Probióticos são opção para disbiose intestinal em aves de corte

Probióticos são opção para disbiose intestinal em aves de corte

PARTILHAR
Foto: Divulgação

A disbiose pode estar presente em todas as fases da vida das aves e pode ser controlada por meio de probióticos através da indução da eubiose, recomenda a Biomin

A avicultura é uma atividade extremamente profissional e a produtividade, tanto do segmento de corte quanto de postura, é medida em detalhes. “O uso de antibióticos em doses terapêuticas foi, por muitos anos, considerado o tratamento mais usual para a disbiose (desequilíbrio da microbiota intestinal). A evolução da tecnologia em saúde e nutrição animal proporcionou o desenvolvimento de novas soluções naturais, como os probióticos”, informa Renata Reis, gerente regional da Biomin, empresa de soluções nutricionais naturais do Erber Group.

Em um experimento a campo, a Biomin utilizou ao redor de 8,6 milhões de aves tratadas com micro-organismos probióticos, tanto no incubatório quanto no primeiro alimento. No grupo controle, o qual não recebeu o tratamento com probiótico, 20% dos pintinhos apresentavam gás no ceco. Já no terceiro dia, esse percentual subia para 50%. A presença de gás nessa região é um dos sinais que indicam a disbiose intestinal, problema que afeta diretamente a produtividade da granja.

“A partir desses dados, começamos a tratar as aves do grupo testemunha com o probiótico desde o incubatório via spray logo após a eclosão dos pintinhos e depois administramos a versão encapsulada na primeira ração de 1 a 9 dias de idade. Os resultados foram notados em menos de 7 dias de uso, com o desaparecimento do gás no ceco, as bactérias benéficas foram capazes de colonizar o ceco, conhecido por ser um reservatório das bactérias patogênicas”, explica a especialista da Biomin.

A indução da eubiose resultou além do desaparecimento do gás cecal, uma melhora do peso corporal (+5%) e uma redução da mortalidade (0,30pp) aos 7 dias de idade. A utilização de bactérias benéficas induziu a eubiose e melhorou a função intestinal, o que refletiu em melhoria nesses indicadores de performance. “A aplicação de estratégias naturais também contribui para o movimento mundial da redução do uso de antibióticos na produção animal”, diz Renata.

“Sabemos que a resistência antimicrobiana é um dos grandes desafios atuais. Assim, precisamos implementar alternativas eficientes para ter o mesmo ou mais sucesso em problemas comuns na produção, como é o caso da disbiose intestinal em aves”, destaca a gerente da Biomin. A empresa possui em seu portfólio a solução PoultryStar, que foi desenvolvido depois de muitos anos de pesquisa e onde 5 cepas de bactérias foram cuidadosamente selecionadas de diferente partes do tubogastrointestinal por sua capacidade de promover a saúde intestinal de aves.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com