Javalis estão “aterrorizando” os produtores, alguém ajuda?

Javalis estão “aterrorizando” os produtores, alguém ajuda?

PARTILHAR
Foto Divulgação.

Caçadores de javali encontrarão em Minas Gerais 198 cidades com os animais, lembrando que a caça do animal é permitida e deve acontecer para controle da população da praga!

Minas Gerais é um dos Estados que sofrem com a presença de javalis nas matas. Os animais são considerados pragas para os produtores rurais e à sociedade. Esses suídeos exóticos ameaçam lavouras, gado, nascentes e espécies em extinção. Além disso, qualquer pessoa pode sofrer ataques, pois são animais ferozes.

Por isso que no Brasil, a caça deste tipo de animal é legalizada. Mas os caçadores precisam seguir regras dos órgãos federais para a prática. E no caso de tudo regularizado, Minas Gerais se torna um campo de diversão para os entusiastas, que contribuem com o manejo da espécie. No Estado, 198 municípios registram a presença do animal.

Para se ter noção da gravidade da presença desses animais, 64 dessas cidades estão classificadas como prioridade extremamente alta para a prevenção, no aspecto ambiental. Ou seja, o javali é uma ameaça preocupante para a flora e a fauna mais sensíveis.

Existem várias espécies endêmicas ou ameaçadas de extinção por lá com o risco de serem atacadas, destaca o Instituto Mineiro de Agropecuária (IMA).

Para caçar um javali no Brasil, os caçadores precisam estar devidamente cadastrados no Sistema de Informação de Manejo de Fauna (Simaf). E cada autorização precisa de renovação a cada trimestres. Esta permissão é emitida digitalmente.

É necessário seguir várias regras relacionadas ao Simaf. As autorizações estão condicionadas, por exemplo, à informação sobre o tipo de armamento que será utilizado e a propriedade em que a caça será realizada. Cabe multa de R$ 2 mil para o descumprimento das normas. No caso das armas, é necessária a licença para a posse do armamento do Exército Brasileiro.

Em Minas, o IMA realiza o treinamento para o manejo e controle da Peste Suína Clássica (PSC) para os caçadores, que aprendem a coletar amostras de sangue dos animais. Esse material contribui para o instituo monitorar o cenário e evitar possível risco sanitário à atividade pecuária.

Porém, é muito importante diferenciar os animais. Os caçadores estão liberados para o manejo dos javalis. Mas catetos e queixadas, que podem ser encontrados nas matas, são protegidos por lei e não podem ser confundidos com a praga dos agricultores mineiros.

Doenças 

A javalina se torna fértil antes de completar um ano de vida e a gestação dura por volta de três meses, com cada fêmea podendo gerar até 14 filhotes por ninhada. O consumo da carne do javali não é recomendado, uma vez que ela não é inspecionada pelos órgãos de controle de saúde animal. A venda e o transporte do animal morto também são proibidos.

O javali pode ser portador e transmissor de doenças para outros suínos (tuberculose, brucelose, leptospirose), bovinos (brucelose e tuberculose) e também para o homem. Ele também pode ser veiculador de febre aftosa, como o Mapa adverte.

Os problemas são maiores

Ação do javaporco nas fazendas

» Destrói lavouras;
» Riscos como reservatório e transmissor de muitas doenças (Leptospirose e Febre Aftosa);
» Fuça a vegetação nativa;
» Dispersa ervas daninhas;
» Desregula processos ecológicos (sucessão vegetal e composição de espécies);
» Predador  (juvenis de tartarugas terrestres, tartarugas marinhas, aves marinhas e répteis endêmicos).
» Para impactos só de ordem ambiental, uma revisão global listou 27 tipos de efeitos da ação do animal.

Todo o conteúdo áudio visual do CompreRural está protegido pela legislação brasileira sobre direito autoral, sua reprodução é permitida desde que citado a fonte e com aviso prévio através do e-mail jornalismo@comprerural.com