Uruguai sofre com atrasos de pagamento da China

Uruguai sofre com atrasos de pagamento da China

PARTILHAR
carne-mais-saudavel-e-saborosa
Foto: Divulgação

Jornal uruguaio fala sobre os atrasos do pagamento da carne uruguaia enviada para a China; renegociação de contratos são entraves do problema.

A indústria frigorífica uruguaia continua sofrendo com os atrasos de pagamentos da carne que foi enviada para a China. A intenção dos importadores chineses e de renegociar os preços de vendas acordadas no final do ano passado, isso vem trazendo um entrave de milhões de dólares em negócios acordados.

Como a Faxcarne publicou esta semana, o Uruguai é o país mais exposto ao que está acontecendo na China, uma vez que possui 100% de sua indústria habilitada para exportar diretamente para esse mercado, diferentemente de outros fornecedores da região. Como pagou muito mais do que os outros destinos em potencial, quatro em cada cinco quilos foram para a China.

Os exportadores compraram gado caro no mercado uruguaio e agora enfrentam um processo de renegociação de suas vendas que gera ainda mais prejuízo, já que os negócios realizados estavam com margens apertadas. explica Faxcarne.

“Estamos falando de perdas milionárias”, disse um representante da indústria ao jornal Tardáguila. O pico de demanda e preços na China ocorreu no início de novembro, durante a feira de exportadores e importadores de Xangai, onde os preços da tonelada explodiram e o preço do gado começou a atingir níveis recordes.

Foi então que o governo chinês adotou três saídas: abrir o canal cinza de Hong Kong e Vietnã (onde entra carne ilegal), liberar carne de porco em estoque e cortar o crédito para as empresas importadoras.

O freio de demanda foi imediato, de acordo com a análise de Faxcarne. Os importadores chineses, comprados caros, pressionam bastante para renegociar com cortes de preços que, de acordo com os cortes, variam de 20% a 30%. Para os miúdos e subprodutos, fala-se em diminuição dos preços em até 25%. Por outro lado, outras empresas declararam falência, portanto não pagam diretamente. Nesses casos, o contêiner chega ao seu destino e não tem ninguém para buscá-lo.

O potencial interessado propõe remoções de 40% e 45% no preço acordado. Desde a semana que começou em 10 de novembro até o final do ano, cerca de 46.000 toneladas de produtos à base de carne chegam ou viajam para a China. Existem 35.000 toneladas de carne por US$ 192 milhões e 11.000 toneladas de miúdos e subprodutos por US$ 20,5 milhões.

Fonte El Pais

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com

PARTILHAR
Portal de conteúdo rural, nosso papel sempre será transmitir informação de credibilidade ao produtor rural.