Tecnologias que permitem uso sustentável do solo estão em alta

PARTILHAR
Foto: Ronaldo Rosa

Distribuidora de insumos leva agenda ESG para o agro, tem adesão dos agricultores e estima faturamento de R$ 250 milhões em 2021

As distribuidoras de insumos agrícolas trabalham com a expectativa de mais um ano de crescimento nas vendas de produtos para o plantio da safra 2021/2022, que está em andamento em várias regiões do país. Essa estimativa é amparada não só pelo bom momento vivido pela agricultura brasileira, que teve uma alta de 14,77% no PIB do segmento primário agrícola no primeiro trimestre de 2021, mas também pela mudança de posicionamento do setor em relação à parte ambiental.

O agricultor brasileiro está apostando mais em tecnologias, como a agricultura regenerativa, para atender às atuais demandas do consumidor, que tem cobrado uma produção de alimentos ambientalmente correta e socialmente justa. “Não dá mais para produzir sem se preocupar com a saúde do solo. É preciso preservar a terra, que é o motor de tudo. Não adianta adotar ferramentas financeiras, comprar as melhores sementes, se não adotar tecnologias de regeneração do solo”, assegura César de Oliveira, CEO da Cultura Agromais, distribuidora de insumos que atende mais de 20 municípios mineiros nas regiões do Alto Paranaíba e Triângulo Mineiro. A empresa estima um faturamento de R$250 milhões em 2021. Para os próximos cinco anos, a Cultura Agromais pretende atingir R$500 milhões em faturamento com a abertura de novas unidades em Minas Gerais.

A agricultura regenerativa atende ao propósito da empresa de levar uma agenda ESG (Environmental, Social and Governance) para o campo. “Estamos trabalhando com foco ambiental e sustentável, oferecendo soluções que cuidam da regeneração do solo. O agricultor brasileiro está cada vez mais consciente de que precisa investir em tecnologias, tais como as plantas de cobertura, que recuperam o valor do solo, garantindo um elevado potencial produtivo das culturas de forma sustentável e rentável”, explica Oliveira.

O cafeicultor Marcelo Montanari decidiu adotar a agricultura regenerativa em sua propriedade em Patrocínio/MG, visando a produção sustentável de café. “Estamos implantando em uma parte da fazenda, utilizando plantas de cobertura. É um desafio, pois estamos adotando uma tecnologia diferente da convencional, mas acredito que proporcionará uma sinergia muito boa com a lavoura de café”, conta Montanari, quarta geração à frente dos negócios, que vem recebendo orientação técnica da equipe da Cultura Agromais na adoção e aplicação da tecnologia.

Dentre os vários benefícios, as plantas de cobertura elevam o número de nutrientes no solo e ajudam a reduzir a incidência de plantas daninhas. Elas ainda sequestram carbono, ligado diretamente à fertilidade do solo, e são eficientes em manter e elevar os estoques de matéria orgânica na área de lavoura.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.