dióxido de carbono residual e criando um produto valioso com benefícios de sustentabilidade agradáveis”, disse Cindi Choi, diretor-gerente da Carbon Neutrality Ventures da Total, que apóia startups que apóiam um futuro de baixo carbono.

A Deep Branch também está desenvolvendo alimentos aquáticos com a Biomar Holding A / S e trabalhando em rações para aves com a AB Agri Ltd. Uma fábrica em escala comercial está planejada na Europa para 2023.

Traduzido pela Compre Rural, fonte bloomberg.com

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.