Vídeo: Caça autorizada não soluciona invasão de javalis

Vídeo: Caça autorizada não soluciona invasão de javalis

PARTILHAR

É essencial entender a espécie para elaborar controle reprodutivo e evitar prejuízo na agricultura e suinocultura. Veja a abordagem da USP sobre o assunto!

A invasão de javalis está causando prejuízos para agricultores e ameaça também a suinocultura em Santa Catarina, e no Brasil. Estima-se que existam cerca de 200 mil javalis naquele Estado. O cenário no interior catarinense é o exemplo mais drástico do estrago causado pelo animal, que já está presente em pelo menos 563 municípios brasileiros. O prejuízo atinge lavouras, animais de criação e até ataque aos humanos!

Atualmente, o javali é o único animal cuja caça é permitida no país. Em 25 de março, uma nova portaria do Ibama regulamentou o uso de cães para o manejo da espécie e informatizou o sistema de autorizações para caçadores. Entretanto, a medida ainda não é tão eficiente e a burocratização acaba atrasando o processo para liberação da caça e da posse de arma para os caçadores.

A espécie exótica invasora ameaça criação de suínos e produção de milho no Estado. Só no levantamento realizado pela CNA, caso a peste suína africana se espalhe, o prejuízo pode chegar a quase R$ 50 bilhões de reais. Quando o assunto são as lavouras, a preocupação com os pequenos e médios produtores é ainda maior, já que para muitos a lavoura é o único sustento da família.

Por outro lado, a caça pode afetar espécies nativas, como queixada e cateto. Essa é uma preocupação!

Confira no final da matéria, algumas imagens da destruição causada por esses animais e um vídeo de uma plantação destruída e infestada por essa praga!

Jornal da USP no Ar conversou sobre a situação com o professor Adroaldo José Zanella, do Centro de Estudos Comparativos em Saúde, Sustentabilidade e Bem-Estar Animal do Departamento de Medicina Veterinária Preventiva e Saúde Animal da Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia (FMVZ) da USP.

De acordo com o professor, o fenômeno não está restrito ao Estado de Santa Catarina, mas a situação ganha maior foco na região por conta da importância que a suinocultura tem para aquele estado – e o suíno doméstico é a maior proteína que a gente consome no mundo.

Vale ressaltar que “o javali, que é ancestral do porco doméstico, tem essas características fenomenais de adaptação: você encontra suínos e javalis nas áreas do Ártico e do Antártico, então eles trazem essa capacidade de se ajustar aos ambientes humanos”, explica Zanella.

No Texas, como mostrado aqui no Compre Rural, os animais assolam os pecuaristas e agricultores, entretanto a caça acabou se tornando turística e uma fonte de renda para eles. Ou seja, o que era um problema se tornou solução financeira para a região.

Os animais chegaram ao Brasil como uma maneira de trazer uma proteína de carne a mais e, de forma voluntária ou involuntária, eles foram liberados para a natureza. Além da alta capacidade de adaptação, o cruzamento entre javalis e suínos domésticos aumentou o número de leitões nascidos: eles tem condições de ter 2,3 ou 2,4 partos ao ano, sendo que cada um desses partos pode gerar até 30 leitões por fêmea.

“Hoje se transformaram nesse enorme risco para a natureza e biodiversidade e para a nossa agricultura.”

O veterinário avalia que “os dados sobre javalis ainda são muito modestos para fazer uma tomada de decisão inteligente, mas somente caça como medida de mitigação não vai funcionar”.

Para ele, está faltando uma estratégia nacional e até mesmo internacional – países europeus e a China também passam por riscos sanitários de peste suína e na agricultura – para elaborar um plano estratégico que envolva os interessados, como entidades de produção animal, produtores rurais e população urbana.

“O primeiro passo é entender como essa espécie opera. O risco maior, no nosso caso, é que a gente não tem um predador natural que seja eficiente no controle de javalis. Então, a gente vai ter que atuar para a fonte de controle reprodutivo e ele pode envolver técnicas de controle material”, afirma Zanella.

campos-novos-urubici
Lavoura de milho é alvo de ataques de javalis em Capão Alto/SC — Foto: Celso Tavares/G1

“A fundamentação da estratégia na minha opinião seria um edital público”, porque utiliza o conhecimento científico para favorecer ideias inovadoras. Uma delas é o controle da espécie através da reprodução a partir de machos inférteis.

Atendendo apelo da Federação da Agricultura e Pecuária do Estado de Santa Catarina (FAESC), o governo do Estado regulamentou a caça, a captura e o abate desses animais em território barriga-verde.

Para fazer o controle populacional e a prevenção desses animais na região Oeste, a FAESC, o Sindicato Rural de Chapecó e a Polícia Militar Ambiental (PMA) lançaram um projeto piloto no último sábado (14), na comunidade de Rodeio do Herval, no distrito de Marechal Bormann, em Chapecó.

Nesse projeto, os produtores da região estão autorizados a caçar e capturar os animais. Para isso, eles receberam um treinamento sobre uso de armadilhas e como proceder quando tiverem a “visita” desses animais. Uma atitude exemplar e que deveria funcionar de forma nacional.

De forma resumida, o problema dos javalis é de ordem nacional e, com isso, precisamos de uma união entre os setores e Governo Federal para, através da caça e captura, buscar soluções viáveis para a praga que assola a cadeia produtiva que movimento a economia da nação!

Confira o vídeo:

Exclusiva do Compre Rural com informações do Jornal da USP

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com