Descubra a potência da Pecuária no Tocantins

Descubra a potência da Pecuária no Tocantins

PARTILHAR
Foto: Embrapa

Cadeia produtiva da carne gera no Estado mais de 315 mil empregos e faz circular R$ 7 bilhões por ano em todos segmentos do comércio

Os dados foram obtidos por meio de cruzamentos de informações e consideram a movimentação de trabalhadores e geração de renda do início da produção, no pasto da fazenda, passando pelos frigoríficos, até a carne chegar às prateleiras ou gôndolas de supermercados e açougues, na cidade. Cruzamento de dados de balanços de vários órgãos estaduais e federais.

Os dados acima consideram a movimentação de trabalhadores e geração de renda do início da cadeia produtiva, no pasto, passando pelos frigoríficos, até a carne chegar às prateleiras ou gôndolas de supermercados e açougues e demais empreendimentos do ramo.

Numa simples soma é possível constatar, conforme relatórios no portal da Adapec, que há 56.500 pecuaristas registrados no Estado. Esta é uma informação oficial do órgão. Caso cada um desses produtores mantivesse ao menos um funcionário, o que não é a realidade, já seriam 56.500 empregos. Porém, o número, obviamente, é maior. Isso sem contar os empregos gerados em lojas de ração, insumos e produtos do campo.

Um dado que ratifica a soma acima: no recente Censo Agropecuário de 2017, o IBGE revelou que a ocupação de trabalho no campo tocantinense seria de 204.430 mil pessoas. O instituto, entretanto, contabiliza apenas as pessoas que ganham o sustento de suas famílias na zona rural.

Focos da mais recente polêmica do ramo, que é o reajuste da alíquota do ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços) por parte do governo do Estado, somente os frigoríficos do Estado geram 6 mil empregos diretos e 30 mil indiretos. Isso porque trabalham apenas com 44% de sua capacidade por, entre outros motivos, escassez do gado. Caso funcionasse a pleno vapor, seriam 12 mil empregos diretos e aproximadamente 50 mil indiretos, o que aqueceria ainda mais a economia tocantinense.

AINDA SOBRE EMPREGOS NO CAMPO

Vamos a mais números. Como abordamos acima, somente os frigoríficos geram hoje 35 mil empregos diretos e indiretos. No campo, na soma mais simplória possível, seriam 280 mil (isso se cada um dos 56.500 pecuaristas mantivessem um funcionário na fazenda). A soma desses resultados dá 315 mil pessoas que trabalham graças ao boi, a produção da carne. Isso representa 22,7% da população tocantinense, que é, conforme o IBGE, 1.383.445, conforme o último censo.

DINHEIRO NO COMÉRCIO EM GERAL

Outro dado relevante é que a pecuária faz circular o dinheiro. Não só no setor, mas praticamente em todos os segmentos comerciais. A análise é simples: Imaginem: Vamos pensar novamente a circulação do dinheiro desde as lojas de ração, na cidade, para o pasto, no campo. Incluiremos nessa analogia toda a movimentação necessária para a carne chegar, primeiramente, aos frigoríficos para depois abastecer o comércio varejista, antes da mesa de cada um de nós.

E para a carne chegar no frigorífico são necessários mais gastos: do combustível do caminhão que leva o gado e de trabalhadores, que no deslocamento têm despesas com alimentação e hospedagem. E dos frigoríficos para os mercados e açougues são outros gastos.

E isso tudo é possível ser contabilizado minimamente. Como? Também com contas simples. Vamos usar como exemplo o registro de abates dos frigoríficos do Tocantins em 2019.

Foram abatidos 934.718 animais. Cada um custa, em média, R$ 3.610,00. Ao multiplicarmos esses números chegamos ao valor movimentado de R$ 2.953.708.880 somente com o gado.

Outra conta. Na média, por ano, o gasto do produtor por ano para criar o gado e vende-lo ao frigorífico é de R$ 550,00. Multiplicando este número por 8.482.584, que é o número do rebanho bovino tocantinense de 2019, chegamos a um outro valor: R$ 4.665.421.200,00. Esse é o tanto de dinheiro que circula no Estado apenas para se criar o boi no pasto.

A soma de R$ 2,9 bilhões (conta mais acima), que se refere à negociação entre produtor, frigorífico e comércio, com os R$ 4,6 bilhões, que é o custo do boi, chegamos ao número de R$ 7.619.130,080,00. Ou seja, este é o valor da movimentação apenas com o gado no Tocantins.

A quantidade de números acima denota um fato: há necessidade de maior diálogo entre poder público e a cadeia produtiva da carne tocantinense, que, como todos os outros segmentos, geram emprego, renda, fazem circular o dinheiro e mantêm viva a economia tocantinense.

Adaptado de Norte Agropecuário

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com