Primeiro pivô do mundo à base de energia solar é lançado

Primeiro pivô do mundo à base de energia solar é lançado

PARTILHAR
Primeiro pivô do mundo a base de energia solar é lançado
Foto: Divulgação

Primeiro pivô do mundo acionado exclusivamente por energia solar é lançado no Brasil;  pivô é capaz de irrigar 96,4 hectares por uma média de 6 a 8 horas/dia

A primeira aplicação de pivô para irrigação alimentada 100% por energia solar fotovoltaica é brasileira. Com potência de 128 kWp, o sistema alimenta um pivô capaz de irrigar 96,4 hectares por uma média de 6 a 8 horas/dia.

A solução, desenvolvida pela Solbras e Valley, promete ampliar as áreas irrigadas, possibilitando o uso da tecnologia em locais sem acesso à rede elétrica. A inovação foi anunciada um mês após a aquisição da Solbras pela norte-americana Valmont, que também é dona da marca Valley.

“Estamos apresentando o fruto de um trabalho arrojado das duas empresas. Afinal, a potência envolvida no acionamento dos pivôs é alta e a fonte solar é intermitente, o que poderia tornar o funcionamento um pouco instável. No entanto, o dimensionamento correto do sistema fez com que o pivô entregasse todos os parâmetros exigidos para a irrigação”, afirmou Fábio Mucin, diretor de operações da Solbras.

A usina solar fornece energia para uma bomba horizontal que puxa a água de um reservatório e joga para o pivô. A ideia é garantir os parâmetros de pressurização do pivô e de velocidade das rodas com a utilização da energia solar. Com isso, assegura-se a lâmina de água e uma irrigação mínima durante o dia.

Primeiro pivô do mundo a base de energia solar é lançado
Foto: Divulgação

O produto é um complemento de portfólio com aplicações específicas, devendo ser utilizado em locais onde a logística de diesel é difícil e cara, já que a conjugação com outras fontes de energia alternativas pode ser uma opção para permitir a constância da irrigação, principalmente em dias nublados.

Esta nova solução, que usa energia solar como única fonte, passa a integrar o portfólio da Valley e da Solbras, que atuam no mercado de geração distribuída on-grid (conectado à rede elétrica) e off-grid (sem rede elétrica) com combinações de diversas fontes de energia, além da fotovoltaica, como o gerador à diesel e baterias.

O projeto-piloto foi implementado em Minas Gerais, maior polo de irrigação do Brasil. Após mais de um mês em funcionamento com resultados satisfatórios, o projeto foi comissionado e a solução será disponibilizada ao mercado nas próximas semanas no Brasil e no mundo.

Primeiro pivô do mundo a base de energia solar é lançado
O pivô é capaz de irrigar 96,4 hectares por uma média de 6 a 8 horas/dia / Foto: Divulgação

Retorno de investimento atrativo

A comparação direta deste sistema é com o gerador à diesel, alternativa mais utilizada atualmente. Assim, considerando o uso do pivô durante o ano inteiro, o retorno do investimento inicial é calculado em cerca de 2 anos, já que o custo com operação e manutenção é mínimo, marginal em relação àquele com o diesel.

“Estamos revolucionando o mercado, democratizando o acesso à irrigação e oferecendo a produtores de todo o mundo a possibilidade de aumentarem sua produtividade. Uma solução desenvolvida no Brasil e que será colocada disposição do mercado internacional”, disse Renato Silva, diretor presidente da Valmont no Brasil.

“Este produto, que chegará ao mercado através da rede de revendas Valley, entrega valor ao produtor rural, que tem mais uma opção para melhorar a eficiência e produtividade de sua propriedade. Com essa novidade, estamos garantindo que a irrigação de precisão com energia limpa e barata esteja disponível para todas as áreas. Mesmo aquelas mais remotas”, comentou Jonas Proença, diretor de desenvolvimento de rede e marketing da Valmont no Brasil.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.