Entenda as principais doenças dos bezerros

Entenda as principais doenças dos bezerros

PARTILHAR
Foto: Divulgação

Primeiros cuidados dos bezerros e entenda as seguintes doenças que são críticas nessa fase: diarréia, babesiose, anaplasmose, onfaloflebite e pneumonia

É nos bezerros que se encontra o futuro do rebanho, quando estes são destinados à reprodução, bem como os lucros do criador, quando eles são vendidos para o corte ou recria. Já nas primeiras horas de nascimento é necessário que seja realizada a cura do umbigo. Essa prática evita que o umbigo seja porta de entrada de agentes que podem causar diversos tipos de infecções nos bezerros, além de prevenir a instalação de bicheira (miíase) no umbigo.

Geralmente emprega-se solução de iodo a 10% ou mesmo produtos que possuam ação antimicrobiana e contra bicheiras. O corte do coto umbilical só deverá ser realizado caso o mesmo seja muito comprido, sendo que o comprimento para o corte é de cerca de 4 cm (dois dedos), a partir da pele de onde parte o coto umbilical. No caso do emprego de solução iodada, o coto umbilical deverá ser mergulhado usando-se um frasco plástico ou de vidro com boca larga. Assim o coto umbilical é mergulhado na solução.

Depois destes passos essenciais, o bezerro pode sofrer de algumas doenças, que podem levá-los a morte, fique atento:

Diarréia de bezerros

A diarréia de bezerros é a principal causa de perdas econômicas nas principais três semanas de vida. As causas mais comuns são bactérias entero-patogênicas (Escherichia coli e Salmonelia spp.), vírus, sucedineos lácteos mal-formulados, superalimentação, falta de higiene e outras falhas de manejo.

De acordo com o agente etiológico bacteriano da diarréia dos bezerros, duas denominações são possíveis:

a) Colibacilose ou curso branco, quando provocada pela Escherichia coli;

b) Salmonelose ou paratifo, quando provocada por bactérias do gênero Salmonelia spp. Há uma forte tendência de ocorrer paratifo durante a segunda ou terceira semana de vida, mais do que na primeira semana, característica mais comum na Colibacilose. Os sintomas são fezes moles, fétidas, às vezes com estrias de sangue; febre na fase inicial, podendo ocorrer, posteriormente, hipotermia, inapetência, depressão, orelhas caídas, desidratação, emagrecimento rápido e traseiro sujo (cauda e região perineal).

A diarréia pode provocar, por metástase, o aparecimento de pneumonia, formando um quadro denominado de pneumoenterite. O tratamento consiste em fornecer sulfas e antibióticos orais, soluções hidratantes e, em casos mais graves, medicação parenteral. A profilaxia é feita através de vacinação da mãe no final da gestação, fornecimento adequado de colostro e higiene.

Babesiose em bezerros

A Babesiose ou piroplasmose é uma doença causada por protozoários do gênero Babesia. Caracteriza-se por febre e hemólise, ocorrendo uma síndrome de ancirlia, hemoglobinemia e hemoglobinúna. O principal agente transmissor da Babesiose, no Brasil, é o carrapato Boophilus microplus.

A ocorrência de babesiose é mais comum em animais de raça européia do que no gado zebu. Isto se deve provavelmente à diferença de susceptibilidade ao carrapato vetor. A Babesiose bovina é de grande importância econômica, tanto devido às perdas diretas quanto à restrição de movimentação dos animais, em consequência de quarentenas obrigatórias.

Os perigos mais graves ocorrem em áreas marginais, onde a população de carrapatos é altamente variável, dependendo das condições climáticas. Nas estações em que a população de carrapatos decresce, a infecção pode desaparecer e a pré-imunidade ser perdida. Em infecções naturais, o período de incubação é de duas a três semanas. Infecções subclínicas ocorrem muito comumente, sobretudo em bovinos jovens. Os principais sintomas clínicos são febre alta (40 C), falta de apetite, fraqueza, paralisação da ruminação, orelhas caídas, queda na produção de leite, frequência cardíaca e respiratória acelerada e anemia.

Em estágios mais avançados, ocorre grave icterícia e a urina toma coloração ciltre avermelhada e marrom. Animais prenhes muitas vezes abortam. O tratamento é feito com aplicação intramuscular de Ganaseg (Diaceturado, diazominodibenzamidina 7%). Em casos mais graves, pode-se recorrer à soroterapia e transfusão sanguínea.

Foto Divulgação.

Anaplasmose em bezerros

A Anaplasmose bovina é uma doença causada por Rireltesla do gênero Anaplasma, a qual é transmitida através da saliva do carrapato (Boophilus microphilus), quando se fixa no bovino para se alimentar. Estudos têm mostrado ser a Anaplasmose mais severa nos bovinos adultos. Porém, em se tratando de regiões endêmicas, onde os bezerros são expostos ao agente etiológico bem cedo, são frequentes perdas econômicas por atraso no desenvolvimento e morte. Atenção especial deverá ser dispensada aos bezerros que são mais atingidos pela doença. No nosso caso, de modo geral, os adultos são imunes à Anaplasmose, uma vez que foram infectados na fase jovem.

Em bovinos, o período de incubação varia com a quantidade de material infectado, mas geralmente é mais longo que na Babesiose, começando em três ou quatro semanas ou mais, após a infecção causada por carrapatos e uma a cinco semanas após a inoculação do sangue.

Na fase aguda da doença, os animais apresentam-se febris (40 a 41 C), com inapetência (falta de apetite) e constipação ou, às vezes, ligeira diarréia. Com o progresso da doença, em decorrência de anemia, apresentam as mucosas pálidas e/ou icterícias, os olhos fundos e perda de peso progressiva. O diagnóstico pode ser feito através dos sintomas clínicos e/ou esfregaços sanguíneos periféricos, corados pelo método de Gimisa.

O tratamento baseia-se na aplicação parenteral (intramuscular ou endovenosa) de tetraciclinas (5 a lOmg/kg de peso vivo). Em casos mais graves pode-se recorrer a soroterapia e transfusão sanguínea. Os controles da Anaplasmose e da Babesiose são feitos através de manejo adequado, onde os animais tenham acesso a piquetes carrapateados desde jovens, uma vez que a erradicação do carrapato em nosso meio não é viável. Além de ser de difícil erradicação, se fosse levada a termo traria problemas de comercialização, na venda e na compra de animais para regiões onde o carrapato é encontrado. Pulverizações quando a população de carrapatos está muito elevada também é uma medida de controle.

Deve-se conseguir um equilíbrio entre o hospedeiro (bovino) e o parasito (carrapato). Estas duas doenças também são conhecidas como “tristeza bovina”. Os sintomas são muito semelhantes, ficando difícil o diagnóstico diferencial. Para isso, geralmente há necessidade de se fazer um esfregaço de sangue periférico do animal doente. Como em nível de propriedade esta operação torna-se difícil, recomenda-se tratar o animal contra as duas doenças conjuntamente.

Foto: L. M Nieto / @lmnieto

Pneumonia em bezerros

Pneumonia é uma inflamação dos bronquíolos. Clinicamente manifesta-se por um aumento na frequência respiratória, tosse e sons respiratórios anormais na auscultação. Segundo a etiologia, as pneumonias podem ser infecciosas, metásticas, traumáticas, por corpos estranhos e parasitárias.

As pneumonias infecciosas primárias, que ocorrem em bezerros, podem ser causadas por vírus ou bactérias dos gêneros Pastetirelia e Klebisielia, principalmente. O mucoplasma também pode ser um importante agente causador de pneumonia em bovinos.

As pneumonias por metástases ocorrem quando os bezerros têm uma lesão primária em determinado local do organismo (como diarréia, onfaloflebite, etc). Com a evolução deste processo, há a invasão da corrente sanguínea por bactérias, as quais vão se fixar nos pulmões, causando pneumonia. Por isso é comum nos casos de diarreia ocorrer também o comprometimento pulmonar, ocasionando o quadro de pneumoenterite. A administração de medicamentos por via oral, bem como a ingestão forçada de leite, pode provocar falsa via levando também ao aparecimento de pneumonia por corpos estranhos.

Os principais sintomas da pneumonia são a respiração rápida e superficial, tosse, cianose quando atinge regiões extensas, diminuição do apetite ou inapetência, febre, lacrimejamento, tristeza e abatimento. A descarga nasal pode ou não estar presente. O tratamento é feito através da administração de antibióticos de amplo espectro (penicilina, tetraciclina, etc). No campo de verminose pulmonar, deve-se utilizar um anti-helmíntico específico.
A profilaxia consiste em fornecer alimentação adequada, higiene, evitar estabulação comum de um grande número de animais, evitar instalações mal ventiladas e úmidas. Os animais doentes devem ser isolados.

Foto: Divulgação

Onfaloflebite em bezerros

É a inflamação do “cordão umbilical”, causada por contaminação quando o bezerro nasce. A sintomatologia clínica é caracterizada por um aumento de volume no umbigo, com a presença de exsudato, que pode estar ou não exteriorizado.

Pode ocorrer dor abdominal. A evolução da onfaloflebite pode provocar hepatite, peritonite ou abcesso hepático, devido à ligação que existe entre o sistema porta e o umbigo do recém-nascido. Por metástase pode causar pneumonia e, por solução de continuidade, favorecer o aparecimento de miíase (bicheira). Deve-se fazer diagnóstico diferencial com hérnia umbilical, a qual desaparece sob pressão e apresenta o anel herniario.

O tratamento da Onfaloflebite é feito através da limpeza local com soluções antissépticas e aplicação parenteral de antibiótico. A profilaxia é feita através de assistência ao parto, não permitindo que a parição da vaca ocorra em locais sujos, procedendo os cuidados com o umbigo do bezerro recém-nascido, como já foi citado anteriormente.

Mais detalhes? Faça o download desse e-book da JA Saúde Animal

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com