Entenda os motivos do AGRO ser tratado como vilão

Entenda os motivos do AGRO ser tratado como vilão

PARTILHAR
charge carlos latuff
Charge: Carlos Latuff

Escola de educação fundamental aplica teste mostrando o MST como mocinho e agricultor como vilão, exemplos de doutrinação ideológica nas escolas.

A imagem abaixo foi extraída de um teste aplicado na Escola de ensino infantil e médio na cidade de Formosa no estado de Goiás, na imagem podemos ver, retratada na charge do cartunista Carlos Latuff, os invasores do Movimento Sem Terra (MST) sendo tratados como “agricultores familiares” e o “agricultor do agronegócio” claramente sendo tratado como vilão em nosso país. Esse tipo de conteúdo não trata a realidade como ela é, ano após ano o agronegócio é quem move a economia do Brasil e a sustentabilidade, cada vez mais, tem sido objetivo perseguido pelo setor.

questao de prova em escola primaria
Reprodução / Redes Sociais

Prof. Nelson Lehmann da Silva, pioneiro na luta contra a doutrinação ideológica nas escolas comenta em um de seus artigos – “no Brasil, hoje, as noções transmitidas de política e cidadania estão flagrantemente contaminadas de conceitos marxistas, particularmente no ensino de nível médio. O que se ensina nas aulas de História, Sociologia, Geografia, e mesmo em Literatura ou Filosofia, não passa de doutrinação”.

“Na maioria dos Estados, a rede pública de ensino está sob controle de docentes sindicalistas, militantes partidários. Os textos escolares, quase sem exceção, empregam o vocabulário marxista, mesmo o mais ortodoxo, como “consciência de classe”, “luta de classes’, “modos de produção”, “exploração internacional”, “imperialismo americano” e a rotineira demonização do Capitalismo” finaliza Lehmann.

Alguns dados ainda apontam que atualmente 95% dos nossos alunos saem do ensino médio sem conhecimentos básicos em matemática, quase 40% dos universitários são analfabetos funcionais e 78,5% dos estudantes brasileiros finalizam o ensino médio sem conhecimentos adequados em língua portuguesa.

Verdade sobre o agronegócio

“Contrariando essa ideologia, nunca se falou tanto em sustentabilidade e bem-estar animal na Pecuária brasileira, os pecuaristas tem buscado incansavelmente melhorias pois sabem que animais bem tratados são mais produtivos, organizações como o WWF anunciaram recentemente que o Pantanal só está preservado graças à Pecuária” comentou Rafael Gratão do Movimento Nacional dos Produtores.

Adriane Zart, uma das maiores autoridades do setor deixa claro “O bem-estar animal é extremamente necessário para o novo modelo de pecuária brasileira, os números e o mercado consumidor mostram isso, não existe um animal saudável se ele não for bem tratado, consequentemente animais doentes só trarão prejuízos ao pecuarista”.

“Muitos artistas que tem um grande público e voz ativa em suas redes sociais, também contribuem para essa demonização, muitas vezes sem o mínimo conhecimento do assunto faz duras críticas, sem ao menos entender o que se passa da porta pra fora do seu belo apartamento no Leblon” enfatiza Marcio Peruchi, editor do Compre Rural.

O país vem mostrando com ações concretas seu comprometimento com a responsabilidade ambiental intensificando e tecnificando seus processos. Recentemente a Nasa apontou que o Brasil usa 7,6% do seu território com lavouras, o Ministério da Agricultura considera que estes dados reforçam os cálculos da Embrapa sobre preservação na agricultura nacional. Um exemplo é a área ocupada pela soja no Cerrado brasileiro, a principal região de produção do grão no País, atingiu em 2017 a menor taxa de desmatamento dos últimos 16 anos é o que aponta um estudo inédito encomendado pela Abiove em parceria com a The Nature Conservancy e elaborado pela Agrosatélite, com base em imagens de satélite.

É preciso respeitar o trabalho de mais de 3 milhões de produtores rurais, respeito aos animais e principalmente o respeito a nobre missão de produzir carne, leite e grãos de qualidade para alimentar o mundo – um mundo que pede cada vez mais alimentos. Respeito a um setor que move economicamente um país. Respeito à população que não pode receber uma enxurrada de falsas notícias.

O Agronegócio continua trabalhando silenciosamente para que imagens como essa abaixo possam estar nos livros de nossas crianças – Marcio Peruchi.

agropecuária faz o Brasil voltar a crescer
Fonte: Jornal Estado de Minas

Artigo: Fazendeiro não é bandido!

Frangos não usam hormônios, e sim, genética

Nota oficial da escola

Formosa, 13 de setembro de 2018

“O Colégio dos Sagrados Corações vem, através desta, esclarecer sobre uma questão dada em avaliação escolar, no 3º Ano do Ensino Fundamental que se referia aos diferentes tipos de agricultura praticados em nosso país.

Sem nenhuma malícia ou intenção de ofender nenhum setor, foi utilizada uma imagem que provocou interpretação não pensada nem desejada pelas professoras.

Lançada em redes sociais, não se sabe com que intenção a questão tomou uma proporção inesperada. Portanto, queremos pedir desculpas a todos que se sentiram ofendidos com a imagem e dizer que valorizamos todas as formas e produção de bens, pois delas somos todos dependentes, e sabemos que o agronegócio é uma das mais importantes atividades para o desenvolvimento do país.

Parabenizamos e agradecemos aos que se dedicam a este nobre trabalho, promissor, porém tão árduo quanto o nosso.

Esperamos poder contar com sua compreensão, pois, em se tratando de seres humanos, somos todos passíveis de erros e os cometemos quando menos esperamos. Daí a necessidade de nos unirmos e, mais que criticar, ajudar-nos mutuamente para superarmos cada dia nossas dificuldades.

Gratos pela atenção, nos despedimos e nos colocamos á disposição, de quem o desejar para quaisquer esclarecimentos”.

-- conteúdo relacionado --

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Fundador e editor do Compre Rural, pós graduado em Consultoria Web, especialista SEO e aspirante a produtor rural.